O delicioso sabor da lembrança

Confesso: tem dias que morro de saudades dos anos que passei morando nos Estados Unidos. E sim, tenho saudades especialmente da comida que comia lá. Mas peraí, americano não come só fast food? Claro que não! Isso é uma visão deturpada que tenho tentado mudar desde que voltei para o Brasil.

Alias, existem diversos pratos tipicamente norte-americanos que são deliciosos e certamente não se assemelham em nada com os sanduíches das lanchonetes que vemos por aí. Com grande influência anglo-saxônica, a culinária dos Estados Unidos reúne também inúmeras características dos diversos povos que fizeram do país o que ele é hoje.

“Torta” de frango express (chicken pot pie)

“Torta” de frango express – (Chicken Pot Pie)

1 unidade de massa folhada para pastel de forno (30 g)
1 peito de frango cortado em cubos
150 ml de caldo de frango
1 folha de louro
100 g de batata cortada em cubos
100 g mix de vegetais congelados (com ervilha, vagem e cenoura)
1 col. de sopa cheia de farinha de trigo
30 ml de caldo de frango
azeite, sal, pimenta, tomilho e sálvia a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em temperatura alta (220˚C). Arrume a massa folhada numa travessa antiaderente untada com um fio de azeite. Corte a massa em quatro tiras médias e leve para assar até dourarem (aproximadamente 10 minutos).
Enquanto isso, aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue os pedaços de frango até dourarem bem. Reserve.
Numa panela grande, ferva 150 ml de caldo de frango junto com a folha de louro. Acrescente a batata e cozinhe por 10 minutos até que fique macia. Junte o mix de vegetais congelados e deixe cozinhar por mais 2 minutos.
Numa tigela, misture a farinha com mais 30 ml de caldo de frango até que fique homogêneo e sem bolinhas. Derrame a mistura na panela e acrescente os cubos de frango dourados. Mexa bem e cozinhe até engrossar (de 2 a 3 minutos). Tempere com sal, pimenta, tomilho e sálvia a gosto. Sirva acompanhado das tiras de massa folhada.

Uma das preparações mais clássicas norte-americanas são as tortas, sejam elas doces ou salgadas. Esta que compartilho com vocês hoje é uma das mais apreciadas e é considerada uma verdadeira “confort food”. Ou seja, aquela comidinha super caseira que sua mãe prepara para você quando está doente e de cama.

A versão tradicional inclui uma crosta completa de massa podre normal para tortas. Entretanto, a versão que achei e testei em casa dá uma certa leveza ao prato fazendo dele um pouco mais saudável e com certeza mais rápido e fácil de preparar. No fim, o sabor é aquele que me acostumei a comer quando morava lá. Absolutamente deliciosa, esta torta cai muito bem numa noite friazinha de inverno.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

O colorido da saúde

Ando tendo alguma dificuldade para achar receitas divertidas ou diferentes para preparar e testar para o blog. Muito do que encontro por aí é apenas uma variação sobre o mesmo tema e não seria interessante o suficiente para compartilhar com vocês.

Mas fiquei empolgada quando descobri esta receita numa revista que tinha guardada em casa. Além de parecer super saborosa, ela é leve e saudável e super fácil de fazer. O bom é que deu para preparar numa noite e ainda sobrou um pouco para comer no dia seguinte. Sem contar que ficou uma delícia.

Torta de carne à jardineira

Torta de carne à jardineira

200 g de carne moída magra
1 col. de sopa de cebola picada
1 1/2 col. de sopa de farinha de trigo integral
1 clara
sal e pimenta a gosto
100 g de milho verde em conserva
1 abobrinha média
1/2 cenoura média
1/2 pimentão verde médio
um fio de azeite

Modo de preparo:
Numa tigela, junte a carne moída com a cebola picada, a farinha de trigo integral e a clara. Tempere com sal e pimenta a gosto e misture bem com as mãos até formar uma massa homogênea. Unte uma forma refratária antiaderente com um fio de azeite e forre com a mistura de carne moída. Espalhe bem até que toda a forma fique coberta, inclusive as laterais.
Leve ao forno pré-aquecido em 180˚C por 20 minutos. Retire do forno e reserve.
Corte a abobrinha, a cenoura e o pimentão em cubinhos pequenos. Junte com o milho verde e misture bem. Refogue numa frigideira antiaderente por alguns minutos até aquecer tudo por completo. Não deixe muito tempo para que os legumes não fiquem moles demais, eles devem permanecer al dente.
Despeje os vegetais por cima da massa de carne e retorne ao forno por mais 15 ou 20 minutos ou até assar por completo. Sirva acompanhado de uma saladinha verde.

