Descobrindo novas delícias

No começo, quando ia a restaurantes tailandeses eu sempre comia a mesma coisa: ou me deliciava com o tradicional Pad Thai (prato típico de macarrão com um molho agridoce delicioso) ou ficava no frango em cubos com castanha de caju (cuja receita publiquei aqui). Mas desta vez, quando estava de férias nos Estados Unidos e almocei no meu restaurante tailandês preferido por lá resolvi me aventurar um pouco.

A surpresa foi fantástica. Descobri sopas maravilhosas que antes pensava terem combinações um pouco estranhas de ingredientes. A melhor parte é que estas sopas funcionam tão bem como entrada, acompanhamento ou prato principal, basta adequar o tamanho da porção à refeição indicada.

Sopa tailandesa de macarrão transparente

Sopa tailandesa de macarrão transparente

300 ml de água
15 g de shitake seco
1/2 pepino médio
1 dente de alho
40 g de harussame (macarrão transparente)
1 col. de sopa de shoyu light
1 col. de sobremesa de açúcar mascavo
100 g de repolho em fatias finas
150 g de tofu firme
coentro picado a gosto

Modo de preparo:
Deixe o shitake seco de molho em água quente (mas não fervendo) por pelo menos 30 minutos para hidratar. Enquanto isso, coloque o pepino cortado, o alho e o repolho fatiado num multiprocessador. Bata até formar uma mistura homogênea e quase lisa.
Despeje a mistura numa panela e acrescente os 300 ml de água fervendo. Cozinhe com uma leve fervura em fogo médio por 2 ou 3 minutos. Coe o líquido para outra panela e descarte os restos que sobrarem.
Levante mais uma vez uma leve fervura e adicione o shitake hidratado com metade do líquido no qual estava. Acrescente o harussame e o açúcar mascavo dissolvido no shoyu light. Deixe cozinhar por 5 minutos até o macarrão amolecer.
Prove o sal e se for preciso tempere com mais um pouco de shoyu. Corte o tofu em cubos médios e coloque numa tigela. Por cima, derrame o conteúdo da sopa e decore com folhas de coentro picadas a gosto. Sirva acompanhado de torradinhas integrais.

A primeira vista a sopa pode não parecer lá muito apetitosa, mas a combinação do pepino com o repolho como base do caldo acrescentados ao shitake tornaram o sabor mais interessante. Uma das vantagens desta sopa, alias, é justamente a suavidade de todos os sabores que, quando misturados, não perdem suas características individuais.

Se você não for muito fã de tofu, vale preparar este prato usando também pedaços pequenos de peixe cozido (como filé de tilápia ou linguado) ou até mesmo cubinhos de peito de frango. Entretanto, a suavidade do tofu faz com que o sabor da sopa não seja sobrecarregado de temperos forte demais. Para mim, a melhor parte continua sendo o gostinho único do harussame. Desde que descobri este macarrão transparente tipicamente oriental me apaixonei.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Sabor e praticidade num só lugar

Uma das maneiras mais fáceis de preparar um belo prato com filé é fazendo um simples stir-fry oriental. Já compartilhei diversas receitas de stir-fry, mas até agora não tinha chamado por este nome. O stir-fry nada mais é do que pegar uma carne, alguns vegetais e um molho e preparar na panela wok.

Não chega a ser uma fritura já que o formato da panela evita com que os ingredientes fiquem nadando na sua própria gordura. Além disso, a rapidez com que os pratos são preparados fazem com que seja necessário quantidades mínimas de óleo (ou nenhum se a panela for antiaderente). O resultado são receitas super saborosas e saudáveis.

Tirinhas de carne apimentada

Tirinhas de carne apimentada

1 pedaço pequeno de filé magro
1 col. de sopa de shoyu light
1 col. de sopa de vinagre de arroz
1 col. de chá de açúcar mascavo
1/2 cebola
1 col. de chá de gengibre em pó
1/2 cenoura pequena ralada
1 col. de sobremesa de pimenta calabresa
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Tempere a carne com sal e pimenta a gosto e corte o pedaço de filé em tiras bem fininhas com uma faca afiada. Numa tigela, misture o shoyu, o vinagre de arroz e o açúcar mascavo. Acrescente a carne e mexa bem para incorporar todo o tempero. Deixe marinando por 30 minutos.
Aqueça uma panela wok antiaderente e refogue a cebola picada com o gengibre em pó. Adicione a cenoura ralada bem fininha e refogue por mais alguns segundos. Por fim, coloque a carne junto com o molho da marinada na panela. Mexa bem e deixe refogar até a carne cozinhar por completo (de 2 a 3 minutos). Salpique com pimenta calabresa e sirva por cima de arroz integral.

