Novos patamares de sabor

Depois que entrei na onda de comer peixe cru e outras delícia da culinária japonesa começou a me dar vontade de experimentar outras iguarias geralmente preparadas sem cozimento. Já tinha provado o ceviche peruano e o kibe cru árabe e me apaixonado. Então, pensei que havia chegado a hora de navegar pelas ondas francesas e testar o famoso steak tartare.

À primeira vista confesso que este prato não parece lá muito apetitoso. A carne utilizada não chega a ser moída, como no caso do kibe cru, e ainda é misturada com gema de ovo crua e molho inglês para dar sabor. Pode parecer uma mistura extremamente bizarra de ingredientes, mas não é que no final da certo? Testado e aprovado!

Steak tartare

Steak tartare

100 g de filé mignon
1/2 gema de ovo
1 col. de chá de alcaparra picada
50 g cebola roxa bem picada
1 col. de chá de molho inglês
1 col. de chá de mostarda Dijon
1 col. de chá de vinagre balsâmico
1 col. de chá de azeite
salsinha, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pique bem a carne com a ponta da faca até que fique praticamente moída à mão. Numa tigela, misture a carne com os demais ingredientes e tempere com salsinha, sal e pimenta a gosto. Prove e adéque os temperos como preferir. Sirva acompanhado das clássicas batatas chips, de preferências assadas na hora em casa.

Todos já devem saber mas não custa nada repetir: é preciso ter muito cuidado ao consumir produtos como carnes e ovos crus. Certifique-se que seu açougueiro é de confiança e exija sempre a carne mais fresca do dia. O mesmo vale para os ovos. Não utilize aqueles guardados há algum tempo na geladeira, dê preferência para os mais frescos que tiver.

Não vou mentir, o sabor é bem diferente e requer um pouco de tempo para acostumar-se. Mas depois de relaxar e abstrair o que realmente há no prato é possível perceber a complexidade dos sabores presentes. Para manter a refeição saudável, não opte pelas batatas fritas servidas geralmente de acompanhamento. Espere que amanhã ensino como fiz chips de batata doce que comi junto do steak tartare e que ficaram absolutamente divinas!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

Tornando clássicos gordurosos em pratos leves sem perder o sabor

Quem não gosta de um farto prato de strogonoff de frango com arroz branco e batata palha? A combinação, originária da Russia, já é considerada parte integral da culinária brasileira e aparece com frequência nas refeições nacionais. Alias, o prato é bastante popular em várias partes do mundo, sendo que cada país dá seu toque especial à preparação.

Tudo isso é muito legal, mas não podemos esquecer que a receita clássica de strogonoff leva bastante creme de leite, um pecado gorduroso para qualquer dieta balanceada. Mas é possível degustar de variações deste tradicional prato sem abrir mão de uma alimentação saudável. Algumas poucas modificações tornam o strogonoff leve e prático, e nem por isso deixa de ser altamente saboroso.

Confira uma receita levemente modificada para quem deseja degustar um belo strogonoff sem comprometer a busca por uma alimentação saudável.

Strogonoff de frango

Strogonoff de frango

100 g de filé de frango
1/4 de cebola picada
1 dente de alho picado
100 g de tomate picado
50 g de champignon fatiados em conserva
100 ml de leite desnatado
1 col. de sopa de molho inglês
1 col. de chá de catchup
1 col. de chá de mostarda
1 col. de sopa rasa de farinha de trigo
sal, pimenta-do-reino, orégano e salsa a gosto

Modo de preparo:
Tempere o frango com sal e pimenta-do-reino e corte em cubinhos. Em uma panela antiaderente, refogue a cebola, o alho e o frango com o molho inglês e o orégano até que a carne fique branca e macia. Acrescente o tomate, o champignon e a salsa e cozinhe em fogo baixo por alguns minutos até que o tomate murche.
No liquidificador, bata o leite, a farinha, a mostarda e o catchup até ficar homogêneo. Junte aos demais ingredientes na panela e cozinhe em fogo baixo, mexendo sempre, até o molho engrossar. Sirva em seguida.

