A globalização da culinária

A globalização que vivemos hoje já atingiu tantos níveis da sociedade que não tinha como a gastronomia ficar de fora. Por um lado isso é ótimo já que permite que todos conheçam as diversas culinárias que existem no mundo. O problema é que com essa globalização inevitavelmente ocorrem também a generalização das comidas.

Explico: muitos pratos típicos de algumas regiões são alterados ou modificados levemente para adequar-se ao paladar do local em que são introduzidos. Com isso, corre-se o risco de várias comidas, teoricamente diferentes, acabarem ficando com sabor extremamente parecido.

Bife mongol

Bife mongol

10 ml de shoyu
1/2 col. de sopa de açúcar
1/2 col. de sopa de maizena
1 col. de chá de molho de ostra
1 col. de chá de vinagre de arroz
1 col. de chá de curry vermelho
100 g de filé mignon
200 g de abobrinha
10 g de cebolinha
1 dente de alho
azeite, gengibre, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela pequena, junte o shoyu, o açúcar, a maizena, o molho de ostra, o vinagre de arroz e o curry vermelho até que fique bem homogêneo. Reserve.
Aqueça uma panela wok antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue o dente de alho amassado até que fique aromático. Acrescente a abobrinha cortada em tirinhas e refogue por 2 minutos até começar a amolecer. Acrescente a carne cortada em tiras e refogue por alguns minutos até que fique quase no ponto.
Junte a cebolinha cortada também em tirinhas, salpique com gengibre em pó e sal a gosto e mexa mais um pouco. Derrame o molho reservado e a pimenta calabresa a gosto. Termine de mexer até o molho encorpar levemente e a carne atingir o ponto desejado. Sirva com arroz integral ou jasmim.

Muitos já devem ter achado que as comidas de países asiáticos como a China, Tailândia, Indonésia e Vietnã são todas iguais. A verdade é que elas possuem verdadeiras semelhanças, até pela proximidade dos países o que acaba resultando numa familiaridade entre os ingredientes usados.

Apesar disso, todas essas culinárias possuem toques diferentes e quando são apreciadas da maneira original podem ser identificadas pelo que realmente são. A receita de hoje trás toques especiais da Mongólia, mas certamente a receita que testei não deixa de ter também elementos dessa culinária “globalizada”. Acho que para comer um bife mongol de verdade só mesmo indo visitar a Mongólia. Quem sabe um dia, não é?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Sofisticando o prato

Pratos sofisticados com frango, carne ou peixe já são deliciosos por si só. Por isso, saboreá-los acompanhados por arroz integral e legumes simples cozidos no vapor já basta para completar uma refeição deliciosa. Mas as vezes sentimos falta de um quê de sofisticação nos acompanhamentos, pelo menos eu sinto.

Dito isso, é mais difícil achar receitas para legumes que não sejam refeições inteiras ou sejam simples suficientes para que não roubem a cena do prato principal. Quando achei esta fiquei encantada pois parecia uma delícia e era tão simples de fazer que não ia interferir no resto do meu almoço do dia. Felizmente estava certa. O resultado foi fantástico.

Aspargo com tomates balsâmicos

Aspargo com tomates balsâmicos

150 g de aspargo fresco
8 a 10 tomates cereja
1 fio de azeite
1 col. de sopa de vinagre balsâmico
1 dente de alho picado
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Ferva 300 ml de água e cozinhe os aspargos de 2 a 3 minutos até ficarem al dente. Escorra e coloque numa bacia com água e gelo para parar o cozimento e manter a consistência crocante. Transfira para um prato e reserve.
Aqueça uma frigideira antiaderente e refogue o alho no fio de azeite. Mexa de 15 a 30 segundos para soltar o aroma. Acrescente os tomates cereja e refogue por alguns minutos até amaciarem bem e começarem a estourar. Despeje o vinagre balsâmico e continue mexendo até engrossar (de 2 a 3 minutos). Tempere com sal e pimenta a gosto e sirva por cima dos aspargos.

Super simples de fazer, este acompanhamento é uma delícia. O sabor adocicado do vinagre balsâmico complementa deliciosamente bem a delicadeza dos aspargos e dos tomates cereja. Caso ache que o molho ficou muito pouco no final, acrescente mais uma col. de sopa e espere engrossar de novo. A consistência fica fantástica.

O bom desta receita é que ela não deixa de ser um molhinho sofisticado que funciona bem regado por cima de diversos legumes. Se não gostar de aspargos, experimente com vagem macarrão ou cenouras cortadas em palitos. E para deixar ainda mais sofisticado, salpique com amêndoas picadas ou queijo feta esfarelado. Com certeza vai impressionar.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Sobras inusitadas

Alguns dias atrás publiquei aqui uma receita de edamame, ou soja verde, que pode ser encontrada congelada ainda na vagem e é bastante comum na culinária japonesa e norte-americana. Como a receita que preparei rendia 2 porções, aproveitei para comer naquele dia como salada de acompanhamento no jantar e guardei o restante para saborear de almoço no dia seguinte.

O legal  desta receita é que ela é bastante versátil e serve justamente para diversos momentos ou tipos de refeições. Desta vez optei por refogar alguns camarões congelados que tinha comprado e juntá-los ao succotash de edamame que havia sobrado. Meu almoço ficou completo e bastante saboroso.

Succotash de edamame com camarão

Succotash de edamame com camarão

200 g de camarão limpo, cozido e congelado
150 g de edamame congelado na vagem
100 g de milho verde congelado
1 col. de sobremesa de azeite
1/2 pimentão verde ou vermelho pequeno
1/2 cebola
1 dente de alho
15 ml de vinho branco
10 ml de vinagre de arroz
salsinha, cebolinha, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Cozinhe o edamame e o milho verde congelados em uma panela com água fervente por 3 a 5 minutos. Escorra bem e passe por água corrente para parar o cozimento. Retire a soja da vagem e reserve juntamente com o milho.
Descongele o camarão numa tigela deixando na geladeira da noite pro dia. Escorra a água que soltar. Aqueça uma panela wok ou frigideira antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue o camarão salpicado com sal e pimenta a gosto por 2 ou 3 minutos até aquecer bem. Transfira o camarão para um prato e reserve.
Acrescente a cebola picada, o pimentão picado e o alho amassado à wok e refogue com um fio de azeite. Mexa bem até começar a ficar macio. Junte o milho, o edamame e o vinho branco. Refogue bem mexendo constantemente até evaporar quase todo o líquido.
Retorne o camarão à panela e continue mexendo para misturar e aquecer bem todos os ingredientes. Desligue o fogo e tempere com o vinagre de arroz e a salsinha, cebolinha, sal e pimenta a gosto.

Rende 2 porções.

Nada melhor do que receitas práticas como esta para preparar num dia corrido de meio de semana. Alias, este prato mostra como é possível aproveitar sobras deliciosas do dia anterior para criar refeições inusitadas e diferentes no dia seguinte.

Se você já sabe que a semana vai ser corrida, aproveite um dia mais light para cozinhar pratos como este e guardar um pouco de sobras para aproveitar nos dias seguintes. Assim você não gasta tanto tempo na cozinha, não deixa de ter variedade nas refeições e de quebra consegue manter uma alimentação super saudável com receitas nutritivas e balanceadas.

Por hoje é só.

Bon appetit!