Rende 2 porções.

Super versátil, esta receita é ótima pois aceita qualquer combinação de legumes como recheio da torta. Aproveite para escolher seus preferidos e deixar sua janta o mais colorida possível. Se estiver com presa ou sem muito tempo para investir no corte dos vegetais pode usar os mix de legumes que já vem prontos e picados. Agiliza bastante o preparo da receita.

Outra dica para deixar o prato ainda mais saboroso e sofisticado é salpicar um punhado de queijo magro ralado fresco por cima dos legumes antes de levar ao forno pela segunda vez. Dessa forma, assim que o queijo estiver derretido a torta estará pronta para ser saboreada num noite fresquinha de outono.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Jantarzinho singelo

Tortas, quiches e pastelões são práticas opções de jantar numa noite corrida durante a semana. Depois de um dia cansativo no trabalho a expectativa de ter que chegar em casa e ainda preparar uma refeição saborosa e saudável deixa qualquer um mais cansado. É nessas horas que acabamos apelando para qualquer salgado na rua, só para facilitar a vida.

Mas existem receitas fáceis que podemos deixar prontas com antecedência. Assim, na hora de jantar é só aquecer e saborear uma torta caseira. Isso sem contar que o fato de ser feita em casa torna esta delícia muito mais saudável já que não inclui os diversos aditivos e conservantes tão usados na indústria alimentícia de grande escala.

Torta de peito de peru com cottage

Torta de peito de peru com cottage

1 1/2 col. sopa de margarina light
1 clara de ovo
3/4 de xíc. de chá de farinha de trigo integral
1 pitada de sal
50 g de peito de peru light
1/2 cebola cortada em rodelas
120 ml de leite desnatado
1 ovo
50 g de queijo cottage
10 g de queijo ralado
1 col. de sopa de salsinha
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Para preparar a massa, junte a farinha de trigo integral, a clara, a margarina light e uma pitada de sal. Misture bem com as mãos até formar uma massa homogênea. Unte uma forma refratária com um fio de azeite e forre o fundo e as laterais com a massa. Certifique-se de que ela está bem espalhada e a grossura dela está consistente na forma inteira.
Corte as fatias de peito de peru e arrume por cima da massa. Bata no liquidificador o leite desnatado, o ovo e o queijo cottage. Despeje o recheio por cima da massa e arrume as rodelas de cebola no topo. Salpique o queijo ralado, a salsinha e o sal e pimenta a gosto.
Leve ao forno pré-aquecido em 230˚C de 40 a 50 minutos ou até que esteja bem cozido. Sirva com uma saladinha para acompanhar.

Rende 2 porções.

Por ser um pouco demorada para preparar, esta torta realmente não seria uma boa opção para deixar para preparar depois de chegar em casa. Entretanto, ela é ótima para fazer um dia antes e deixar guardada na geladeira. Isso porque a torta não perde nenhum sabor nem qualidade quando guardada um ou dois dias antes de comer.

Outra vantagem desta receita é que ela permite variações de recheio de acordo com o gosto ou vontade de quem está preparando. Se quiser uma versão vegetariana, invista em legumes como tomate, cenoura ou abobrinha picadas. Na hora de fazer é só substituir o peito de peru com as verduras. Fica uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Atravesando o atlântico

Receita tipicamente brasileira, o escondidinho é outro que pode entrar para o rol de refeições de um prato só. A combinação de ingredientes como carne seca, legumes cozidos e purê de mandioca faz com que um almoço de escondidinho reúna proporções balanceadas de carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais.

