Criações diferentes

A receita de hoje surgiu de duas curiosidades e vontades minhas. A primeira era que sempre quis provar tomates cereja amarelos. Já tinha visto eles sendo usado em receitas de programas de culinária estrangeiros mas nunca tinha encontrado para vender aqui. Quando achei, tive que inventar qualquer coisa para poder usá-los.

A segunda foi uma latinha de salmão em conserva com molho oriental que descobri dia desses no supermercado. Já havia experimentado esses filés de salmão enlatados novos que surgiram e achado deliciosos. Quando vi que agora tinha uns na versão com molho oriental tive que provar. E só digo uma coisa: eles são fantásticos! Ainda mais nesta minha receita mistureba que criei para homenageá-los.

Salada de lentilha com salmão oriental e pepino crocante

Salada de lentilha com salmão oriental e pepino crocante

Mix de folhas verdes
1 latinha de salmão ao molho oriental
1/2 caixa de lentilha em conserva
125 g de beterraba cozida no vapor
100 g de tomate cereja bicolor
100 g de pepino
5 ml de azeite
5 ml de vinagre balsâmico

Modo de preparo:
Arrume o mix de folhas verdes para fazer a base de um prato grande. No centro, comece arrumando a beterraba cozida e cortada em cubinhos. Depois coloque o pepino cortado por cima e em volta da beterraba.
Posicione os tomates cereja vermelhos e amarelos ao redor do prato. Coloque a lentilha já escorrida e lavada no centro e arrume os filés de salmão de maneira decorativa por cima de tudo. Tempere com o azeite e o vinagre balsâmico. Saboreie com torradinhas integrais crocantes.

Apesar de levar quase exclusivamente ingredientes em conserva ou enlatados, esta salada não deixa de ser absolutamente saudável e deliciosa. Unindo ingredientes pré-prontos que agilizam a vida de qualquer um na cozinha é possível comer bem e com prazer sem ter que se preocupar muito em preparar refeições muito elaboradas.

Achei fantástica a combinação das lentilhas com o salmão oriental. Os sabores se complementaram muito bem e receberam a neutralidade suave da beterraba e do pepino crocante. Minha curiosidade em experimentar tomates cereja amarelos também não ficou decepcionada. Apesar de bastante parecidos com os vermelhos, esses pequeninos amarelos têm um quê de diferente que só provando para entender bem.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Crocante na medida certa

Quem disse que não podemos comer deliciosos nuggets de frango bem crocantes e manter uma alimentação saudável ao mesmo tempo? O segredo: é só assar as tirinhas de frango em vez de mergulhá-las numa bacia de óleo quente. Acredite, usando farinha ou flocos de milho os nuggets ficam tão crocante quanto se fossem fritos.

Já tinha visto essa ideia de fazer nuggets com fubá em vez da tradicional farinha de rosca mas nunca tinha tido tempo para testá-la. Aproveitei que ainda tinha um resto de fubá para polenta guardado em casa e resolvi juntar o útil ao agradável. Fiquei encantada com o resultado. Eles estavam absolutamente delicioso!

Nuggets de frango assados com farinha de milho

Nuggets de frango assados com farinha de milho

1 peito de frango
2 col. de sopa de farinha de trigo
1 clara
10 g de fubá para polenta
10 g de flocos de milho sem açúcar
azeite, alho em pó, pimenta e sal a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em 220˚C. Unte uma forma refratária antiaderente com um fio de azeite e reserve.
Corte o peito de frango em tiras iguais. Tempere com sal, pimenta e alho em pó a gosto. Passe cada tira de frango na farinha de trigo e retire o excesso. Mergulhe na clara e escorra o excesso. Por fim, envolva o frango na farinha de fubá ou nos flocos de milho.
Arrume as tirinhas de frango na forma refratária e leve para assar no forno pré-aquecido por 20 minutos virando na metade do tempo. Sirva com molho de mostarda e mel.

Adoro encontrar estas receitas que pegam algo super tradicional e batido e inovam com ingredientes ou técnicas diferentes. A melhor parte destes casos é poder usar a imaginação para aventurar-se ainda mais na cozinha. Além de super crocantes, o sabor especial que os flocos de milho trouxeram para os nuggets deixou o prato absolutamente sensacional.

Se quiser preparar estes nuggets para um lanche rápido, sugiro devorá-los com uma boa dose de mostarda com mel. Mas nada impede que eles formem parte de um jantar especial. Nesse caso, escolha legumes coloridos e cozinhe com um choque de água fervendo alternada com água gelada. O crocante dos legumes refletirá maravilhosamente o crocante dos nuggets.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Sequinhas e crocantes

Como comentei no post de ontem, o melhor acompanhamento para o clássico steak tartare são batatas chips assadas. Isso para quem não quiser enfrentar as verdadeiras batatas fritas que geralmente seguem junto do prato nos restaurantes típicos franceses. Não vejo muita vantagem em comer as batatas fritas sendo que estas ficam tão deliciosas quanto, mas cada um, cada um, né?