Uma dica para conseguir cortar a carne bem fininha é fazê-lo enquanto ela ainda estiver um pouco congelada. Assim fica mais fácil manipular o filé. Se quiser deixar o prato mais interessante, corte a cebola em tiras invés de picá-la. Com isso os pedaços de cenoura e cebola ficam do mesmo tamanho e deixam a receita esteticamente mais bonita.

Como toda receita oriental a intensidade do sabor depende dos temperos e da quantidade utilizada. A melhor parte desta carne desfiada é a pimentinha calabresa acrescentada ao final. Entretanto, se você não gostar muito de pratos picantes pode deixar de fora já que a marinada utilizada é bastante saborosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Em busca da eterna praticidade

Carro chefe da culinária tailandesa, os currys nada mais são do que pratos com uma fonte básica de proteína (seja ela tofu, frango, carne ou peixe), cozidos com um misto de vegetais e temperados com diversas ervas e especiarias marcantes. Estes pratos também fazem parte em grande escala da gastronomia indiana, sendo que a grande diferença está na presença de outro ingrediente indispensável nos pratos tailandeses: o leite de coco.

Existem diversas maneiras de preparar os currys. Uma técnica um pouco mais “de raiz” seria pegar cada tempero que será utilizado na sua forma in natura e amassá-los para que juntos formassem um pó colorido. Esta mistura então seria adicionada à carne e aos vegetais numa panela ou wok enquanto fossem cozidos. Para facilitar a vida de cozinheiros mundo afora, existem hoje as pastas de curry. O tempero já vem em forma pastosa e sua aplicação no prato torna o preparo dele muito mais fácil.

Peito de frango ao curry tailandês com espinafre

Peito de frango ao curry tailandês com espinafre

1 peito de frango médio em cubos
1/2 maço de espinafre
100 g de floretes de couve-flor
1 col. de sopa de pasta de curry vermelha tailandesa
60 ml de leite de coco light
1 col. de chá de açúcar mascavo
sal e coentro a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela, misture o leite de coco com o açúcar e a pasta de curry vermelha. Acrescente folhas de coentro picadas a gosto.
Tempere o peito de frango com sal e pimenta. Aqueça uma panela wok antiaderente e acrescente os cubos de frango para que comecem a cozinhar. Pingue algumas gotas de água para auxiliar no cozimento. Quando o frango estiver quase pronto, adicione o espinafre cortado e os floretes de couve-flor. Despeje o molho preparado e mexa bem para incorporar ao prato inteiro. Deixe cozinhar por mais alguns minutos mexendo sempre até ficar pronto. Sirva acompanhado de arroz integral.

Currys tailandeses preparados dessa maneira ficam absolutamente deliciosos. Principalmente pelo molho farto e picante que proporciona um sabor único ao prato. Uma das vantagens de servir acompanhado de arroz é que este acaba sugando todo esse molho e ficando bem molhadinho.

É importante lembrar que a pasta de curry vermelha traz uma intensidade bem picante ao prato. A sugestão de quantidade indicada na receita, entretanto, rende um molho apenas com um leve toque apimentado. Vale lembrar que quanto mais pasta acrescentada mais picante fica o prato. Sugiro ir provando o molho para adequar ao seu paladar. No meu caso, acabei colocando um pouco mais da pasta para que o sabor ficasse mais intenso. Ficou fantástico.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Uma luz ao término do final de semana

Domingo à noite é sempre assim, momento depressão porque acabou o fim de semana. Mas querendo é sempre possível encontrar algo para nos deixar feliz, mesmo amanhã sendo segunda-feira. Que tal começar a semana com um delicioso café da manhã com direito a uma refeição nutritiva, saudável e docinha?

É verdade que para preparar a sugestão de hoje é necessário instrumentos especiais. Uma das desvantagens de querer fazer um waffle tipicamente americano é ter que ter em casa o forno especial para tal função. Entretanto, aqui vai uma dica muitas vezes desconhecida. Mesmo você não tendo um forno de waffle, a mesma receita serve para fazer panquecas na frigideira. E convenhamos, o gosto é uma delícia. Importa em qual formato vem?

