Combinações saborosas

Por mais que tenhamos alguns pratos que são favoritos e clássicos, é sempre divertido acrescentar elementos diferentes para dar aquele toque a mais. Sou apaixonada por comida tailandesa, mas também tenho meus dias em que prefiro algo mais simples como uma básica carne moída refogada. Quando achei esta receita que juntava o útil ao agradável tive que experimentar.

O prato consegue unir a facilidade de uma simples carne moída refogada com a constelação de sabores exóticos e deliciosos da clássica culinária tailandesa. No fundo, a receita fica super parecida com outras que já publiquei aqui, como a de curry de camarão e a de tilápia com legumes no vapor. Mas neste caso a carne moída traz um quê de diferente e delicioso ao prato final.

Carne moída à tailandesa

Carne moída à tailandesa

120 g de coxão mole moído
1 dente de alho
1 col. de sopa de cebola picada
1 col. de chá de pasta de curry tailandês vermelho
60 g de molho de tomate
15 ml de leite de coco light
1 col. de chá de açúcar mascavo
suco de 1/2 limão
1 col. de chá de molho de peixe tailandês
coentro a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho picado e a cebola picada até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a carne moída e refogue por alguns minutos até começar a dourar.
Despeje a pasta de curry tailandês vermelho e o molho de tomate e mexa bem para incorporar os temperos. Cozinhe por dois ou três minutos até reduzir bem o molho. Em seguida junte o leite de coco, o açúcar mascado, o suco e limão e o molho de peixe. Misture tudo e cozinhe por mais alguns minutos até o caldo engrossar um pouco. Sirva com arroz jasmim e salpicado com coentro a gosto.

Uma das peculiaridades da culinária tailandesa é que as receitas não começam da mesma forma que outras tradicionais com as quais estamos acostumados. Aquele primeiro passo que sempre inicia as receitas de temperar a carne com sal e pimenta é totalmente desnecessário na cozinha da Tailândia.

O motivo disso é a quantidade de tempero que é acrescentado no decorrer da receita. Todos os sabores são contemplados, o salgado, o doce, o azedo e o picante e o fato de ir adicionando aos poucos enquanto o prato é preparado faz com que a comida adquira um gosto mais que especial. Esta receita ficou divina e nos leva numa viagem gastronômica peculiar e deliciosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Descobrindo novas delícias

No começo, quando ia a restaurantes tailandeses eu sempre comia a mesma coisa: ou me deliciava com o tradicional Pad Thai (prato típico de macarrão com um molho agridoce delicioso) ou ficava no frango em cubos com castanha de caju (cuja receita publiquei aqui). Mas desta vez, quando estava de férias nos Estados Unidos e almocei no meu restaurante tailandês preferido por lá resolvi me aventurar um pouco.

A surpresa foi fantástica. Descobri sopas maravilhosas que antes pensava terem combinações um pouco estranhas de ingredientes. A melhor parte é que estas sopas funcionam tão bem como entrada, acompanhamento ou prato principal, basta adequar o tamanho da porção à refeição indicada.

Sopa tailandesa de macarrão transparente

Sopa tailandesa de macarrão transparente

300 ml de água
15 g de shitake seco
1/2 pepino médio
1 dente de alho
40 g de harussame (macarrão transparente)
1 col. de sopa de shoyu light
1 col. de sobremesa de açúcar mascavo
100 g de repolho em fatias finas
150 g de tofu firme
coentro picado a gosto

Modo de preparo:
Deixe o shitake seco de molho em água quente (mas não fervendo) por pelo menos 30 minutos para hidratar. Enquanto isso, coloque o pepino cortado, o alho e o repolho fatiado num multiprocessador. Bata até formar uma mistura homogênea e quase lisa.
Despeje a mistura numa panela e acrescente os 300 ml de água fervendo. Cozinhe com uma leve fervura em fogo médio por 2 ou 3 minutos. Coe o líquido para outra panela e descarte os restos que sobrarem.
Levante mais uma vez uma leve fervura e adicione o shitake hidratado com metade do líquido no qual estava. Acrescente o harussame e o açúcar mascavo dissolvido no shoyu light. Deixe cozinhar por 5 minutos até o macarrão amolecer.
Prove o sal e se for preciso tempere com mais um pouco de shoyu. Corte o tofu em cubos médios e coloque numa tigela. Por cima, derrame o conteúdo da sopa e decore com folhas de coentro picadas a gosto. Sirva acompanhado de torradinhas integrais.