Já publiquei uma outra receita de batata chips assadas aqui no blog uns tempos atrás. Esta não é lá muito diferente, mas como usa a batata doce ao invés da batata inglesa comum o sabor fica outro e trás à refeição um toque especial. Quem quiser também pode salpicar um pouco de salsinha picada fresca por cima das batatas chips. Como não tinha em casa, fiz sem mesmo.

Chips de batata doce

Chips de batata doce

150 g de batata doce
azeite e sal a gosto

Modo de preparo:
Lave bem a batata e escove para tirar toda a sujeira e terra. Corte bem fininha, mantendo a casca, com o auxílio de um fatiador e legumes. Tempere com sal a gosto e regue com um fio de azeite.
Leve para assar em forno pré-aquecido em 230˚C por 30 minutos ou até que fiquem bem secas e crocantes. Vire as fatias da batata na metade do tempo para assar de maneira uniforme.

Para que as batatas fiquem bem sequinhas elas precisar ser cortadas o mais fino possível. O bom é utilizar um mandolin, espécie de cortador de legumes japonês que fatia vegetais bem fininhos. Eu, como não tinha um, fui na faca mesmo. Com isso, minhas fatias não ficaram de espessuras iguais e algumas não conseguiram ficar tão crocantes assim. Mas o sabor ficou delicioso do mesmo jeito.

Eu sempre indico nas receitas para temperar com sal a gosto pois acredito que cada um sabe a quantidade que agrada. Neste caso, vale ressaltar para colocarem um pouco mais do que seria o normal para vocês. Isso porque o sal ajuda a retirar a água da batata na hora que ela está assando. Desta forma, elas conseguem ficar mais sequinhas e crocantes quando estão no forno.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Buscando a variedade sempre

Não é nenhum segredo que eu adoro comer peixes. E achar receitas novas e diferentes para prepará-los tem se tornado um passatempo predileto meu nas noites sem muito o que fazer. Como adoro saborear estes animais marítimos gosto principalmente de variar a qualidade que como de um dia para o outro. Assim não corro o risco de enjoar de um tipo por comê-lo demais.

Quando comprei sardinha fresca, para preparar a receita de sardinha assada ao molho de ricota com mostarda, que publiquei aqui algumas semanas atrás, vieram 10 na bandeja. Como usei apenas 2, congelei as demais para usar num outro dia. Esta receita de hoje foi a desculpa perfeita para tirar o peixe do congelador e saboreá-lo novamente. Ficou uma delícia.

Sardinha crocante assada

Sardinha crocante assada

2 unidades de sardinha fresca abertas como borboletas
2 col. de sopa de farinha de rosca
1 clara
suco e raspas de 1 limão
azeite, orégano, salsinha e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Tempere a sardinha com o suco de limão e sal a gosto. Numa tigela, misture a farinha de rosca, as raspas de limão, o orégano, a salsinha e a pimenta calabresa. Para empanar o peixe, passe a parte da carne do peixe na clara e depois na mistura de farinha. Repita com a segunda unidade.
Arrume as sardinhas numa forma refratária untada com um pouco de azeite com a pele virada para baixo. Leve para assar em forno médio (200˚C) de 10 a 15 minutos ou até que o peixe fique bem douradinho. Sirva acompanhado de arroz integral ou selvagem e legumes no vapor.

O gostinho azedo das raspas de limão dão um toque sensacional à esta receita. Como o peixe é assado e não frito, ele continua sendo bastante saudável apesar de ser empanado. Caso queira deixá-lo mais nutritivo, opte por farinha de rosca integral ou triture você mesmo duas fatias de pão integral torrado.

A quantidade de farinha indicada na receita é apenas uma base para ter noção de quanto realmente é usado no peixe. Na prática, a melhor maneira de fazer é derramar um pouco mais no prato que será feita a mistura para poder empanar os peixes sem preocupação. Mas como o resto de farinha que sobra é jogado fora, vale a pena não exagerar demais para não desperdiçar muito no final.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Para devorar sem culpa

O post de hoje funciona, de certa forma, como um acompanhamento ao de ontem. Clássicos aperitivos da culinária mexicana, chips de milho ou de trigo são deliciosos, crocantes e altamente viciantes. Porém, o fato de serem fritos também significa que acumulam quantidades muito altas de gordura saturada tornando-os opções pouco recomendadas para um consumo regular.

Como alternativa, surgem os chips de batata assada. Por serem assados e não fritos, estão livres de gordura e conseguem ficar tão crocantes como os tradicionais seguindo alguns truques simples. E o melhor, além de servirem muito bem como aperitivo ao chili tex-mex de carne moída com feijão da receita de ontem, são ótimos para substituir aquele pacotinho de batatas industrializado que insistimos em devorar na hora do lanche. Não custa repetir, guloseimas ou salgadinhos quando feitos em casa geralmente acabam sendo mais saudáveis. Invista.

