Novos patamares de sabor

Depois que entrei na onda de comer peixe cru e outras delícia da culinária japonesa começou a me dar vontade de experimentar outras iguarias geralmente preparadas sem cozimento. Já tinha provado o ceviche peruano e o kibe cru árabe e me apaixonado. Então, pensei que havia chegado a hora de navegar pelas ondas francesas e testar o famoso steak tartare.

À primeira vista confesso que este prato não parece lá muito apetitoso. A carne utilizada não chega a ser moída, como no caso do kibe cru, e ainda é misturada com gema de ovo crua e molho inglês para dar sabor. Pode parecer uma mistura extremamente bizarra de ingredientes, mas não é que no final da certo? Testado e aprovado!

Steak tartare

Steak tartare

100 g de filé mignon
1/2 gema de ovo
1 col. de chá de alcaparra picada
50 g cebola roxa bem picada
1 col. de chá de molho inglês
1 col. de chá de mostarda Dijon
1 col. de chá de vinagre balsâmico
1 col. de chá de azeite
salsinha, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pique bem a carne com a ponta da faca até que fique praticamente moída à mão. Numa tigela, misture a carne com os demais ingredientes e tempere com salsinha, sal e pimenta a gosto. Prove e adéque os temperos como preferir. Sirva acompanhado das clássicas batatas chips, de preferências assadas na hora em casa.

Todos já devem saber mas não custa nada repetir: é preciso ter muito cuidado ao consumir produtos como carnes e ovos crus. Certifique-se que seu açougueiro é de confiança e exija sempre a carne mais fresca do dia. O mesmo vale para os ovos. Não utilize aqueles guardados há algum tempo na geladeira, dê preferência para os mais frescos que tiver.

Não vou mentir, o sabor é bem diferente e requer um pouco de tempo para acostumar-se. Mas depois de relaxar e abstrair o que realmente há no prato é possível perceber a complexidade dos sabores presentes. Para manter a refeição saudável, não opte pelas batatas fritas servidas geralmente de acompanhamento. Espere que amanhã ensino como fiz chips de batata doce que comi junto do steak tartare e que ficaram absolutamente divinas!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Criações instantâneas

Sejamos sinceros. Tem noites que não estamos com a menor vontade de ir para o fogão e fazer um jantar elaborado. Depois de horas no trabalho, a melhor coisa nesses dia é abrir a geladeira e inventar a primeira coisa que vir pela frente. Minha dica de hoje nasceu de uma dessas noites, mas nem por isso ficou sem graça ou simplória. Alias, ficou uma delícia.

A primeira coisa que precisamos fazer é ter sempre alguns ingredientes chave na despensa. Itens como atum ou sardinha enlatados, salmão ou outro peixe defumado congelado, condimentos como mostarda ou cream cheese e um bom pão multigrãos não devem faltar nunca. Assim, nessas noites preguiçosas conseguimos preparar uma refeição ligeira e saborosa.

Carpaccio de haddock no pão alemão com mostarda

Carpaccio de haddock no pão alemão com mostarda

1 fatia de pão alemão multigrãos
100 g de carpaccio de haddock
1 col. de sopa de mostarda escura
1 col. de sobremesa de alcaparras

Modo de preparo:
Passe a mostarda na fatia de pão alemão multigrãos. Arrume o haddock descongelado por cima do pão e salpique com as alcaparras. Sirva acompanhado de uma saladinha verde e uma tigela pequena de sopa de legumes.

Esses carpaccios ou pedaços de peixe defumado que guardamos congelados no freezer são absolutamente divinos e facilitam muito nossa vida no dia a dia. Geralmente tenho algumas unidades de salmão defumado no congelador mas resolvi também provar o tal do carpaccio de haddock. Mais suave que o salmão, ele é uma ótima opção para variar um pouco o cardápio.