Mas esta delícia não fica restrita à culinária do país. Tampouco dispensa variações deliciosas como a utilização de carne moída e purê de batata ou abóbora na sua composição. Inúmeros países têm sua própria versão de pratos como este com algum tipo de carne coberto por purê. A que trago para vocês saborearem hoje vem do outro lado do atlântico e fala outra língua: o inglês.

Shepherd’s pie (escondidinho inglês)

Escondidinho inglês

150 g de batatas descascadas e cortadas
30 ml de leite desnatado
1 col. de sopa de queijo parmesão ralado
100 g de carne moída
1 col. de sobremesa de orégano
1 dente de alho
50 g de vagem holandesa
50 g de couve-flor
3 milhinhos
1 col. de sopa de molho de tomate
1 col. de sobremesa de molho inglês
60 ml de caldo de carne
1 col. de sobremesa de amido de milho
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
para o purê de batata
Ferva 500 ml de água e cozinhe as batatas com um pouco de sal até ficarem macias (aproximadamente 20 minutos). Descarte a água. Numa tigela, junte as batatas com o leite e o queijo ralado. Amasse com um garfo e misture bem até formar um purê homogêneo.

para o recheio
Numa panela antiaderente, doure a carne moída temperada com sal e pimenta-do-reino juntamente com o dente de alho picado e o orégano de 5 a 6 minutos. Acrescente os vegetais picados e mexa cozinhando em fogo médio por mais alguns minutos até a carne ficar pronta. Adicione o molho de tomate e o molho inglês e misture bem para pegar todo o sabor. Dissolva o amido de milho no caldo de carne e despeje na panela mexendo sempre até engrossar (aproximadamente 1 minuto).

montagem
Despeje o recheio de carne e legumes numa forma refratária antiaderente. Por cima, arrume o purê de batata de forma que todo o recheio fique coberto. Leve ao forno baixo (180ºC) e asse por 40 minutos até dourar. Sirva imediatamente.

Shepherd's pie

Tradicionalmente feito com carne de ovelha, milho cozido, cenoura e ervilha, o prato aceita diversas pequenas modificações. Neste caso, optei por utilizar carne de boi moída por ser mais magra e mais fácil de encontrar nos supermercados. Além disso, troquei o milho cozido, a cenoura e a ervilha pelos outros vegetais que já tinha na minha geladeira.

Estas variações, inclusive, fazem parte da própria história deste prato que era preparado entre famílias de menor renda usando sobras de comida de dias anteriores. Isso porque na época (pleno século XIX) o consumo de comidas sofisticadas e o armazenamento de alimentos era algo caro e para poucos. Use a imaginação na hora de preparar esta receita e inclua uma variedade de cores e sabores que agradem o seu paladar.

Por hoje é só.

Bon appetit!

O doce sabor do natal

Nada melhor do que as festas de final de ano para relaxar um pouco e curtir a vida. São tantas delícias diferentes que aparecem apenas nesta época do ano que mal conseguimos escolher qual saborear. Se você é daqueles que não resiste a um doce, que tal maneirar nos pratos salgados e optar por aquela sobremesa especial para comer sem culpa?

Já se você prefere os salgados, pode (e deve) deixar-se deliciar com os salpicões e perus assados especiais. Neste caso, nada melhor do que uma sobremesa leve e pouco calórica para completar a noite. Confira esta receita super simples de fazer que fica linda numa mesa de natal e tem um sabor inigualável.

Torta de ricota com calda de damasco

Torta de ricota com calda de damasco

180 g de ricota fresca
400 ml de leite desnatado
4 col. de sopa de leite em pó desnatado
2 col. de chá de essência de baunilha
4 col. de sopa de adoçante para forno e fogão
4 ovos
10 damascos
200 ml de suco de pêssego light
nozes picadas para decorar

Modo de preparo:
Bata no liquidificador a ricota, os ovos, o leite em pó, o leite, o adoçante e a baunilha até ficar homogêneo. Disponha em uma assadeira de fundo removível, com 20 cm de diâmetro, untada com o mínimo possível de óleo. Asse em forno médio (200ºC), pré-aquecido, por cerca de 50 minutos, ou até que fique totalmente homogêneo.
Para a calda, cozinhe os damascos picados com o suco de pêssego por 20 minutos até que as frutas desmanchem bem, fiquem macias e a calda engrosse um pouco. Se quiser, acrescente 1 col. de chá de amido de milho para engrossar mais um pouco. Retire a torta do forno, deixe esfriar e regue com a calda. Sirva gelada, decorada com as nozes picadas.

