Cozinhando para uma pessoa

Eu adoro morar sozinha. Mas devo confessar que no quesito culinária as vezes isso acaba sendo frustrante. São inúmeras as receitas que tenho vontade de provar, mas quase todas elas rendem de 4 a 6 porções e fica inviável cozinhá-las só para mim. Por isso, de vez em quando faço pequenas modificações adaptando a receita para que sirva apenas uma pessoa.

Semana passada resolvi experimentar um recheio de espinafre com queijo branco que na receita original seria para rechear crepes de quinoa. Entretanto, como a receita dizia que rendia 7 porções, dispensei o crepe de quinoa e fiz a pasta de espinafre como recheio de um delicioso wrap. Infelizmente não tenho foto da minha preparação, mas o sanduíche ficou tão maravilhoso que certamente vou repetir a dose muito em breve. Prometo registrar o fato da próxima vez, com direito a fotos durante o preparo.

De qualquer maneira, aqui está a receita que acabei criando.

Wrap de espinafre com queijo minas frescal

1 unidade de pão folha integral
1/4 de cebola picada
170 g de espinafre lavado e picado
100 g de queijo minas frescal light (ou outro queijo branco de sua preferência)
3 fatias finas de blanquet de peito de peru light
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Refogue a cebola em um fio de azeite até ficar macia. Em seguida, acrescente o espinafre e deixe refogar até murchar (+/- 5 minutos). Escorra a água que soltar da verdura. Junte o queijo e mexa por mais 2 minutos ou até o queijo começar a derreter. Desligue o fogo e deixe a mistura esfriar um pouco. Bata no processador até formar um creme homogêneo e tempere com o sal e a pimenta-do-reino.
Para montar o wrap, abra o pão folha num prato. Distribua as fatias de peito de peru e por cima coloque o creme de espinafre com queijo. Feche o sanduíche enrolando o pão. Sirva em seguida.

Eu quis acrescentar o peito de peru neste wrap para dar mais uma fonte de proteína ao prato e torná-lo um jantar completo. Vale também misturar outros ingredientes ao creme de espinafre para rechear o wrap como tomate-cereja, cenoura ralada ou cogumelos em fatias. O legal de wraps é que são levinhos e podem ser recheados com praticamente qualquer coisa. Aqui o que vale é usar a imaginação para criar uma refeição saborosa e divertida.

Um alerta, ao refogar a cebola e o espinafre use APENAS um fio de azeite. É só o suficiente para não queimar os ingredientes no processo de cozimento. Usar mais é desnecessário e acrescenta muita gordura e calorias ao prato sem precisar. Se você tiver uma panela antiaderente melhor ainda pois não será preciso usar azeite algum.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Vivendo e aprendendo

Ontem era para ter sido um jantar perfeito. Entretanto, no dia a dia vamos aprendendo que a arte de cozinhar não é uma ciência exata e as vezes as coisas não saem exatamente como planejadas.

Convidei meus tios e meu primo para jantarem na minha casa e pretendia preparar um cardápio sofisticado, mas simples, saboroso e saudável. De entrada, uma salada verde com cenoura ralada e tomate cereja. Nada de muito elaborado e confesso que comprei aqueles pacotes que já vem pronto para facilitar minha vida. Depois, servi medalhões de filé mignon ao molho de hortelã acompanhados de arroz com tomate seco. Por fim, a sobremesa foi uma espécie de gelatina de café cuja receita havia achado na internet há meses e estava esperando uma ocasião especial para testar.

O jantar aconteceu e a comida estava gostosa, mas várias coisas deram erradas durante o preparo. Primeiro, a sobremesa precisava ser batida na batedeira e eu só tenho liquidificador. Nota mental: comprar uma batedeira! Não vou entrar em detalhes, mas não funcionou muito bem e o que era para ter sido misturado não misturou direito. No fim o sabor estava bom, mas não fotografei para mostrar porque não ficou com uma cara muito apetitosa. Da próxima vez que fizer, se der certo, tiro uma foto para compartilhar.

A carne também não saiu exatamente do jeito que queria pois acabou passando um pouco do ponto. Confesso que foi a primeira vez que fiz filé mignon e não calculei bem o tempo que precisava ficar no forno. Deixei 40 minutos a 230ºC e ela ficou “bem passada”, o que não chega a ser um grande problema para quem prefere assim. Mas como todos os convidados, inclusive eu, preferimos carne “ao ponto”, não atingiu as expectativas. Agora já sei que o tempo ideal de preparo são no máximo 25 minutos.

