A praticidade em pessoa

A cada dia que passa parece que as horas ficam mais curtas. São inúmeras coisas e tarefas para completar num dia e acabamos tendo cada vez menos tempo para dedicar às coisas mais simples da vida. Para muitos, a escolha do que comer e a vontade de manter uma alimentação balanceada e saudável voam pela janela.

Uma das soluções é preparar uma deliciosa e reforçada salada. Tendo o cuidado de incluir boas doses de carboidratos, proteínas e legumes e verduras, para garantir as vitaminas e minerais necessários, uma salada pode funcionar perfeitamente como refeição completa numa noite corrida da semana.

Salada de trigo com soja e pepino

Salada de trigo com soja e pepino

80 g de trigo cozido
80 g de soja em grãos cozida
50 g de couve manteiga cortada em tiras
50 g de pepino cortado em cubos
suco de 1 limão
azeite, dill e hortelã a gosto

Modo de preparo:
Arrume a couve num prato grande para formar a base da salada. Coloque a soja e o trigo comprados já prontos e cozidos no vapor por cima das folhas. Salpique o pepino cortado em cubos por cima de todo o prato de maneira desigual.
Tempere com o suco de limão e o azeite a gosto. Finalize com folhas de dill e hortelã por cima de tudo.

Por ser uma ótima fonte de proteína vegetal, a soja é a grande aliada dos vegetarianos na busca por incluir mais desse nutriente tão importante na alimentação diária. Outro ingrediente fantástico desta salada são os grãos de trigo cozidos inteiros na sua forma natural e integral. Além de acrescentar ótimas quantidades de fibras à refeição, eles trazem a saciedade necessária para não sentir aquela fome nada agradável depois de devorar uma salada.

Quando preparei este prato, optei por usar ingredientes pré-prontos, a soja e o trigo, cozidos no vapor e embalados à vácuo. Além de me permitir controlar o tamanho das porções, já que sempre preparo estas comidas apenas para uma pessoa, este atalho traz uma praticidade e rapidez indispensável para a correria do dia a dia. No fim, não há nada melhor do que uma refeição vapt vupt para encerrar um dia comprido.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

O primeiro passo

Quem disse que precisamos de receitas mirabolantes para fazer uma comidinha gostosa e aconchegante no nosso dia a dia? Tem vezes que o que mais me deixa feliz é abrir a geladeira e brincar de juntar ingredientes para fazer algo simples, rápido e delicioso.

Foi justamente isso que aconteceu quando “criei” a receita da minha dica de hoje. Sempre começo minhas refeições com uma saladinha básica mas desta vez queria algo um pouco a mais do que apenas folhas verdes com um tomatinho aqui ou ali. Foi então que tive a ideia de usar uma porção de feijão fradinho que tinha sobrado na geladeira. Ficou uma delícia.

Salada simples colorida de feijão fradinho

Salada simples colorida de feijão fradinho

Mix de folhas (alface crespa, escarola, radicchio)
50 g de tomate cereja
3 col. de sopa de feijão fradinho cozido
sal, pimenta e azeite a gosto

Modo de preparo:
Arrume as folhas num prato. Coloque o feijão fradinho no centro das folhas e arrume os tomates cereja em volta. Tempere com sal, pimenta e azeite a gosto. Sirva de entrada do seu almoço ou jantar.

Eu gosto de temperar minhas saladas apenas com um fio de azeite. Mas para quem gosta de algo um pouco mais elaborado e gostoso há inúmeras opções de molhos caseiros deliciosos que você pode provar. Neste post inclui duas receitas que testei e achei fantásticas.

A dica importante que posso dar é para fugir dos molhos e temperos industrializados já que eles contêm quantidades muito altas de sódio e conservantes nada saudável para nossa saúde. Como tudo no mundo da culinária, quanto mais simples e mais caseira a preparação, melhor e mais gostosa ela fica.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Expandindo horizontes

Depois de meses lendo e colecionando milhares de receitas das mais diversas localidades e modalidades tenho orgulho de dizer que criei uma receita própria! Tá, ela não é 100% original (mas convenhamos, que receita é 100% original). Tirei inspirações de vários lugares e acabei criando uma fusão de duas culinárias que adoro: a mexicana e a mediterrânea.

A princípio minha receita pode parecer igualzinha a muitas outras que encontramos por aí. Para ser sincera, não duvido nada que tenham “inventado” um prato idêntico ao meu. Mas desta vez digo com toda autoridade, se existir alguma receita igual a esta, juro que não vi. Esta saiu totalmente da minha cabeça.

