A redenção do renegado

Adoro a versatilidade do peito de frango. Muitas pessoas acham que essa é uma das carnes mais sem graça que existe e é sinônimo absoluto de uma palavra: dieta. Mas eu me recuso a pensar desta maneira e acho que a suavidade do peito de frango é o que faz dele uma das melhores opções na cozinha.

Justamente por não ter um sabor muito pronunciado, esta carne aceita as mais diversas combinações de ingredientes, temperos e texturas na hora do preparo. Apesar de dar um pouco mais de trabalho, adoro comprar o peito inteiro e cortá-lo em casa. Assim, consigo separar uma metade completa para poder recheá-la. Fica uma delícia.

Peito de frango mediterrâneo recheado

Peito de frango mediterrâneo recheado

1 metade de peito de frango
1 unidade de pimentão vermelho em conserva picado
5 azeitonas pretas picadas
1 col. de sopa de cottage
manjericão, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em temperatura alta (220˚C). Pegue o peito de frango e faça um pequeno corte no meio para começar a abri-lo na metade. Pare antes de chegar no final para formar uma espécie de bolsa interna na carne.
Pique bem o pimentão vermelho em conserva e as azeitonas pretas. Misture numa tigela com o cottage e o manjericão rasgado bem miúdo. Tempere com sal e pimenta a gosto e recheie a bolsa interna do frango.
Prenda as duas metades com palitos para assegurar que ele não irá abrir enquanto cozinha. Tempere o peito de frango com sal e pimenta a gosto por fora e regue com um fio de azeite.
Forme uma trouxinha com papel alumínio e leve o frango para assar no papelote por 20 a 25 minutos no forno pré-aquecido. Após 20 minutos, olhe para ver se já está no ponto desejado. Sirva acompanhado de arroz 7 grãos e legumes no vapor.

Como a receita inclui uma mistura de sabores tipicamente mediterrâneos, como as azeitonas, o pimentão vermelho e o manjericão, o nome acabou ficando esse. No original a sugestão era incluir queijo feta (aquele feito de leite de cabra) esfarelado. Entretanto, como ele é mais caro e mais calórico acabei optando pelo cottage que já tinha em casa.

Assar o peito de frango no papelote de alumínio faz com que ele não perca a suculência durante o preparo. Assim evitamos que a carne fique muito ressecada, um dos grandes problemas quando assamos frango. Além disso, o papelote ajuda a manter o recheio perfeitamente dentro da bolsa criada e dá ao prato final uma sofisticação a mais. Adorei esta receita, ela ficou divinamente maravilhosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Quando a criatividade entra em cena

Couscous marroquino é uma opção ótima de acompanhamento para qualquer carne numa refeição simples e sofisticada ao mesmo tempo. Feito de semiolina de trigo, parece uma massa triturada e transformada em flocos. Muito por isso, é super fácil de preparar e fica pronto em 5 minutos já que precisa apenas ser hidratado com água fervente.

Depois de hidratado, podemos usá-lo como base para fazer diversas combinações diferentes. Por ter um sabor delicado, o couscous aceita inúmeros ingredientes e é nessa hora que a imaginação do cozinheiro pode voar. Aproveite para juntar seus legumes preferidos e criar um prato único e saboroso como só você faria.

Couscous mediterrâneo

Couscous mediterrâneo

1/3 de xíc. de chá de couscous marroquino integral
1/2 pimentão verde médio
1/2 pepino médio
10 un. de tomate cereja
1/2 caixa de grão de bico em conserva
2 col. de sopa de cebolinha picada
suco de 1/2 limão
raspas de limão, azeite, sal e pimenta

Modo de preparo:
Ferva 80 ml de água para hidratar o couscous marroquino. Junte a água ao couscous e deixe descansar por 5 minutos numa tigela tampada. Solte os grãos delicadamente com a ajuda de um garfo e reserve.
Pique o pimentão e o pepino em cubinhos pequenos. Corte os tomates em quatro e reserve. Escorra o grão de bico e deixe cair água corrente por cima para retirar o excesso de sal. Junte os legumes numa tigela com o grão de bico e misture bem.
Acrescente o coucous à mistura de vegetais. Esprema o suco de limão e salpique com as raspas da casca de limão e a cebolinha picada. Tempere com azeite, sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto. Sirva com frango grelhado ou carne assada.

Rende 2 porções.

Já fiz várias combinações de couscous diferentes com pequenas variações entre elas. Esta ficou especialmente saborosa pelo acréscimo do suco de limão e das raspas da casca que deram um toque azedinho delicioso ao prato. Chamei esta receita de “couscous mediterrâneo” por juntar o grão de bico à combinação. Funcionou muito bem e deixou o prato ainda mais nutritivo.

O couscous é tão versátil que podemos preparar versões adocicadas também. Experimente juntar damasco picado com uva passa e frango desfiado. Junte tudo e tempere com o suco de laranja e um pouco de raspas da casca. A combinação de sabores agridoces fica absolutamente divina.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Inspirações mediterrâneas

O protagonista do cardápio de hoje todo mundo sabe qual é: o bom e velho bacalhau já tradicionalmente servido na data. São inúmeras receitas e maneiras de preparar esta delícia e certamente cada família já tem seu toque ou charme especial para celebrar o dia.