Já o molho de hortelã ficou um pouco forte demais. Talvez tenha colocado hortelã demais durante o preparo. Mas colocando bem pouquinho em cima da carne deixou o prato bastante saboroso e com gosto diferente do que estava acostumada. Para o arroz, usei aqueles de saquinho que basta acrescentar água e deixar cozinhar por 20 minutos. Nada de mistério e ficou uma delícia.

O bom é que vamos aprendendo a cada dia com as novas experiências na cozinha. E como estou aprendendo a inovar e inventar coisas a partir do que sobrou, para meu almoço de hoje resolvi pegar o filé do jantar e acrescentar um molho diferente. Desta vez, fiz um de mostarda light para acompanhar a carne e ramos de couve flor cozidas. Foi uma ótima solução para salvar o que talvez não tenha saído perfeito da primeira vez.

A seguir a receita do molho de mostarda do cardápio de hoje. As receitas que não funcionaram muito bem do jantar de ontem compartilho num outro momento quando testar de novo e aprimorar o que fazer para ficarem perfeitas.

Molho de mostarda light

Molho de mostarda light

1/2 dente de alho amassado
Suco de 1/2 limão
1 col. de sopa de mostarda amarela ou escura
1/2 col. de sobremesa de azeite
1/2 pote de iogurte desnatado (+/- 100g)
1 envelope de adoçante (ou 1/2 col. de chá)
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Em uma tigela misture com uma colher o alho, o suco de limão, a mostarda, o adoçante e o azeite. Em seguida, acrescente o iogurte a pimenta e o sal. Mexa bem até ficar com uma consistência homogênea. O molho fica bastante pastoso e muito saboroso.

Para quem é como eu e adora mostarda, vale colocar um pouquinho a mais para que o sabor fique mas acentuado. Já para quem preferir o molho um pouco mais fino, basta acrescentar água até atingir a consistência desejada. O bom desta receita é que possibilita a utilização do molho com praticamente qualquer coisa. Hoje usei para acompanhar filé e couve flor. Amanhã pretendo usar o que sobrou para temperar uma bela salada.

E como prometido, uma foto do meu almoço de hoje. Este sim ficou uma delícia!

Filé mignon ao molho de mostarda light, arroz com tomate seco e couve flor

Por hoje é só.

Bon appetit!

Um doce de vez em quando não faz mal a ninguém

A receita de hoje não chega a ser saudável. Até porque nenhum doce é 100% “saudável” e deve realmente ser evitado quando se busca uma alimentação balanceada. Entretanto, sucumbir aos prazeres de um docinho eventualmente não mata ninguém.

Se você é como eu e não consegue resistir as maravilhas de uma boa sobremesa, vale optar pelas versões light com teor reduzido de gordura e açúcar. Assim, satisfazemos nossa vontade sem deixar que a extravagância pese na balança, na consciência e, principalmente, na busca por uma vida saudável.

Com isso, a receita de hoje é de sobremesa.

Torta de limão diet

Para a massa:
2 gemas
4 col. de sopa de adoçante para forno e fogão
4 col. de sopa (não muito cheias) de margarina light
10 col. de sopa de farinha de trigo
1 col. de sobremesa de fermento em pó
1 pitada de sal

Para o recheio:
2 receitas de leite condensado diet
100 ml de suco de limão recém espremido

Para a cobertura:
2 claras em neve
2 col. de sopa de adoçante para forno e fogão

Modo de preparo:
Para a massa, misture com as mãos todos os ingredientes numa vasilha até formar uma massa lisa. Em um refratário redondo untado com margarina light, abra a massa delicadamente com as mãos. Assegure-se de subir uns três dedos de massa em toda a borda do refratário. Fure a massa com um garfo e leve ao forno (180ºC) até dourar. O tempo varia de acordo com o forno, mas no meu caso ficou mais ou menos 10 minutos. Retire do forno e deixe esfriar.
Para o recheio, misture bem o leite condensado diet com o suco de limão com uma colher e coloque sobre a massa já em temperatura ambiente.
A cobertura na verdade é opcional. Como não sou muito fã de chantilly, acabei nem colocando. Mas para quem quer deixar o prato mais suculento, bata as claras em neve e acrescente o adoçante aos poucos. Coloque sobre o recheio e leve ao forno até dourar, em torno de 10 minutos com o forno em 200ºC.