Além de já facilitar o jantar por poderem ser consumidos sem preparo nenhum, esses filés de peixes congelados são super fáceis de descongelar. Bastam apenas 2 ou 3 horas na geladeira ou mesmo uns 40 minutos em temperatura ambiente. Todos os pacotes vem com 2 porções mas se você é como eu e tem bastante fome vai acabar comendo tudo. O sabor maravilhoso não permite compartilhar.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Refeições ecléticas

Quantas vezes você já deixou de almoçar ou comeu qualquer besteira no trabalho por mera falta de tempo? Geralmente temos a impressão de que precisamos de horas a fim para preparar algo saudável e gostoso para comer. Entretanto, é possível fazer uma bela refeição sem gastar muito tempo ou dinheiro, basta fazer alguns simples planejamentos.

Num dia em que quiser jantar um delicioso prato de massa ao molho de tomate, aproveite para preparar esta receita. Digo isso porque ela se transforma numa fantástica salada de macarrão que pode ser levada para almoçar no dia seguinte no trabalho. Além de ser divinamente saborosa, ela é super fácil de fazer e demora menos de 30 minutos para ficar pronta.

Salada de macarrão com berinjela

Salada de macarrão com berinjela

50 g de penne integral
100 g de berinjela
100 g de tomate cereja
1 col. de sopa de extrato de tomate
1 col. de sopa de alcaparras
15 ml de vinagre de vinho branco
30 ml de água
azeite, sal, pimenta e manjericão a gosto

Modo de preparo:
Ferva uma panela de água e cozinhe o macarrão de acordo com as instruções da embalagem até que fique al dente. Escorra e regue com um fio de azeite para não grudar. Reserve.
Enquanto a massa cozinha, aqueça uma outra panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Coloque a berinjela cortada em cubos e refogue por alguns minutos para começar a cozinhar. Acrescente os tomates cereja inteiros e refogue mais alguns minutos até que comecem a estourar.
Numa tigela, misture o extrato de tomate, o vinagre, a água e tempere com sal e pimenta a gosto. Despeje na panela e deixe ferver. Reduza o fogo e cozinhe a berinjela por mais 5 minutos mantendo uma leve fervura até que murche por completo e o engrosse levemente.
Desligue o fogo, junte as alcaparras e o manjericão a gosto. Mexa bem e por último acrescente o macarrão cozido. Deixe esfriar um pouco ou guarde na geladeira até o momento de servir. Coma acompanhada de um filé de peixe ou frango grelhado.

Chamar este prato de salada vem apenas do fato dela ser comida em temperatura ambiente ou até gelada ao invés de quente. Entretanto, nada impede que você saboreie esta deliciosa refeição como um prato de massa ao molho de tomate com berinjelas normal.

A intenção aqui é mostrar que esta combinação também funciona super bem como um prato gelado o que significa que ele pode ser feito num dia e as sobras transformam-se numa ótima e saborosa opção para o almoço corrido do trabalho no dia seguinte. Além de super fácil, a junção dos tomates com a berinjela e o manjericão e as alcaparras formam um casamento espetacular de sabores.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Divinamente molhadinho

Sempre que possível gosto de experimentar com ingredientes novos. Tenho uma tendência de comer sempre a mesma coisa quando gosto muito de algo. Para evitar que isso aconteça, procuro me forçar a trocar os ingredientes dos meus cardápios pelo menos semanalmente.

Muito por esse motivo, faz tempo que não como salmão, ou pelo menos não preparo salmão em casa. Amo salmão. Se pudesse comia todos os dias. Mas para dar uma variada (mais do que necessária) desta vez resolvi escolher uma receita com outro tipo de peixe. Escolhi o robalo, peixe branco, divinamente saboroso e fresquinho como nunca.