Waffles de iogurte

Waffles de iogurte

1 ovo
1 1/2 pote de iogurte natural desnatado
3 col. de sopa rasas de margarina
150 g de farinha integral
1 1/2 col. de sopa de açúcar mascavo
1 col. de café de bicarbonato de sódio
1 col. de chá de essência de baunilha

Modo de preparo:
Bata a clara em neve e reserve. Numa tigela, junte a gema, a margarina, o iogurte e a essência de baunilha. Mexa bem até ficar homogêneo. Aos poucos, acrescente a farinha, o açúcar e o bicarbonato. Misture delicadamente só até incorporar tudo. Por fim, junte a clara em neve e mexa com cuidado até ficar homogêneo.
Aqueça o forno próprio para fazer waffle e derrame metade da massa. Asse de acordo com as instruções do forno até ficar crocante e tostado. Repita com o restante da mistura. A receita rende 6 unidades. Mesmo que não vá comer todos na hora, prepare a receita inteira e congele as unidades não consumidas. Quando for comer, apenas asse novamente numa torradeira convencional.

Já comi vários waffles comprados pré-prontos congelados. Achei esta receita infinitamente superior. O triste é que só consegui comê-lo pois estava na casa da minha mãe neste final de semana. Entretanto, pretendo testar a receita fazendo panquecas na frigideira quando voltar para minha casa.

De modo geral, para preparar panquecas com receitas tipo essa a medida é de 3 a 4 col. de sopa de massa para cada panqueca. Em uma frigideira antiaderente, é só derramar a quantidade certa da mistura e espalhar pela panela virando-a pelo cabo com a mão. Quando estiver começando a dourar na parte de baixo, vira-se com o auxílio de uma espátula. Ao todo são menos de cinco minutos de espera antes de saborear um café da manhã delicioso. Melhor impossível.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Quando o esforço vale a pena

Para os céticos de plantão cozinhar sem gordura na busca por uma alimentação saudável pode significar fazer refeições sem gosto. Realmente um dos motes defendidos por chefs pelo mundo afora é que gordura é igual a sabor dentro de uma preparação.

Entretanto, há inúmeras maneiras de deixar um prato delicioso e cheio de sabor sem precisar acrescentar gorduras que, na maioria das vezes, acabam sendo prejudiciais à saúde. Uma delas é bem simples, por mais que seja um pouco demorada. O segredo é deixar carnes, peixes ou frangos marinando em temperos por algumas horas. Assim adquirem um gostinho fantástico sem prejudicar a alimentação saudável.

Cha shao (filé ao barbecue oriental)

Cha shao (filé ao barbecue oriental)

1 pedaço médio de filé magro (patinho, alcatra, filé mignon)
1 col. de sobremesa de mel
45 ml de vinagre de arroz

marinada
150 ml de shoyu light
90 ml de vinagre de arroz
150 ml de caldo de carne
1 col. de sopa de açúcar mascavo
1/4 de cebola picada
1 cm de gengibre fresco ralado

Modo de preparo:
Numa panela, junte os ingredientes da marinada e misture bem em fogo médio até começar a ferver para que o açúcar dissolva completamente. Abaixe o fogo e deixe cozinhar em fogo baixo mantendo uma leve fervura por aproximadamente 15 minutos. Após esse tempo, desligue o fogo e deixe esfriar completamente.
Corte o filé em pedaços médios e arrume numa forma refratária de forma que nenhum pedaço fique por cima do outro. Despeje a marinada completamente fria dentro da forma refratária e leve à geladeira. Deixe marinando de 4 à 6 horas.
Para assar a carne, pré-aqueça o forno em 200˚C. Retire os pedaços do filé da marinada e coloque em outra forma refratária anti-aderente. Leve para assar por 10 minutos. Nesse meio tempo, acrescente o mel e o resto do vinagre de arroz à marinada e mexa bem para ficar homogêneo. Retire a carne do forno e despeje metade da marinada por cima. Devolva a carne ao forno e asse por mais 5 ou 6 minutos até ficar pronto. Sirva em seguida.

Não vou mentir, este prato requer um pouco de paciência e tempo. Mas o resultado final vale todo o esforço. Impossível descrever a delícia que ficou o gostinho desta carne. Suave e docinho, o açúcar e o mel por estarem em quantidades pequenas não tornaram o molho adocicado demais. Uma vantagem em relação a outros barbecues que, para mim, têm a tendência de serem doce demais.

Prato tradicional da Malásia e Singapura, ele geralmente é feito com carne de porco. Entretanto, preferi substituir por um filé mais magro buscando justamente ter uma menor quantidade de gordura saturada. Dito isso, hoje já é possível encontrar cortes de carne de porco com pouquíssima gordura. Se preferir, opte por preparar a receita da maneira original. Tenho certeza que ficará uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Vamos tomar chá?