Ok, mas aonde encontro leite condensado diet?

Em qualquer bom supermercado é possível achar várias marcas de leite condensado diet. Entretanto, prefiro as versões caseiras pois não contêm conservantes nem nada do tipo. Na vez que fiz esta torta, preparei o leite condensado em casa mesmo. Talvez valha a pena testar com os industrializados para ver se a receita fica boa, até porque eles economizam tempo se você estiver na correria.

Mas se você é que nem eu e gosta das coisas caseiras aqui vai. Procurando na internet é possível achar várias receitas de  leite condensado diet caseiro. A que eu usei é bem simples e deixou a torta super gostosa. Para uma receita bata no liquidificador 1 xic. de chá de leite em pó desnatado, 1/2 xic. de chá de adoçante para forno e fogão, 1 col. de sopa (não muito cheia) de margarina light e 1/4 xic. de chá de água fervendo. Atenção: é muito importante que a água esteja fervendo mesmo. Quanto mais quente, melhor. Deixe bater de 3 a 5 minutos. Depois, coloque na geladeira durante 30 minutos antes de utilizar no preparo do doce.

O bom desta torta é que fica deliciosa e não pesa muito na consciência ao comê-la. E se você não contar que ela é diet, ninguém vai perceber, prometo. Quando fiz, esperei todos provarem e confirmarem de que haviam adorado antes de contar que era sem açúcar. Ficaram chocados.

Da próxima vez que eu for prepará-la, já decidi que quero testar com farinha de trigo integral. Acho que não deve alterar em nada o gosto e as vantagens de usar ingredientes integrais são inúmeras. Mas essa história fica para uma outra hora.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Coisas que aprendi no livro de receitas

Confesso que não sou das pessoas mais criativas na cozinha. Na verdade, não sou muito criativa em nenhuma área da minha vida. Gosto de achar um modelo bacana e que funcione e sigo as instruções. Vez ou outra me aventuro e crio alguma novidade. Mas no geral prezo pelo resultado mais do que pela inovação.

Não é nenhum espanto, então, saber que procuro receitas para todas as comidas que preparo. Vai ser muito difícil me ver entrando numa cozinha na louca para juntar ingredientes aleatórios e fazer pratos incríveis.

Por isso, a minha receita de hoje na verdade não é nada minha. Achei num livro de culinária saudável da Lucilia Diniz, chamado Comer Light. Alias, esta não vai ser a única receita deste livro que pretendo compartilhar aqui com vocês. O livro é sensacional e tem muitas receitas super saborosas e fáceis de fazer. Recomendo.

A receita do dia é de um acompanhamento. Vamos lá.

Torta de vegetais em camadas

1 berinjela grande cortada em fatias
3 abobrinhas cortadas em fatias
2 cogumelos Portobello cortado em fatias (daqueles enormes, que um é o tamanho da palma da mão inteira)
2 tomates grandes em fatias
1 dente de alho picado
5 ramos de folhas de manjericão fresco picado
1 fatia de pão integral light triturado
sal e pimenta-do-reino a gosto
parmesão light ralado para polvilhar

Modo de preparo:
Tempere as fatias de berinjela e abobrinha com sal e pimenta-do-reino. Em uma frigideira antiaderente, grelhe em fogo médio a berinjela, a abobrinha e o cogumelo dos dois lados até ficarem macios. Cuidado para não deixá-los molengos demais, eles devem ficar um pouco al dente. Reserve.
Em uma assadeira comece a montar a torta. Faça uma camada com 1/2 da berinjela. Por cima, faça uma camada com metade da abobrinha. Repita o procedimento com o cogumelo e o tomate. Em seguida, espalhe o alho e o manjericão por cima do tomate. Polvilhe mais um pouco de sal e pimenta a gosto.
Repita os passos para formar uma segunda camada de cada vegetal. Guarde algumas fatias da abobrinha para a colocar como camada final. Por fim, distribua o pão triturado e o parmesão ralado para formar uma crostinha em cima das camadas da torta.
Leve ao forno preaquecido (200ºC) por cerca de 35 minutos ou até que os tomates estejam macios.

Rende 6 porções.