A primeira vista a sopa pode não parecer lá muito apetitosa, mas a combinação do pepino com o repolho como base do caldo acrescentados ao shitake tornaram o sabor mais interessante. Uma das vantagens desta sopa, alias, é justamente a suavidade de todos os sabores que, quando misturados, não perdem suas características individuais.

Se você não for muito fã de tofu, vale preparar este prato usando também pedaços pequenos de peixe cozido (como filé de tilápia ou linguado) ou até mesmo cubinhos de peito de frango. Entretanto, a suavidade do tofu faz com que o sabor da sopa não seja sobrecarregado de temperos forte demais. Para mim, a melhor parte continua sendo o gostinho único do harussame. Desde que descobri este macarrão transparente tipicamente oriental me apaixonei.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Fugindo do tradicional

Para quem não curte muito comida feita com leite de coco a culinária tailandesa pode realmente parecer pouco apetitosa. Conhecida pelos seus pratos adocicados e picantes ao mesmo tempo e que geralmente são feitos à base de leite de coco, açúcar, temperos e especiarias, a comida da Tailândia é especializada nesses sabores.

Entretanto, para aqueles que torcem o nariz a essas delícias há uma outra receita clássica que pode parecer bem mais agradável. Suave e simples, lembra os sabores da culinária chinesa, temperos mais conhecidos do paladar brasileiro. A olho nu pode até parecer um frango xadrez genérico, mas este é inspirado em outro país do extremo oriente.

Frango com castanha à moda tailandesa

Frango com castanha à moda tailandesa

15 ml de shoyu light
30 ml de caldo de galinha
1 col. de sopa cheia de molho de ostra
1 col. de chá de vinagre de vinho branco
1 col. de sobremesa de mel
1 col. de chá de maizena
1 peito de frango cortado em cubos
1/2 pimentão verde pequeno
¼ de cebola
1 col. de chá de gengibre em pó
1 dente de alho
1 col. de sopa cheia de cebolinha picada
castanha de caju a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela, misture metade do shoyu e da maizena. Corte o frango em cubos e junte à mistura. Mexa bem para o que o frango fique totalmente coberto. Reserve. Numa outra tigela, junte o resto do shoyu e da maizena com o caldo de galinha, o molho de ostra, o vinagre e o mel. Reserve. Corte o pimentão e a cebola em tirinhas e pique o alho. Salpique o gengibre em pó por cima. Reserve.
Aqueça uma panela wok em fogo médio. Acrescente o frango com a marinada e refogue por alguns minutos até começar a cozinhar. Reserve na tigela. Despeje os vegetais temperados com o gengibre à wok e refogue de 3 a 5 minutos até amaciarem. Retorne o frango à wok e adicione o molho reservado. Cozinhe mexendo sempre até o frango ficar pronto e o molho engrossar. Salpique a castanha por cima e sirva acompanhado de arroz integral.

Sou simplesmente apaixonada por este prato. O molho fica uma delícia e, apesar de ser docinho, não chega a arruinar completamente uma alimentação balanceada e saudável. Além disso, qualquer refeição preparada em casa tem a vantagem de conseguirmos controlar a quantidade de gordura e açúcar acrescentada o que a torna mais saudável.

O molho de ostra utilizado nesta receita é bem tradicional e muito utilizado em diversas preparações orientais. Ele não é muito comum aqui no Brasil mas também não chega a ser extremamente difícil de encontrar. Procure nas seções de comida asiática de um grande supermercado ou em lojas especializadas.

Por hoje é só.

Bon appetit!