Continuando a tradição de aos domingos compartilhar uma receita doce, trago para vocês hoje uma delícia tradicionalmente saboreada no, também típico, chá das 5 inglês. Pãozinho doce que lembra um muffim americano, o scone inglês é bastante versátil e pode até servir como um gostoso café da manhã nesses dias mais relaxados do final de semana.

Outra maravilha deste doce são as inúmeras opções de sabores. Para os tradicionais, nada melhor do que investir em gotinhas de chocolate que derretem maravilhosamente ao serem aquecidas. Já para os aventureiros, há versões feitas com maçã e canela, pêra com nozes ou até de frutas vermelhas.

Sou tradicional, mas não gosto apenas de chocolate. Por isso resolvi fazer um sabor também bastante apreciado: aveia com uva passa. E a melhor parte, apesar de ter que preparar toda a receita de uma só vez (que rende 8 porções), os scones podem ser congelados para serem saboreados outra hora. Fantástico, não?

Scone de aveia com uva passa

Scone de aveia com uva passa

70 g farinha de trigo integral
70 g de farinha de trigo branca
40 g de aveia em flocos
3 col. de sopa açúcar mascavo
1 col. de chá de fermento químico
1/2 col. de chá de bicarbonato de sódio
1 col. de chá de canela em pó 10
2 col. de sopa rasas de margarina light sem sal
1/2 pote de iogurte natural desnatado
1 ovo
1 col. de chá de essência de baunilha
40 g de uva passa

Modo de preparo:
Misture num multiprocessador as farinhas, aveia, açúcar e canela. Acrescente a margarina aos poucos e continue batendo até ficar com consistência de farofa grossa. Transfira para uma tigela e adicione o fermento, o bicarbonato, o iogurte, o ovo e a essência de baunilha. Misture delicadamente apenas até ficar tudo misturado. Cuidado para não mexer demais para o fermento e o bicarbonato não perderem seus poderes de crescimento. Por fim, acrescente as uvas passas.
Coloque a massa numa superfície previamente enfarinhada e sove 4 ou 5 vezes para terminar de misturar os ingredientes. A massa estará bem pegajosa. Faça uma bola e achate em formato de disco. Transfira para uma assadeira antiaderente e corte o disco em 8 pedaços iguais. Não há necessidade de separar os pedaços.
Asse em forno médio (200˚C) de 12 a 15 minutos até ficar levemente dourado. Espere esfriar um pouco antes de quebrar os pedaços e sirva com uma xícara de chá.

Rende 8 porções.

Confesso que foi minha primeira vez sovando uma massa sobre superfície enfarinhada. Me senti a doceira profissional. Brincadeiras à parte, realmente foi bem difícil transferir a massa para a assadeira já que, como falei antes, ela fica bastante pegajosa. Depois descobri que isso é totalmente normal e é este fato que dá a textura característica do scone, que fica macio e praticamente dissolve na boca.

O scone ao ser saboreado sozinho já fica uma delícia. Entretanto, se quiser dar um plus no seu lanchinho da tarde, vale colocar um pouquinho de geleia sem açúcar ou queijo cottage. Além de dar uma molhadinha no pão, proporciona uma mistura divina de sabores fazendo com que seu chá da tarde nunca mais seja igual. Mas cuidado para não exagerar e querer comer mais de um pedaço, combinado? Aprecie com moderação.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Prazer indiscutível

Já pensou em fazer uma mouse de chocolate e poder comer sem culpa ou medo de estragar a alimentação saudável? Eu raramente faço sobremesas de chocolate pois sou uma chocólatra assumida em recuperação. Se deixar, como uma caixa de chocolates inteira e jogo toda minha dieta e reeducação alimentar para o alto.

Entretanto, de vez em quando (beeeeem de vez em quando) me permito um prazer delicioso à base de chocolate divino. Quando achei esta receita vi que seria o doce perfeito para preparar neste domingo já que ele proporciona um sabor indiscutivelmente delicioso sem ser completamente prejudicial à saúde. Sem contar que o cacau também contem substâncias altamente benéficas para o organismo.

Está pronto para entrar neste paraíso gastronômico saudável? Confira a receita e não esqueça de lamber os lábios depois de degustar esta delícia.