A torta fica absurdamente leve e deliciosa. Como os damascos são docinhos naturalmente, a falta de açúcar substituído pelo adoçante na receita não faz nenhuma falta. Já as nozes picadas ajudam a dar um toque crocante e, por ser um ingrediente tipicamente natalino, decora a mesa de natal como ninguém.

O bom desta sobremesa é que a ricota aceita praticamente qualquer cobertura. Os damascos são ótimas opções para esta época do ano, mas é possível fazer caldas com as mais diversas frutas para regar a torta. Algumas sugestões incluem, frutas vermelhas para o inverno, goiaba para um toque à la Romeu e Julieta ou até abacaxi com hortelã para um quê mais exótico. Deixe sua imaginação voar e saboreie sem moderação. (Só dessa vez, ok?)

Por hoje é só.

Bon appetit!

Um doce de vez em quando não faz mal a ninguém

A receita de hoje não chega a ser saudável. Até porque nenhum doce é 100% “saudável” e deve realmente ser evitado quando se busca uma alimentação balanceada. Entretanto, sucumbir aos prazeres de um docinho eventualmente não mata ninguém.

Se você é como eu e não consegue resistir as maravilhas de uma boa sobremesa, vale optar pelas versões light com teor reduzido de gordura e açúcar. Assim, satisfazemos nossa vontade sem deixar que a extravagância pese na balança, na consciência e, principalmente, na busca por uma vida saudável.

Com isso, a receita de hoje é de sobremesa.

Torta de limão diet

Para a massa:
2 gemas
4 col. de sopa de adoçante para forno e fogão
4 col. de sopa (não muito cheias) de margarina light
10 col. de sopa de farinha de trigo
1 col. de sobremesa de fermento em pó
1 pitada de sal

Para o recheio:
2 receitas de leite condensado diet
100 ml de suco de limão recém espremido

Para a cobertura:
2 claras em neve
2 col. de sopa de adoçante para forno e fogão

Modo de preparo:
Para a massa, misture com as mãos todos os ingredientes numa vasilha até formar uma massa lisa. Em um refratário redondo untado com margarina light, abra a massa delicadamente com as mãos. Assegure-se de subir uns três dedos de massa em toda a borda do refratário. Fure a massa com um garfo e leve ao forno (180ºC) até dourar. O tempo varia de acordo com o forno, mas no meu caso ficou mais ou menos 10 minutos. Retire do forno e deixe esfriar.
Para o recheio, misture bem o leite condensado diet com o suco de limão com uma colher e coloque sobre a massa já em temperatura ambiente.
A cobertura na verdade é opcional. Como não sou muito fã de chantilly, acabei nem colocando. Mas para quem quer deixar o prato mais suculento, bata as claras em neve e acrescente o adoçante aos poucos. Coloque sobre o recheio e leve ao forno até dourar, em torno de 10 minutos com o forno em 200ºC.

Ok, mas aonde encontro leite condensado diet?

Em qualquer bom supermercado é possível achar várias marcas de leite condensado diet. Entretanto, prefiro as versões caseiras pois não contêm conservantes nem nada do tipo. Na vez que fiz esta torta, preparei o leite condensado em casa mesmo. Talvez valha a pena testar com os industrializados para ver se a receita fica boa, até porque eles economizam tempo se você estiver na correria.

