Alternativas crocantes

Além de hoje ser domingo, é páscoa! Com isso, não tinha outra possibilidade se não colocar uma receita deliciosa e absolutamente achocolatada. Afinal, PÁSCOA = CHOCOLATE! E para quem também se assustou profundamente com os preços dos ovos de páscoa este ano, não precisa ficar preocupado. Esta receita que trago hoje é bem mais barata, rende bastante e fica uma DELÍCIA!

Sempre quis me aventurar em receitas mais elaboradas que demandam um pouco mais de técnica e sofisticação. Como hoje é uma data comemorativa especial, resolvi unir o útil ao agradável e aproveitar a ocasião para testar meus dotes culinários mais a fundo. O resultado foi impressionante. E posso dizer com orgulho que deu tudo certo. Não poderia estar mais feliz.

Biscoito italiano “biscotti” de cacau com chocolate

Biscoito italiano "biscotti" de cacau com chocolate

1 1/2 xíc. de chá de farinha de trigo
1 xíc. de chá de açúcar
1/2 xíc. de chá de cacau em pó sem açúcar
1 col. de chá de pó de café instantâneo
50 g de chocolate meio amargo 70% cacau picado (ou gotinhas de chocolate meio amargo)
1/2 col. de chá de fermento em pó
1/2 col. de chá de bicarbonato de sódio
1/2 col. de chá de sal
1 col. de chá de essência de baunilha
2 ovos
1 clara

Modo de preparo:
Numa tigela, misture os primeiros 8 ingredientes (até o sal) e mexa delicadamente com uma colher até ficar homogêneo. Sempre que se prepara receitas com bicarbonato não se deve mexer demais para não perder sua elasticidade e poder de crescimento.
Em outra tigela, misture os ovos com a clara e a essência de baunilha. Mexa bem com um garfo até ficar bem homogêneo. Vá acrescentando a mistura dos ovos aos poucos aos ingredientes secos. Comece a misturar delicadamente com um batedor de ovo. Mexa bem, sempre com cuidado, até que tudo fique bem homogêneo. A mistura ficará bastante pegajosa. Caso seja necessário, ajude a mexer também com uma colher de pau.
Com as mão esfarinhadas, termine de misturar a massa e divida em duas partes iguais. Faça um rolo com uma das metades e achate levemente até ficar com aproximadamente 30 centímetros de comprimento e 1 centímetro de altura. Repita com a segunda metade da massa. Coloque para assar numa assadeira antiaderente coberta com papel manteiga untado com um pouco de óleo de canola ou azeite.
Asse em forno pré-aquecido em 175˚C por 22 minutos. Retire do forno e deixe esfriar durante 10 minutos numa superfície fria e lisa. Corte os rolos em biscoitos de aproximadamente 1 centímetro de largura. Arrume os biscoitos em pé na assadeira e volte ao forno agora em 165˚C e asse durante 15 minutos. Retire e deixe esfriar completamente. Sirva com café ou chá no lanche da tarde.

Rende 36 biscoitos.

Não vou mentir, a receita dá um pouco de trabalho, mas o gostinho de chocolate absurdamente crocante faz todo o esforço valer a pena. Tipicamente italiano, estes biscottis podem ser feitos de diversos sabores. Escolhi esta receita para testar hoje justamente por ser tema indispensável na páscoa.

E para quem ficou preocupado com os ingredientes nada light destes biscoitos acredite, eles são uma versão mais saudável do que outras receitas que encontrei por aí já que eles não levam óleo e têm bem pouca gordura na sua composição.

Mas como hoje é páscoa e é uma data especial, uma leve escapulida não faz mal a ninguém. Aproveite que estes biscoitos são feitos de chocolate amargo e possuem os benefícios do cacau em pó e saboreie junto com a família com gosto.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Hibridismos espetaculares

Mantendo a tradição, nada melhor do que um docinho espetacular para comemorar o fato de ser domingo. Não sou adepta da brincadeira do “1˚ de abril”, então não vou mentir. Esta receita não é light nem de baixa caloria. Mas em comparação com outros “pecados alimentares” ganha os benefícios de usar cacau em pó, açúcar mascavo e farinha de trigo integral. E vamos ser sinceros, um docinho de vez em quando é necessário, certo?