Espumone de chocolate

Espumone de chocolate

1 pote de iogurte desnatado
200 ml de leite desnatado
2 col. de sopa rasas de cacau em pó sem açúcar
1 col. de sopa de licor de café
1 col. de sopa de adoçante culinário
1 col. de sopa de açúcar mascavo
1 sachê de gelatina em pó incolor
Canela em pó a gosto

Modo de preparo:
Dissolva a gelatina em 5 col. de sopa de água. Leve ao microondas por 15 segundos até amolecer completamente. Coloque os demais ingredientes num liquidificador e adicione a gelatina dissolvida. Bata de 2 a 3 minutos até formar um creme homogêneo. Despeje a mistura em taças individuais e leve à geladeira por 4 horas. Salpique canela em pó por cima antes de servir.

Absolutamente leve e saboroso, esta sobremesa te leva a um mundo paralelo. Impossível descrever a delícia e o prazer de saboreá-la. Para esta receita, utilizei licor de café pois era o que tinha em casa. Mas é possível usar outros dependendo do gosto individual. Uma opção é licor de amareto.

Também salpiquei canela em pó antes de comer pelo simples motivo de adorar doces com canela. Entretanto, para quem não curte canela é possível decorar as tacinhas com raspas de chocolate antes de servir. Por fim, vale comer também o espumone acompanhado de frutas frescas como morango, banana ou maçã picadas. O importante é usar a imaginação e comer com prazer. Aproveite o domingo para sair um pouco da dieta. Faz bem para a alma.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Adoçando o almoço de família

Já que hoje é domingo, nada melhor do que uma bela sobremesa para adoçar um pouco a vida de todos nós. Desta vez, a receita não é totalmente light, já que leva açúcar na composição. Entretanto, aqui é possível (e recomendável) optar pela utilização do açúcar mascavo, obtido das primeira extrações da cana. Ou seja, não é tão processado ou refinado quanto o açúcar comum.

Algumas vantagens do açúcar mascavo estão justamente no fato dele ser menos processado, já que isto faz com que ele retenha nutrientes e minerais vindos da cana-de-açúcar, como o fósforo e o cálcio. Sua coloração amarelada e gosto característico podem até incomodar algumas pessoas, já que altera um pouco o sabor dos pratos. Mas no fim as vantagens dele superam em muitos casos as desvantagens.

O melhor é que para várias sobremesas, esta por exemplo, o sabor não é alterado em nada. Alias, para mim ficou até melhor usar o açúcar mascavo pela combinação fantástica que é criada ao ser juntado com a canela. O sabor final ficou uma delícia.

Mas, claro, sempre vale repetir: apesar de ter mais benefícios do que o açúcar refinado, o mascavo não deixa de ser calórico (é praticamente equivalente à quantidade presente no açúcar branco) e deve sempre ser consumido em moderação. De qualquer forma, quando for abrir uma exceçãozinha vez ou outra, não há dúvidas que o açúcar mascavo é a melhor opção.

Crumble de maçã

Crumble de maçã

Recheio
2 maçãs-verdes sem casca cortadas em cubinhos
1 canela em pau
1 col. de sopa de adoçante culinário
1/2 xic. de chá de água
1 col. de sopa de açúcar mascavo
canela em pó a gosto

Farofa crocante
1 xic. de chá de farinha de trigo
1 col. de sopa de açúcar mascavo
2 col. de sopa de manteiga light sem sal
canela em pó a gosto

Modo de preparo:
Em uma panela antiaderente, cozinhe a maçã com a canela em pau e o adoçante mexendo até a fruta murchar (aproximadamente 5 a 8 minutos). Acrescente a canela em pó, a água e o açúcar e cozinhe em fogo baixo até a água secar completamente. Reserve.
Para a farofa crocante, junte a farinha, o açúcar e a manteiga e misture com as pontas dos dedos até formar uma farofa grossa. Para montar, coloque a maçã assada numa forma refratária e cubra com a farofa crocante cuidadosamente, sem pressionar. Polvilhe com canela em pó a gosto e leve ao forno preaquecido a 180ºC por 35 minutos até a farofa endurecer e dourar. Sirva quente.

Já falei o quanto adoro a combinação maçã com canela. Nesta receita, ela é ainda mais acentuada tornando a experiência sensacional. Por serem maçãs-verdes, o azedinho da fruta contrasta muito bem com o sabor da canela e o doce do açúcar mascavo. No fim, fica uma mistura de sabores divinos na boca.

A sobremesa já é ótima pura, mas se você quiser incrementar ainda mais (e estiver com saldo no consumo de calorias do dia) vale combinar com uma bola de sorvete de creme light. Fica fantástico. Só não vale exagerar na dose. Uma porção pequena é mais do que suficiente para adoçar o paladar depois do almoço de domingo com a família. Combinado?

Por hoje é só.

Bon appetit!