O bom desta torta é que serve de acompanhamento light para qualquer proteína. Por não ter muito carboidrato, é uma ótima opção também para o jantar.

Já preparei este prato duas vezes e em ambas as ocasiões foi um sucesso. Caso não encontre o cogumelo Portobello, vale usar também o Shitake, igualmente saboroso. Entretanto, sempre opte pela versão fresca. Os cogumelos secos ou em conserva não funcionam muito bem neste caso. Outra sugestão é incluir uma camada de cenoura em rodelas, também grelhadas previamente até ficarem macias.

Por hoje é só.

Bon appetit!

A primeira vez a gente nunca esquece

Oi. Tem alguém aí?

Dizem que quando se está perdido na vida sem saber que rumo tomar a melhor coisa a se fazer é começar a escrever. Para uma jornalista isso deveria ser fácil. Quantas vezes já não ouvi de amigos, familiares e conhecidos que deveria começar um blog? O problema é que não tenho assunto, não sei sobre o QUE escrever. E isso complica um pouco.

De qualquer maneira, resolvi unir o útil ao agradável. Recentemente tenho me aprofundado na arte e terapia da culinária saudável. Sempre amei cozinhar, mas ultimamente entrei numa onda de comidas saudáveis que muitas pessoas acreditam ser sem gosto ou sem graça. Não estou aqui para provar o contrário nem pretendo ser uma expert no assunto. Apenas resolvi compartilhar receitas deliciosas que aprendi e testei e comprovo que ajudam a manter uma alimentação equilibrada.

Também não vou fazer promessas do tipo “vou testar uma nova receita todos os dias e venho contar como foi”. Sei que isso é uma ilusão e muito provavelmente (como já aconteceu inúmeras vezes comigo antes) vou cansar disso aqui em pouco tempo e acabar abandonando o barco. (ESPERO que não!!! Mas confesso que é uma real possibilidade.)

De qualquer maneira, sempre vale a tentativa. Prometo, então, TENTAR publicar pelo menos duas receitas por semana. Ou também, compartilhar dicas e sugestões de cardápios que aprecio e acredito serem balanceados para quem busca uma alimentação saudável.

Mas agora chega de blá, blá, blá.

Aqui vai a minha primeira dica.

Semana passada testei pela primeira vez o Ritto Prato Feito da Mãe Terra.
É delicioso! A melhor parte é que mistura grãos integrais com lentilha e feijão branco. Para alguém como eu, que não sei fazer feijão e moro sozinha, é a solução perfeita. Até porque é muito difícil fazer uma panela de feijão para uma pessoa só, né? E guardar feijão na geladeira durante semanas a perder de vista não é muito legal.

Por isso me viciei no Ritto Prato Feito. É super prático e fácil de fazer e dá para fazer em pequenas quantidades.

Como não como muito, faço 1/2 xíc. de chá para três dias. Dá certinho. Depois é só guardar na geladeira e esquentar no dia seguinte. Fica muito gostoso e não perde nada do sabor ao ser “requentado”, até porque são pouco dias.

Minha receita do dia é para o jantar.

Pizza light

1 unidade de Massa de Pizza para Frigideira Integral tamanho individual
3 fatias finas de mussarela light
4 fatias finas de peito de peru light
2 col. de sopa de Molho de Tomate
6 tomates cereja cortados ao meio

Modo de preparo:
Coloque a massa de pizza numa frigideira antiaderente já aquecida. Não precisa de azeite nem óleo nem nada. Cubra a massa com o molho de tomate. Distribua o queijo, o peito de peru e os tomates. Deixe esquentar até que o queijo derreta. Sirva em seguida.

O bom desta pizza é que a massa é super fininha e integral. Além disso, como não precisa de azeite nem óleo para fritar, não engorda o prato. É uma ótima solução para não deixar de comer algo tão delicioso como uma bela pizza, mesmo cuidando da alimentação e da balança. Como acompanhamento, sugiro uma bela salada de folhas verdes com baby carrots. Pronto, jantar completo.

A cobertura da pizza é livre, mas é sempre bom ficar de olho nos ingredientes super calóricos. Fuja dos queijos amarelos e gordos e dos embutidos como calabresa ou pepperoni, que têm muito sódio e muita gordura. Outra opção é cobrir com queijo tipo cottage, rúcula e champignon fresco. Fica uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!