Como gosto de misturar e trazer coisas diferentes para compartilhar com vocês, trago aqui uma ótima alternativa para saborear como acompanhamento deste peixe suculento. Mantendo uma temática mediterrânea, sugiro preparar uma bela salada de grão de bico para abrir o apetite neste feriado. É uma delícia garantida.

Salada de grão de bico

Salada de grão de bico

1 embalagem de grão de bico em conserva
1 pimentão verde médio
1 tomate grande
4 col. de sopa de cebola picada
azeite, salsinha e coentro a gosto

Modo de preparo:
Escorra o grão de bico e deixe de baixo de água corrente por alguns segundos para retirar o excesso de sal da conserva. Pique o pimentão e o tomate em pedaços pequenos. Numa tigela, misture o grão de bico com a cebola, o tomate e o pimentão. Misture bem todos os ingredientes. Tempere com azeite, salsinha e folhas de coentro fresco e mexa mais um pouco para incorporar todos os sabores. Sirva frio.

Rende de 3 a 4 porções.

Gosto dessa receita por ela ser extremamente prática, rápida e simples de fazer, algo indispensável num dia cheio na cozinha como hoje. Como moro sozinha, sempre acabo usando feijões e outras leguminosas em conserva por ser mais prático e por virem em porções menores. Entretanto, o melhor mesmo é cozinhar o grão de bico em casa mesmo antes de acrescentá-lo à salada.

Caso queira incrementar a receita e deixá-la com um toque ainda mais mediterrâneo, vale acrescentar azeitonas picadas e um punhado de queijo de cabra esfarelado. Já se a intenção for guardar a sugestão e prepará-la outro dia uma dica é acrescentar peito de peru light fatiado e transformá-la numa refeição completa perfeita para jantar num dia corrido da semana.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Expandindo horizontes

Depois de meses lendo e colecionando milhares de receitas das mais diversas localidades e modalidades tenho orgulho de dizer que criei uma receita própria! Tá, ela não é 100% original (mas convenhamos, que receita é 100% original). Tirei inspirações de vários lugares e acabei criando uma fusão de duas culinárias que adoro: a mexicana e a mediterrânea.

A princípio minha receita pode parecer igualzinha a muitas outras que encontramos por aí. Para ser sincera, não duvido nada que tenham “inventado” um prato idêntico ao meu. Mas desta vez digo com toda autoridade, se existir alguma receita igual a esta, juro que não vi. Esta saiu totalmente da minha cabeça.

Burrito mediterrâneo

Burrito mediterrâneo

1 unidade de pão folha
1/3 de embalagem de grão de bico cozido em conserva
1 peito de frango médio cozido e desfiado
2 folhas de alface
3 col. de sopa de salsa (molho de taco)
4 azeitonas fatiadas
1 pote de iogurte desnatado (estilo grego)

Modo de preparo:
Tempere o peito de frango com sal e pimenta chilli em pó a gosto. Ferva 300 ml de água com meio tablete de caldo de galinha. Acrescente o frango e cozinhe de 15 a 20 minutos ou até ficar pronto. Descarte o caldo, deixe o peito de frango esfriar, desfie e reserve.
Abra a embalagem de grão de bico cozido em conserva. Descarte a salmoura e deixe escorrer água nos grãos por alguns minutos para tirar o excesso de sal. Reserve. Enquanto isso, enrole o pão folha em papel alumínio e leve para aquecer em forno baixo (150˚C) por alguns minutos. Quanto estiver morno, retire do papel alumínio com cuidado.
Para montar o burrito, abra o pão folha num prato. Arrume as folhas de alface e as azeitonas fatiadas. Coloque o frango desfiado e o grão de bico por cima. Regue com a salsa e o iogurte desnatado concentrado. Enrole o pão folha e sirva em seguida.

"Burrito bowl"

Duas observações
Primeiramente, para preparar o iogurte desnatado concentrado (estilo grego) coloque um filtro de coar café numa peneira com furos finos. Despeje o iogurte dentro do filtro e deixe escorrer a água que soltar para dentro de um copo. Tampe com filme plástico e deixe na geladeira por algumas horas. Quanto mais tempo ficar escorrendo, mais concentrado (e mais parecido com creme azedo) o iogurte ficará.

A segunda questão envolve uma peculiaridade minha. O pão folha não é grande o suficiente para comportar todo o recheio. Por isso, coloquei uma parte dentro do pão (fazendo o burrito tradicional) e o restante coloquei numa tigela, criando assim um “burrito bowl“. Esta tática não deixa de ser uma opção ótima para quando não tiver (ou quiser usar) a tortilha. Todos os sabores do burrito estão lá sem o acréscimo do pão. Perfeito para um jantarzinho singelo saboroso.

Por hoje é só.

Bon appetit!