Não vou mentir, o gosto não é exatamente o mesmo do strogonoff tradicional com creme de leite. Entretanto, a pequena substituição do creme pelo leite desnatado e a farinha deixa a receita mais leve e não fica devendo em nada com relação ao sabor. É tão, ou mais, saborosa quanto a original.

Pessoalmente, nunca fui muito chegada em strogonoff com creme de leite. Mesmo antes de conhecer esta nova receita, fazia sempre da maneira tradicional até a hora de acrescentar o creme, que acabava dispensando. Com esta receita, a consistência do molho fica igual ao tradicional, mas sem aquele gosto pesado característico. Ou seja, acaba sendo uma versão bem mais leve e gostosa ao meu ver.

Se você não abre mão do strogonoff tradicional, procure usar o creme de leite light que tem menos gordura. Mas prove esta receita também. Aposto que vai aprovar a novidade. Ela é realmente uma delícia!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Quando as aparências enganam

Há quem diga que metade do glamour de um prato está na sua apresentação. Até certo ponto eu concordo. Nada melhor do que degustar de uma preparação esteticamente bela. Entretanto, nada impede que um prato “aparentemente sem graça” seja também uma delícia gastronômica.

Digo isso porque a receita que vou compartilhar aqui hoje não ficou com uma cara muito especial. Não que tenha ficado feia ou esquisita. Apenas não ficou nada de mais. Apesar disso, o sabor estava digno de qualquer outra preparação que eu já tenha publicado no blog. Sendo assim, não vejo porque não divulgar a foto junto da receita, mesmo que não aparenta lá muita coisa. Prometo que neste caso as aparências enganam.

Depois de saborear aquela bela sobremesa que postei ontem, nada melhor do que uma sopinha leve e gostosa para fechar a noite com pé direito. Resolvi, então, testar mais uma das inúmeras receitas que encontro por aí nos livros de culinária saudável que compro. A escolhida da vez foi levando em conta os ingredientes que já tinha sobrando em casa. Tudo para facilitar a vida de quem mora sozinha.

Sopa creme de cebola

Sopa creme de cebola

100 g de cebolas descascadas
80 g de batatas descascadas
1/2 tablete de caldo de legumes
60 g de peito de frango
1 dente de alho
1 col. de sopa de molho inglês
1 col. de chá de queijo ralado
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Em uma panela antiaderente, refogue 90 g das cebolas cortadas grosseiramente com alguns pingos de água até começarem a clarear. Dissolva o caldo de legumes em 500 ml de água fervente e adicione à panela. Corte as batatas grosseiramente e junte às cebolas. Cozinhe em fogo baixo até que ambas fiquem macias. Deixe esfriar e leve ao multiprocessador para formar um creme homogêneo. Reserve.
Tempero o frango com o sal e a pimenta e corte em cubinhos. Pique o restante da cebola e o alho e refogue com o frango em outra panela antiaderente. Acrescente o molho inglês e deixe cozinhar até que o frango fique macio. Reserve.
Em um refratário individual, junte o creme de cebola e o frango refogado. Salpique o queijo ralado por cima e leve ao forno pré-aquecido em temperatura média (240ºC) para gratinar. Sirva em seguida.

Uma boa pedida para acompanhar uma sopa levinha como esta é uma bela salada. Não precisa ser nada muito incrementado. Basta rasgar algumas folhas de alface, cortar algumas fatias bem fininhas de pepino e salpicar algumas baby carrots por cima. Pronto, assim temos uma saladinha simples, fácil e gostosa para completar o jantar.

Outras sugestões para comer junto de sopas de modo geral são duas torradas integrais ou uma fatia de pão integral com um pouco de geleia do sabor que preferir. Neste caso optei pela salada e não pelas torradas já que a sopa tinha bastante carboidrato por causa das batatas. De qualquer maneira, ambos são ótimos acompanhamentos e tornam a combinação sopa + salada ou torrada integral um jantar leve e saudável.

Por hoje é só.

Bon appetit!