A redenção do renegado

Adoro a versatilidade do peito de frango. Muitas pessoas acham que essa é uma das carnes mais sem graça que existe e é sinônimo absoluto de uma palavra: dieta. Mas eu me recuso a pensar desta maneira e acho que a suavidade do peito de frango é o que faz dele uma das melhores opções na cozinha.

Justamente por não ter um sabor muito pronunciado, esta carne aceita as mais diversas combinações de ingredientes, temperos e texturas na hora do preparo. Apesar de dar um pouco mais de trabalho, adoro comprar o peito inteiro e cortá-lo em casa. Assim, consigo separar uma metade completa para poder recheá-la. Fica uma delícia.

Peito de frango mediterrâneo recheado

Peito de frango mediterrâneo recheado

1 metade de peito de frango
1 unidade de pimentão vermelho em conserva picado
5 azeitonas pretas picadas
1 col. de sopa de cottage
manjericão, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em temperatura alta (220˚C). Pegue o peito de frango e faça um pequeno corte no meio para começar a abri-lo na metade. Pare antes de chegar no final para formar uma espécie de bolsa interna na carne.
Pique bem o pimentão vermelho em conserva e as azeitonas pretas. Misture numa tigela com o cottage e o manjericão rasgado bem miúdo. Tempere com sal e pimenta a gosto e recheie a bolsa interna do frango.
Prenda as duas metades com palitos para assegurar que ele não irá abrir enquanto cozinha. Tempere o peito de frango com sal e pimenta a gosto por fora e regue com um fio de azeite.
Forme uma trouxinha com papel alumínio e leve o frango para assar no papelote por 20 a 25 minutos no forno pré-aquecido. Após 20 minutos, olhe para ver se já está no ponto desejado. Sirva acompanhado de arroz 7 grãos e legumes no vapor.

Como a receita inclui uma mistura de sabores tipicamente mediterrâneos, como as azeitonas, o pimentão vermelho e o manjericão, o nome acabou ficando esse. No original a sugestão era incluir queijo feta (aquele feito de leite de cabra) esfarelado. Entretanto, como ele é mais caro e mais calórico acabei optando pelo cottage que já tinha em casa.

Assar o peito de frango no papelote de alumínio faz com que ele não perca a suculência durante o preparo. Assim evitamos que a carne fique muito ressecada, um dos grandes problemas quando assamos frango. Além disso, o papelote ajuda a manter o recheio perfeitamente dentro da bolsa criada e dá ao prato final uma sofisticação a mais. Adorei esta receita, ela ficou divinamente maravilhosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Criações inusitadas

Sempre adorei fazer misturas inusitadas na hora de preparar patês ou pastas para comer com torradinhas ou fatias de pão. Nas festas de família na minha época de adolescente, era sempre eu quem ficava encarregada de fazer os aperitivos para servir antes do jantar. E eu sempre preparava um dos meus patês especiais.

Partindo disso, resolvi inventar uma maneira diferente para fazer um simples sanduíche de sardinhas enlatadas ficar mais divertido. A receita funciona como uma ótima opção de jantar rápido e prático para dias corridos e o resultado final ficou absolutamente sensacional, por mais que na foto não pareça lá muito apetitoso.

Patê colorido de sardinha

Patê colorido de sardinha

1 lata de sardinha conservada em água
1 col. de sopa de requeijão light
1/2 col. de sopa de mostarda escura
1 col. de sopa de azeitonas pretas picadas
2 rodelas de cebola roxa picada
1 col. de sopa de cebolinha picada
pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Despeje a sardinha numa tigela e remova os ossos e espinhas. Amasse bem com um garfo até ficar completamente desfiada. Adicione o requeijão e a mostarda e misture bem até formar uma pasta homogênea. Acrescente os demais ingredientes e termine de mexer para ficar uniforme. Sirva por cima de pães ou torradas integrais.

O legal dos patês são as  inúmeras combinações de sabores e ingredientes que podem ser utilizados. Para quem preferir uma pasta um pouco mais rala, vale incluir 1/2 col. de sopa de azeite na mistura. Já para quem gostar de um sabor picante, sugiro acrescentar uma pitada de tabasco ou pimenta calabresa. Assim, o sanduíche ganha uma pegada mais forte com intensidade fantástica.

Por fim, quem quiser pode decorar o sanduíche com 1 folha de alface e 1 ou 2 rodelas de tomate antes de acrescentar a pasta de sardinha. Nada melhor do que uma mini saladinha para dar o toque final a este saboroso lanche express.

Por hoje é só.

Bon appetit!