Em busca do molho perfeito

Um dos cortes mais nobres de carne vermelha, o filé mignon saboreado sozinho, apenas temperado com uma pitada de sal e pimenta do reino moída na hora, já é suficiente para fazer uma refeição absolutamente deliciosa. Entretanto, o sabor suave e suculento deste corte também permite uma imensidade de molhos como acompanhamento.

Para deixar seu prato mais sofisticado, vale experimentar com diversas possibilidades de ingredientes para criar vários molhos saborosos. Cada vez que escolho preparar um filé mignon para meu almoço gosto de procurar um acompanhamento diferente e interessante. Desta vez achei um super simples de fazer e o sabor final ficou incrível.

Filé mignon com geleia de tomate

Filé mignon com geleia de tomate

1 medalhão de filé mignon
1 col. de sopa de cebolinha picada
1 dente de alho amassado
100 g de tomate picado
30 ml de água
15 ml de vinagre balsâmico
azeite, sal, pimenta e alecrim a gosto

Modo de preparo:
Tempere o filé mignon com sal, pimenta e alecrim a gosto. Leve para assar numa forma refratária antiaderente em forno pré-aquecido a 200˚C por 20 minutos ou até ficar no ponto desejado.
Enquanto o filé estiver assando, aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue a cebolinha picada e o alho amassado até ficarem aromáticos (de 1 a 2 minutos). Acrescente o tomate picado, a água e o vinagre balsâmico. Deixe ferver e abaixe o fogo mantendo uma leve fervura. Cozinhe de 10 a 15 minutos até reduzir bastante e ficar bem concentrado. Sirva a geleia de tomate por cima do filé e decore com um raminho de alecrim.

Confesso que antigamente não era muito fã de alecrim. Depois descobri que esta erva é uma das melhores para temperar carnes vermelhas já que seus sabores se complementam muito bem. O segredo, então, é saber a quantidade certa para usar. De modo geral o que vale é o gosto de cada pessoa. Entretanto, como o alecrim tem um sabor bem forte, se você não estiver muito acostumado com ele comece usando bem pouquinho.

Nesta receita o tempero do alecrim casou perfeitamente com a geleia de tomate. Como o vinagre balsâmico tem um leve toque agridoce, o molho passa por um processo leve de caramelização. Assim, o sabor final da geleia junta uma constelação de sensações que transformam o prato final numa verdadeira delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Brincando de ser gourmet

Desde que comecei a brincar de cozinheira (e passei a assistir inúmeros programas de culinária) estava com vontade de preparar uma refeição verdadeiramente sofisticada, com direito à entrada, prato principal, acompanhamento e sobremesa. Mas como concretizar essa vontade se moro sozinha e cozinho para uma pessoa só, eu?

A solução foi usar minha querida mamãe como cobaia (sempre a melhor pessoa para te elogiar seja qual for o resultado da brincadeira, fica a dica). Aproveitei que estava passando o final de semana na casa dela e resolvi preparar um almoço especial. A sobremesa vocês já conheceram (publiquei a receita aqui ontem do crepe de cacau). Agora é a vez do prato principal com o acompanhamento. E só digo uma coisa, ficou absolutamente divino!

Peito de frango com trança de vegetais e arroz selvagem

Peito de frango com trança de vegetais e arroz selvagem

1/2 xíc. de chá de arroz selvagem
2 peitos de frango sem pele (com aproximadamente 200 g cada um)
100 g de cogumelo paris fatiado
1 abobrinha grande
1 cenoura grande
1/3 de nabo
100 ml de vinho branco seco
sal, pimenta e alecrim a gosto

Modo de preparo:
Ferva 2 xíc. de chá de água e acrescente o arroz selvagem. Mantenha uma leve fervura e cozinhe por 45 minutos em fogo baixo com a tampa parcialmente fechada. Quando estiver pronto, coe o arroz e regue com um fio de azeite. Reserve.
Tempere os peitos de frango com sal, pimenta e alecrim a gosto. Reserve.
Corte a cenoura e o nabo em tiras compridas e finas. Retire a casca da abobrinha com cuidado e corte em tiras aproximadamente do mesmo tamanho dos pedaços de cenoura e nabo. Descarte o miolo da abobrinha. Prepare ume tigela com água gelada e gelo. Numa panela, ferva 300 ml de água e cozinhe os vegetais por no máximo 3 minutos. Eles devem amaciar um pouco mas permanecerem al dente.
Depois desse tempo, coloque imediatamente na bacia com água gelada para que mantenham sua consistência. Arrume um pedaço de papel manteiga em cima do balcão. Com cuidado, comece a trançar os vegetais para formar uma rede. Faça duas tranças separadas alternando os pedaços de cenoura, abobrinha e nabo para que fiquem bem coloridas.

montagem
Corte dois pedaços grandes de papel alumínio e coloque sobre o balcão. Posicione o peito de frango temperado no meio e arrume metade dos cogumelos por cima. Com cuidado, coloque a trança de vegetais em cima dos cogumelos. Regue com um fio de azeite e metade do vinho. Feche o papelote de alumínio certificando-se de que está totalmente fechado para que o vapor não escape. Repita o procedimente com o outro pedaço de frango.
Arrume os dois papelotes numa forma refratária e leve para assar em forno pré-aquecido a 200˚C de 20 a 30 minutos. Na hora de servir, abra o papel alumínio com cuidado para sair o vapor quente. Arrume no prato metade do arroz selvagem e o peito de frango com a trança de legumes.

Rende 2 porções.

Não vou mentir, este almoço (e principalmente este prato) requer um pouco de paciência e trabalho para preparar. Mas o resultado vale muito a pena. Toda vez que assamos pedaços de carne em papelotes de alumínio eles ficam super suculentos e macios pois não perdem sua umidade. Já o vinho branco ajuda a deixar o frango super molhadinho.

A trança de legumes e as fatias de cogumelo trazem uma delicadeza ao prato e complementam maravilhosamente bem a simplicidade do peito de frango. A opção de acompanhar o almoço com o arroz selvagem foi ideia minha (já que não estava incluída na receita original). No fim ambos se complementaram divinamente e o almoço foi um sucesso. Não deixa de ser uma ótima opção quando quiser impressionar seus convidados. Super recomendo.

Por hoje é só.

Bon appetit!