Burrito mediterrâneo

Burrito mediterrâneo

1 unidade de pão folha
1/3 de embalagem de grão de bico cozido em conserva
1 peito de frango médio cozido e desfiado
2 folhas de alface
3 col. de sopa de salsa (molho de taco)
4 azeitonas fatiadas
1 pote de iogurte desnatado (estilo grego)

Modo de preparo:
Tempere o peito de frango com sal e pimenta chilli em pó a gosto. Ferva 300 ml de água com meio tablete de caldo de galinha. Acrescente o frango e cozinhe de 15 a 20 minutos ou até ficar pronto. Descarte o caldo, deixe o peito de frango esfriar, desfie e reserve.
Abra a embalagem de grão de bico cozido em conserva. Descarte a salmoura e deixe escorrer água nos grãos por alguns minutos para tirar o excesso de sal. Reserve. Enquanto isso, enrole o pão folha em papel alumínio e leve para aquecer em forno baixo (150˚C) por alguns minutos. Quanto estiver morno, retire do papel alumínio com cuidado.
Para montar o burrito, abra o pão folha num prato. Arrume as folhas de alface e as azeitonas fatiadas. Coloque o frango desfiado e o grão de bico por cima. Regue com a salsa e o iogurte desnatado concentrado. Enrole o pão folha e sirva em seguida.

"Burrito bowl"

Duas observações
Primeiramente, para preparar o iogurte desnatado concentrado (estilo grego) coloque um filtro de coar café numa peneira com furos finos. Despeje o iogurte dentro do filtro e deixe escorrer a água que soltar para dentro de um copo. Tampe com filme plástico e deixe na geladeira por algumas horas. Quanto mais tempo ficar escorrendo, mais concentrado (e mais parecido com creme azedo) o iogurte ficará.

A segunda questão envolve uma peculiaridade minha. O pão folha não é grande o suficiente para comportar todo o recheio. Por isso, coloquei uma parte dentro do pão (fazendo o burrito tradicional) e o restante coloquei numa tigela, criando assim um “burrito bowl“. Esta tática não deixa de ser uma opção ótima para quando não tiver (ou quiser usar) a tortilha. Todos os sabores do burrito estão lá sem o acréscimo do pão. Perfeito para um jantarzinho singelo saboroso.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Lanches rápidos

Wraps já viraram sinônimo de sanduíche saudável. Nos últimos anos surgiram inúmeros restaurantes e estabelecimentos de comida fast food dedicados à este lanche rápido criado nos Estados Unidos inspirado nos tacos e burritos mexicanos. A versatilidade dos wraps é um dos seus pontos fortes já que podem ser recheados com praticamente qualquer coisa.

Adoro wraps. Sempre que estou corrida ou querendo uma opção rápida para o jantar preparo um wrap simples e gostoso. E o melhor, não preciso ir em busca de ingredientes diferentes para criá-los. Abro a geladeira e pego as sobras que guardei de outras receitas que fiz. Esses dias preparei um wrap singelo para acompanhar um prato de sopa. Ficou uma delícia.

Wrap de peito de peru defumado

Wrap de peito de peru defumado

1 unidade de pão folha
60 g (3 fatias) de peito de peru defumado
2 col. de sopa de cottage
2 folhas de alface
3 rodelas de tomate
1 col. de sopa de mostarda

Modo de preparo:
Abra o pão folha em cima de um prato. Espalhe o queijo cottage e a mostarda. Arrume as folhas de alface e as rodelas de tomate. Por fim, posicione as fatias de peito de peru defumado. Enrole o pão em formato de wrap e leve ao forno pré-aquecido em 180ºC para aquecer (aproximadamente 5 minutos). Sirva quente ou firo.

Particularmente eu prefiro os wraps levemente aquecidos. Por isso insisto em colocá-los no forno por alguns minutos depois de preparar. Entretanto, para quem prefere comê-los frios (ou para quem pretende levá-los para comer de almoço ou lanche no trabalho) vale ao menos aquecer o pão folha antes de arrumar o recheio.

Wraps são ótimos lanches para comer sozinhos, mas também servem perfeitamente para acompanhar outros pratos num almoço ou jantar leve e rápido. Experimente combiná-los com sopas ou saladas para uma refeição completa, balanceada e reforçada. Se preferir comer só o wrap, fica liberado uma sobremesa sensata para arrematar. Que tal uma fruta assada com mel?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Lanche rápido e reforçado para viagem

Depois de passar um bom tempo na lista de alimentos proibidos numa alimentação saudável, os ovos hoje são considerados altamente benéficos pois constituem uma ótima fonte de proteína para o corpo (principalmente para as pessoas que não comem carne vermelha). Alias, se você não tem graves problemas de colesterol alto nem tem histórico familiar nesse sentido, está liberado para comer um ovo por dia se quiser.

Tudo isso é ótimo, mas as vezes falta imaginação para preparar pratos gostosos à base dessa delícia. E ficar sempre no ovo mexido ou cozido enjoa rapidinho. O segredo aqui está na escolha de ingredientes saborosos e ricos em nutrientes para acompanhar uma omelete reforçada.

Sanduíche de omelete

Sanduíche de omelete

1 ovo
1 clara
75 g de espinafre picado
1/4 cebola picada
2 fatias de pão integral light
2 rodelas de tomate
2 folhas de alface rasgadas
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Numa panela antiaderente, refogue a cebola e o espinafre picados até murcharem (aproximadamente 3 minutos). Junte 1 ovo mais 1 clara numa omeleteira de microondas e mexa bem com um garfo. Acrescente o espinafre refogado à mistura, tempere com sal e pimenta a gosto e leve ao microondas por 1 minuto e meio até cozinhar completamente.
Numa das fatias de pão integral, coloque as rodelas de tomate e as folhas de alface rasgadas. Recheie o sanduíche com a omelete de espinafre e feche com a outra fatia de pão. Sirva a seguir.

