Fast food caseiro

Com certeza você já leu em inúmeros lugares a importância de consumir as chamadas “gorduras boas” como o tal do ômega 3. Estas gorduras são responsáveis por abaixar os níveis do mau colesterol e aumentar os níveis do bom colesterol no sangue. Indispensáveis, as gorduras boas podem ser encontradas em peixes e oleaginosas, como castanhas e amêndoas.

O salmão é uma das melhores fontes naturais de ômega 3. O ideal seria apreciar este peixe delicioso ao menos 2 ou 3 vezes na semana. Mas convenhamos, chega uma hora que ninguém mais aguenta comer salmão grelhado com legumes cozidos, certo? O bom é que o salmão pode ser preparado de vários jeitos saborosos e saudáveis, é só procurar um pouquinho que achamos receitas inovadores e deliciosas.

Hambúrguer de salmão

Hambúrguer de salmão

120 g de salmão fresco
1 col. de sopa rasa de farinha de rosca
1 col. de sopa rasa de dill picado
1 talo de cebolinha picado
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Corte o filé de salmão em pedaços pequenos. Num multiprocessador, misture o peixe, a farinha, o dill e a cebolinha. Vá triturando aos poucos apenas para que a massa fique homogênea. Junte tudo e molde o hambúrguer com as mãos. Pré-aqueça uma grelha em temperatura alta e coloque o hambúrguer para grelhar. Cozinhe de 5 a 7 minutos. Cuidado para não assar demais e o peixe ficar muito seco. Sirva com salada de folhas e palitinhos integrais crocantes.

Sempre tive a curiosidade de saber qual era o gosto de um hambúrguer de salmão. E digo sem sombra de dúvidas, ficou maravilhoso. O bom de preparar hambúrgueres caseiros é que podemos adequar a quantidade de farinha e gordura utilizadas ao nosso gosto. Neste caso, como o salmão já tem bastante gordura, é totalmente desnecessário untar a grelha antes de assar.

Esta receita pode ser adequada também para preparar outros tipos de hambúrgueres caseiros. Para fazer uma versão com carne branca, basta substituir o salmão por peito de frango. Neste caso, troque o dill, tempero ótimo para combinar com peixes, por sálvia ou salsinha fresca, que fica uma delícia quando utilizadas para temperar carne de frango.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Sabores agridoces orientais

Nada melhor do que investir no consumo de peixes para manter uma alimentação balanceada e saudável. Isso porque os frutos do mar de modo geral são ricos em ômega 3, um tipo de gordura insaturada indispensável para abaixar os níveis do colesterol ruim e aumentar o nível do colesterol bom no sangue.

O salmão constitui uma das melhores fontes de ômega 3 entre os peixes. Delicioso e com sabor bem característico, pode ser saboreado de inúmeras maneiras. A culinária japonesa investe pesado no consumo de salmão na forma de sushis e sashimis. Mas para quem não gosta muito de comer peixe cru, pode preparar um belo filé de salmão com molhos deliciosos para acompanhar, como na receita divina de hoje.

Salmão assado ao molho de maracujá

Salmão assado ao molho de maracujá

1 filé de salmão (120 g)
polpa de 1 maracujá azedo
1/4 de pote de iogurte desnatado
1/2 col. de sopa de shoyu light
1/2 col. de sopa de azeite
1/2 col. de sobremesa de mel

Modo de preparo:
Posicione o filé de salmão numa forma refratária antiaderente. Regue com um fio de azeite e leve ao forno pré-aquecido em 180ºC por 20 minutos para começar a assar.
Para o molho, misture a polpa do maracujá, o iogurte, o shoyu, o azeite e o mel numa tigela. Mexa bem até formar uma pasta homogênea. Regue o salmão com o molho e volte para o forno por mais 5 minutos para terminar de assar. Sirva a seguir.

Por mais que o salmão tenha bastante gordura boa, é sempre bom regar com o mínimo de azeite ao colocá-lo para assar para evitar que fique muito seco. Normalmente evito usar óleos ou azeite quando cozinho pois a gordura boa do azeite se transforma em gordura ruim quando aquecido. Entretanto, usar bem pouquinho de vez em quando não chega a comprometer completamente uma alimentação saudável.

O molho de maracujá preparado desta maneira fica absolutamente divino. Isso porque mistura o azedinho do maracujá e do iogurte com o docinho do mel formando um sabor agridoce fantástico. Além disso, o shoyu ajuda a dar um toque oriental à receita, transformando este molho no acompanhamento perfeito para peixes como o salmão.

Por hoje é só.

Bom appetit!

Iguarias deliciosas

A receita que vou compartilhar hoje é bastante especial para mim. Desde que vim morar em São Paulo me apaixonei pela culinária japonesa e todas as delícias que ela tem para oferecer. Isso inclui principalmente os diversos sushis e sashimis feitos com peixe cru, iguaria que anteriormente jurava que jamais conseguiria apreciar.

Pois bem, provei e me deliciei. Desde então, venho querendo fazer algo com peixe cru para saborear no aconchego da minha casa. E foi aí que achei esta receita. Absurdamente fácil – claro, não precisa cozinhar nada – ela ficou ainda mais deliciosa do que eu poderia imaginar. Há várias maneiras de preparar um tartare, mas este achei ideal para fazer num jantarzinho íntimo comigo mesma. Uma delícia.

Tartare de salmão

Tartare de Salmão

150 g de salmão limpo, sem pele e sem gordura cortado em cubinhos
1/2 cebola picada em cubinhos
3 alcaparrões picados
1 limão
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Ao comprar o salmão, peça para o peixeiro limpá-lo, tirar a pele, espinhas e gordura aparente e cortá-lo em cubinhos de aproximadamente 0,5 cm. (Acredite, isso facilita bastante a vida na hora de preparar o prato.)
Numa tigela, misture os pedaços de salmão com a cebola e os alcaparrões picados. Tempere com sal e pimenta a gosto e arrume numa tigela individual com aro. (Caso não tenha uma, como eu, uma forminha tipo ramekin funciona perfeitamente.)
Leve à geladeira por 30 minutos antes de servir para firmar no formato. Na hora de servir, desenforme, regue com o suco do limão e decore com uma rodela de limão.

Fiquei absolutamente encantada com este prato. Digamos que ele se aproxima muito mais do ceviche peruano do que dos sushis ou sashimis japoneses, mas o que vale é o sabor delicioso do salmão fresco consumido cru. Por isso mesmo, lembre-se de regar com o suco do limão apenas no momento de servir já que o ácido cítrico da fruta começa a decompor as proteínas do peixe e acaba “cozinhando-o”.

No fim o tartare fica uma delícia puro, mas sugiro servir com torradinhas integrais para acompanhar. E mesmo não sendo exatamente japonês, vale comer com hashi. Porque, convenhamos, tem jeito mais gostoso de comer peixe cru do que com esses pauzinhos? Claro que não!

Por hoje é só.

Bon appetit!