Robalo ao molho de tomate com alcaparras e champignon

Robalo ao molho de tomate com alcaparras e champignon

1 kg de filé de robalo fresco
200 g de cogumelo paris fresco
400 g de aspargo fresco
1 vidro de alcaparras em conserva
1 lata de tomates pelados
4 dentes de alho amassados
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Corte o filé de robalo em cubos médios. Tempere com sal e pimenta a gosto e reserve. Numa panela funda, junte os cogumelos e os aspargos bem lavados. Acrescente o alho amassado e a lata de tomates pelados.
Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe por 5 a 7 minutos em fogo baixo mantendo uma leve fervura. Coloque as alcaparras o os cubos de robalo e mexa bem. Cozinhe por mais 3 a 5 minutos ou até que o peixe fique no ponto. Sirva com couscous marroquino ou arroz selvagem.

Rende de 4 a 6 porções.

Esta receita não preparei apenas para mim, por isso a quantidade de porções é maior. Entretanto, ela pode muito bem ser adaptada para servir apenas uma pessoa. Nesse caso, diminua a quantidade de robalo para uma posta média de filé e use apenas metade ou um terço dos demais ingredientes.

Super fácil de fazer, esta receita não deixa de ser quase que um ensopado de peixe já que ele cozinha dentro da panela no caldo formado pelos tomates. Muito por isso, o prato é bastante molhado e combina bem com algo como couscous marroquino que funciona como esponja para sugar o molho delicioso. Nada melhor do que uma receita diferente e simples como essa para saborear no dia a dia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Alterações singelas

Uma das coisas mais gostosas que podem acontecer na cozinha é uma inspiração que vem do nada e resulta numa refeição deliciosa e fantástica. Às vezes essa inspiração surge de uma simples mistura de duas coisas já conhecidas. Outras vezes basta apenas pegar um molho tipicamente servido com massa e transformá-lo em molho para outra coisa.

O tradicional molho à putanesca é clássico na culinária italiana e faz uma combinação deliciosa com massas diversas. Na receita original os ingredientes incluem tomate, azeitona, alcaparras e aliche. Desta forma já fica super gostoso, mas por alguma razão me deu vontade de omitir o aliche e usar o molho para colocar por cima de um belo filé de tilápia. O prato ficou mais suave e leve mas continuou absolutamente delicioso.

Tilápia à putanesca

Tilápia à putanesca

1 filé de tilápia
1/2 tomate picado
1 col. de sopa de alcaparras
1/2 cebola picada
1 col. de sobremesa de azeite
1 dente de alho amassado
5 azeitonas em rodelas
sal, orégano e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Tempere o filé de tilápia com sal e pimenta a gosto. Leve para assar numa forma refratária antiaderente em forno médio (200˚C) por aproximadamente 15 minutos ou até que se desmanche com facilidade. Reserve.
Corte o tomate e a cebola em pedaços pequenos e reserve. Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho até ficarem macios. Acrescente o tomate e mexa bem. Deixe cozinhar por alguns minutos até o tomate começar a murchar e soltar seu suco. Continue mexendo e acrescente as alcaparras e as azeitonas. Ferva por alguns minutos até reduzir e engrossar um pouco. Regue por cima do peixe assado e sirva a seguir.

Apesar da mudança na receita original, sinto que mantive a essência do prato já que combinei o molho com um filé de peixe. Uma vantagem de usar a tilápia e não o aliche é uma redução significativa na quantidade de sal ingerida já que estes filezinhos de peixe são extremamente salgados.

Neste caso acabei servindo a tilápia à putanesca com penne integral mas é possível omitir a massa e optar por outros acompanhamentos. Uma boa pedida é couscous marroquino temperado com um pouco de orégano e limão. E se quiser algo ainda mais sofisticado, prove com uma porção de arroz selvagem. Fica absolutamente sensacional.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Quando adaptar é preciso

Esses dias fiz uma descoberta incrível e que confesso me deixou um pouquinho triste. Você sabia que o peixe St. Peter na verdade é o mesmo que a tilápia? Pois é. Comprei um filé de St. Peter no supermercado porque estava lindo e pensei que seria ótimo para variar um pouco. Quando cheguei em casa descobri que era a mesma coisa que tilápia. Ficou uma delícia, mas a novidade que eu estava procurando passou longe.