Chips de batata

Chips de batata

1/2 batata inglesa
sal grosso

Modo de preparo:
Lave bem a batata e corte em rodelas finas (não há necessidade de descascar). Deixe de molho numa tigela com água e gelo de 15 a 20 minutos. Escorra a água e seque bem as rodelas com papel toalha.
Forre o prato do microondas com duas camadas de papel toalha. Salpique sal grosso por cima das batatas e arrume no prato de microondas de modo que nenhuma fique por cima da outra. Se necessário divida e faça em duas etapas.
Leve ao microondas em potência máxima por 8 minutos parando no meio do tempo para virar de lado. Em seguida, coloque as batatas numa forma antiaderente e asse em forno baixo (180˚C) pré-aquecido por 10 minutos virando na metade do tempo. Sirva quente.

Segundo o livro do qual peguei a receita, o truque para as batatas ficarem crocantes são os 15 minutos que elas ficam de molho na água gelada. Já eu acrescentaria mais uma dica: certifique-se de cortar as rodelas bem finas mesmo. Quando preparei os chips, algumas saíram mais grossas e por isso não ficaram tão crocantes. Mesmo assim, as que consegui cortar bem fininhas ficaram perfeitas.

Na hora de colocar o sal, tenha cuidado para não exagerar. Fiz isso sem querer com algumas das minhas e elas ficaram um tanto salgadas demais. Para quem não tiver sal grosso em casa também pode usar o sal comum de cozinha. Entretanto, a vantagem do sal grosso é que ele não contamina tanto o sabor da batata tornando o sabor mais sutil. Além disso, é mais fácil controlar a quantidade acrescentada já que os grão são maiores.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Adoçando o almoço de família

Já que hoje é domingo, nada melhor do que uma bela sobremesa para adoçar um pouco a vida de todos nós. Desta vez, a receita não é totalmente light, já que leva açúcar na composição. Entretanto, aqui é possível (e recomendável) optar pela utilização do açúcar mascavo, obtido das primeira extrações da cana. Ou seja, não é tão processado ou refinado quanto o açúcar comum.

Algumas vantagens do açúcar mascavo estão justamente no fato dele ser menos processado, já que isto faz com que ele retenha nutrientes e minerais vindos da cana-de-açúcar, como o fósforo e o cálcio. Sua coloração amarelada e gosto característico podem até incomodar algumas pessoas, já que altera um pouco o sabor dos pratos. Mas no fim as vantagens dele superam em muitos casos as desvantagens.

O melhor é que para várias sobremesas, esta por exemplo, o sabor não é alterado em nada. Alias, para mim ficou até melhor usar o açúcar mascavo pela combinação fantástica que é criada ao ser juntado com a canela. O sabor final ficou uma delícia.

Mas, claro, sempre vale repetir: apesar de ter mais benefícios do que o açúcar refinado, o mascavo não deixa de ser calórico (é praticamente equivalente à quantidade presente no açúcar branco) e deve sempre ser consumido em moderação. De qualquer forma, quando for abrir uma exceçãozinha vez ou outra, não há dúvidas que o açúcar mascavo é a melhor opção.

Crumble de maçã

Crumble de maçã

Recheio
2 maçãs-verdes sem casca cortadas em cubinhos
1 canela em pau
1 col. de sopa de adoçante culinário
1/2 xic. de chá de água
1 col. de sopa de açúcar mascavo
canela em pó a gosto

Farofa crocante
1 xic. de chá de farinha de trigo
1 col. de sopa de açúcar mascavo
2 col. de sopa de manteiga light sem sal
canela em pó a gosto

Modo de preparo:
Em uma panela antiaderente, cozinhe a maçã com a canela em pau e o adoçante mexendo até a fruta murchar (aproximadamente 5 a 8 minutos). Acrescente a canela em pó, a água e o açúcar e cozinhe em fogo baixo até a água secar completamente. Reserve.
Para a farofa crocante, junte a farinha, o açúcar e a manteiga e misture com as pontas dos dedos até formar uma farofa grossa. Para montar, coloque a maçã assada numa forma refratária e cubra com a farofa crocante cuidadosamente, sem pressionar. Polvilhe com canela em pó a gosto e leve ao forno preaquecido a 180ºC por 35 minutos até a farofa endurecer e dourar. Sirva quente.

Já falei o quanto adoro a combinação maçã com canela. Nesta receita, ela é ainda mais acentuada tornando a experiência sensacional. Por serem maçãs-verdes, o azedinho da fruta contrasta muito bem com o sabor da canela e o doce do açúcar mascavo. No fim, fica uma mistura de sabores divinos na boca.

A sobremesa já é ótima pura, mas se você quiser incrementar ainda mais (e estiver com saldo no consumo de calorias do dia) vale combinar com uma bola de sorvete de creme light. Fica fantástico. Só não vale exagerar na dose. Uma porção pequena é mais do que suficiente para adoçar o paladar depois do almoço de domingo com a família. Combinado?

Por hoje é só.

Bon appetit!