Mas se você é que nem eu e gosta das coisas caseiras aqui vai. Procurando na internet é possível achar várias receitas de  leite condensado diet caseiro. A que eu usei é bem simples e deixou a torta super gostosa. Para uma receita bata no liquidificador 1 xic. de chá de leite em pó desnatado, 1/2 xic. de chá de adoçante para forno e fogão, 1 col. de sopa (não muito cheia) de margarina light e 1/4 xic. de chá de água fervendo. Atenção: é muito importante que a água esteja fervendo mesmo. Quanto mais quente, melhor. Deixe bater de 3 a 5 minutos. Depois, coloque na geladeira durante 30 minutos antes de utilizar no preparo do doce.

O bom desta torta é que fica deliciosa e não pesa muito na consciência ao comê-la. E se você não contar que ela é diet, ninguém vai perceber, prometo. Quando fiz, esperei todos provarem e confirmarem de que haviam adorado antes de contar que era sem açúcar. Ficaram chocados.

Da próxima vez que eu for prepará-la, já decidi que quero testar com farinha de trigo integral. Acho que não deve alterar em nada o gosto e as vantagens de usar ingredientes integrais são inúmeras. Mas essa história fica para uma outra hora.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Coisas que aprendi no livro de receitas

Confesso que não sou das pessoas mais criativas na cozinha. Na verdade, não sou muito criativa em nenhuma área da minha vida. Gosto de achar um modelo bacana e que funcione e sigo as instruções. Vez ou outra me aventuro e crio alguma novidade. Mas no geral prezo pelo resultado mais do que pela inovação.

Não é nenhum espanto, então, saber que procuro receitas para todas as comidas que preparo. Vai ser muito difícil me ver entrando numa cozinha na louca para juntar ingredientes aleatórios e fazer pratos incríveis.

Por isso, a minha receita de hoje na verdade não é nada minha. Achei num livro de culinária saudável da Lucilia Diniz, chamado Comer Light. Alias, esta não vai ser a única receita deste livro que pretendo compartilhar aqui com vocês. O livro é sensacional e tem muitas receitas super saborosas e fáceis de fazer. Recomendo.

A receita do dia é de um acompanhamento. Vamos lá.

Torta de vegetais em camadas

1 berinjela grande cortada em fatias
3 abobrinhas cortadas em fatias
2 cogumelos Portobello cortado em fatias (daqueles enormes, que um é o tamanho da palma da mão inteira)
2 tomates grandes em fatias
1 dente de alho picado
5 ramos de folhas de manjericão fresco picado
1 fatia de pão integral light triturado
sal e pimenta-do-reino a gosto
parmesão light ralado para polvilhar

Modo de preparo:
Tempere as fatias de berinjela e abobrinha com sal e pimenta-do-reino. Em uma frigideira antiaderente, grelhe em fogo médio a berinjela, a abobrinha e o cogumelo dos dois lados até ficarem macios. Cuidado para não deixá-los molengos demais, eles devem ficar um pouco al dente. Reserve.
Em uma assadeira comece a montar a torta. Faça uma camada com 1/2 da berinjela. Por cima, faça uma camada com metade da abobrinha. Repita o procedimento com o cogumelo e o tomate. Em seguida, espalhe o alho e o manjericão por cima do tomate. Polvilhe mais um pouco de sal e pimenta a gosto.
Repita os passos para formar uma segunda camada de cada vegetal. Guarde algumas fatias da abobrinha para a colocar como camada final. Por fim, distribua o pão triturado e o parmesão ralado para formar uma crostinha em cima das camadas da torta.
Leve ao forno preaquecido (200ºC) por cerca de 35 minutos ou até que os tomates estejam macios.

Rende 6 porções.

O bom desta torta é que serve de acompanhamento light para qualquer proteína. Por não ter muito carboidrato, é uma ótima opção também para o jantar.

Já preparei este prato duas vezes e em ambas as ocasiões foi um sucesso. Caso não encontre o cogumelo Portobello, vale usar também o Shitake, igualmente saboroso. Entretanto, sempre opte pela versão fresca. Os cogumelos secos ou em conserva não funcionam muito bem neste caso. Outra sugestão é incluir uma camada de cenoura em rodelas, também grelhadas previamente até ficarem macias.

Por hoje é só.

Bon appetit!