Para não nadar e morrer na praia resolvi pelo menos achar uma maneira diferente de preparar o filé. Assim conseguiria algo de novidade no meu prato, mesmo que a novidade não tivesse sido tão grande quanto eu queria. Fui inventando a receita à medida que ia preparando e devo dizer que ficou uma delícia. Ponto para mim.

St. Peter ao molho de margarina light de ervas com alcaparras

St. Peter ao molho de margarina light de ervas com alcaparras

1 filé médio de St. Peter (tilápia)
1 col. de chá de margarina light
1 col. de sobremesa de alcaparras
ervas para peixe a gosto (sálvia, coentro, dill, salsa e manjericão)
sal a gosto

Modo de preparo:
Tempere o filé de peixe com sal a gosto e coloque numa forma refratária antiaderente. Reserve.
Pique bem as ervas para peixe. Numa tigela, misture a margarina em temperatura ambiente com as ervas. Unte a parte de cima do peixe com a margarina temperada.
Leve o filé para assar em forno médio (200˚C) de 15 a 20 minutos ou até que ele se desmanche com facilidade com um garfo. Decore com as alcaparras e sirva acompanhado de verdes no vapor e chips de pão sírio integral.

Por mais que pareça contraditório colocar margarina numa receita dita saudável, nesta pequena quantidade ela não chega a prejudicar tanto a alimentação. Ainda mais quando o peixe é acompanhado de verduras cozidas no vapor e um carboidrato integral como sugeri.

O bom de temperar o peixe com esta mistura é que ele fica super molhadinho e macio enquanto assa. Além disso, as ervas acrescentadas dão um sabor espetacular ao prato e complementam o sabor super suave do filé. Para criar esta receita me inspirei em outras tantas preparações que já tinha visto de peixes simples como este. Ficou tão bom que achei que valia a pena compartilhar.

Por hoje é só.

Bon appetit!

De vilão a mocinho

Com as pessoas cada vez mais interessadas em cuidar da saúde e manter uma alimentação saudável, a ciência tem investido grande parte do seu tempo em estudar os alimentos e as propriedades nutritivas deles. Com isso, vira e mexe saem novos estudos sobre determinadas comidas e seus possíveis riscos ou benefícios para a vida das pessoas.

Grande conhecido pelas inúmeras controvérsias que causa, o ovo já foi considerado o maior vilão por aumentar o nível do colesterol no sangue. Entretanto, novas pesquisas já mostram que para quem não tem essa tendência comer ovos pode funcionar como uma ótima fonte de proteína. Segundo os estudos, a porção ideal é de seis unidades por semana.

Salada de ovos caprese

Salada de ovo caprese

1 prato de sobremesa de folhas verdes
2 ovos cozidos
6 tomates cereja
1 fatia grossa de ricota
6 azeitonas verdes fatiadas
1 col. de sopa de alcaparra
orégano e azeite a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela, arrume as folhas verdes bem lavadas e rasgadas. Corte os ovos cozidos em pedaços e coloque por cima. Despeje os tomates cereja cortados ao meio, as azeitonas fatiadas e as alcaparras. Salpique com a ricota cortada em pedaços. Por fim, tempere com orégano e azeite a gosto. Sirva a seguir.

Inspirada nessa nova descoberta dos benefícios de comer ovos, resolvi inventar esta salada. Já tinha virado fã de uma outra salada de ovos que publiquei aqui faz um tempinho. Por isso, fiquei com vontade de buscar novas maneiras de saborear uma bela salada de ovos.

O nome caprese é na verdade só pelos tomatinhos e pela ricota. Pode não fazer jus à tradicional, mas achei divertido dar esse nome pela semelhança que ambas têm em relação aos ingredientes. A minha invenção ficou bastante saborosa, principalmente pelo gostinho característico que o orégano acrescenta. Ele sempre faz uma ótima combinação com a ricota e o tomate.

Por hoje é só.

Bon appetit!