Transformar a omelete em sanduíche é uma ótima forma de tornar esta janta rápida em opção para viagem. Além de facilitar o transporte da omelete, o sanduíche, quando fechado de maneira correta, pode ser guardado na geladeira por até seis horas antes de ser consumido. Super prático para quem passa muito tempo longe de casa e quer continuar comendo de maneira saudável (sem gastar muito).

Outra vantagem dessa receita é sua versatilidade. São inúmeras opções para incrementar a omelete com ingredientes saborosos e saudáveis. Vale optar por champignons, ervilhas, pimentões ou até algumas fatias de queijo branco. Além disso, se a intenção for comer o sanduíche na hora que ficar pronto, que tal tostar as fatias de pão integral e regá-las com um fio de azeite? Fica sensacional.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Uma saladinha leve para acompanhar

Não importa qual seja meu cardápio do dia, faço questão de incluir uma salada no começo da refeição. Além de proporcionar nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo, ajuda a saciar aquela fome inicial e evita possíveis exageros no decorrer do almoço ou jantar.

Mas nem sempre tenho muita imaginação na hora de montar minha salada. Dito isso, de vez em quando resolvo fazer uma pequena modificação aqui ou ali para variar um pouco. Esta receita não tem nada de muito diferente, mas a combinação dos ingredientes que usei com o tempero que inventei ficou tão gostoso que resolvi compartilhar.

Salada de pepino com tomate cereja

Salada de pepino com tomate cereja

4 folhas de alface crespa
3 tomates cereja
10 rodelas fininhas de pepino japonês

Para o molho
suco de 1/2 limão tahiti
1 col. de sobremesa de azeite extra virgem
1/2 col. de sobremesa de vinagre balsâmico
pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Rasgue as folhas de alface e disponha num prato. Distribua os tomates cortados em quatro. Corte o pepino em rodelas bem fininhas e arrume por cima dos outros ingredientes.
Para temperar, misture o suco, o azeite e o vinagre balsâmico e regue a salada. Salpique pimenta-do-reino a gosto.

Quase dei o nome para essa salada de Caprese modificada porque a combinação do verde da alface com o vermelho do tomate e o branco do pepino me lembrou a clássica que é preparada com manjericão, tomate e mussarela de búfala. Depois achei que seria pretensão demais da minha parte querer que as pessoas conseguissem substituir queijo por pepino sem reclamar.

A verdade é que um dos maiores problemas das saladas mais elaboradas são os ingredientes gordurosos ou oleosos e altamente calóricos que são acrescentados à elas, como queijos, castanhas, tomate seco etc. Isso sem contar com os molhos pesados ou cremosos usados no tempero. De qualquer maneira, essa pequena substituição que fiz da mussarela de búfala por pepino japonês tornou esta salada bem mais leve e saudável. E o gosto, como já falei, ficou sensacional.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Brincando com uma só cor

Sou a primeira a dizer que quando mais colorido o prato mais você tem certeza de estar consumindo o maior número de minerais e nutrientes possível. Ainda mais numa salada, onde a possibilidade de torná-la ultra colorida é ainda mais fácil.

Dito isso, ontem resolvi mudar um pouco e me aventurar por uma cor só. Para minha salada de acompanhamento da lasanha de abobrinha escolhi o verde para fazer combinações diferentes que nunca havia provado. No fim, foi refrescante brincar com uma cor só e ver até aonde minha imaginação era capaz de chegar.

Claro que poderia ter ido muito além. Mas como a intenção também era usar poucos ingredientes para fazer uma preparação simples sem gastar muito, acabei ficando só com três tipos de verde. De qualquer forma, a salada ficou uma delícia. Confira a receita.

Salada esverdeada

Salada esverdeada

4 folha de alface lisa bem lavadas
60 g de pepino
1/2 maçã-verde
suco de 1/2 limão tahiti
1 col. de sopa de azeite
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Lave bem as folhas de alface e rasgue-as para que fiquem em pedaços menores. Corte o pepino e a maçã-verde em cubinhos pequenos. Para temperar, regue a salada com o suco de limão e o azeite. Salpique sal e pimenta-do-reino a gosto.

Se você contar que o limão e o azeite também são verdes, pode elevar para 5 o número de ingredientes verdes que usei no preparo da salada. Mas, brincadeiras à parte, o sabor final ficou uma delícia. O azedinho da maçã-verde e do limão contrastou muito bem com a sensação refrescante do pepino. E a neutralidade da alface ajudou a suavizar o conjunto no final.

Sal e pimenta-do-reino são ótimos temperos para qualquer salada. O único porém é saber controlar a quantidade de sal colocada para não exagerar. No fim, gostei tanto da minha invenção de uma cor só que acho que vou brincar de fazer outras saladas monocromáticas para ver o que sai. Prometo compartilhar as que ficarem gostosas.

Por hoje é só.

Bon appetit!