Para quem prefere doces mais açucarados (como a grande maioria da população brasileira já que nosso paladar tende mais para o doce) esta receita pode não apetecer muito. Entretanto, quem aprecia uma boa sobremesa à la chocolate meio amargo vai encantar-se com esta delícia.

Cookie-brownie de cacau

Cookie-brownie de cacau

1/2 xíc. de chá de farinha de trigo
1/2 xíc. de chá de farinha de trigo integral
1 col. de café de fermento em pó
1 pitada de sal
5 col. de sopa rasas de margarina light
7 col. de sopa rasas de cacau em pó sem açúcar
2/3 de xíc. de chá de açúcar
1/3 de xíc. de chá de açúcar mascavo
1/2 pote de iogurte natural desnatado
1 col. de chá de essência de baunilha

Modo de preparo:
Numa tigela, junte as farinhas, o fermento e a pitada de sal. Mexa bem com uma colher e reserve.
Em outra tigela, derreta levemente a margarina no microondas apenas para ficar um pouco mais líquida. Ela não deve derreter completamente nem ferver ou aquecer demais. Acrescente o cacau em pó, os açúcares, o iogurte e a essência de baunilha e misture bem até ficar completamente homogêneo.
Aos poucos, adicione a mistura de ingredientes secos e vá mexendo para incorporar completamente. Unte uma forma refratária com um pouco de margarina e coloque porções pequenas da massa até separar em 24 cookies. Asse em forno pré-aquecido a 180˚C de 10 a 12 minutos. Deixe esfriar e saboreie com uma caneca de café ou chá.

Rende 24 cookies.

Para quem é acostumado aos cookies tipicamente americanos, este vai parecer um pouco diferente. Por ter uma consistência diferente, acaba parecendo uma mistura híbrida de cookie e brownie o que, para mim, só aumenta as vantagens desta delícia.

Uma dica que tenho é moldar os cookie achatando-os para ficarem em formato redondo no momento em que estiver prepararando para assar. Isso porque estes cookies não derretem nem achatam enquanto estão assando. Ou seja, a maneira como estiverem colocados na forma será seu formato final. Aprendi isso na marra e é por isso que os meus não estão tão bonitos na foto. Mas o sabor, esse sim ficou simplesmente espetacular.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Combinações inusitadas

Adoro testar criações inusitadas. Melhor ainda quando o prato é uma combinação de algo super tradicional e conhecido com algo diferente que possa causar estranhamento num primeiro momento. Foi assim que achei esta receita de quibe de peixe que compartilho com vocês hoje.

À primeira vista pode parecer bizarra. Os puristas do quibe tradicional talvez até torçam o nariz para esta variação inusitada. Mas acredite, o quibe ficou absolutamente sensacional. O sabor é de quibe mesmo, muito por causa do trigo especial característico. Mas o saborzinho do salmão traz uma experiência completamente diferente. Vale a pena experimentar.

Quibe ao sabor do mar

Quibe ao sabor do mar

1/4 xíc. de trigo para quibe
200 g de salmão fresco
1/2 cebola
1 clara
1/2 pote de iogurte natural desnatado
1 col. de chá de mostarda
sal a gosto
margarina para untar

Modo de preparo:
Hidrate o trigo para quibe com 1 xíc. de chá de água e deixe por no mínimo 1 hora. Escorra e esprema bem para retirar toda a água. Reserve.
Num multiprocessador, junte a cebola picada, o salmão cortado em pedaços, o trigo hidratado, a clara, o iogurte e a mostarda. Triture com cuidado apenas até misturar bem. Cuidado para não triturar demais. Tempere com sal a gosto.
Unte uma forma refratária com um pouquinho de margarina light. Despeje a mistura e leve para assar em forno médio (200˚C) por 20 minutos ou até que um palito inserido no meio saia limpo. Sirva com saladinha verde.

Rende de 2 a 4 porções.

Sempre amei quibe. Por isso mesmo me encantei com esta receita desde a primeira vez que vi. Achei super interessante a ideia de poder “variar” do sabor do quibe que comeria. Depois de provar posso garantir que o prato ficou fantástico.

Com certeza existem outras variações e combinações para sabores inusitados deste clássico árabe. Estou curiosa para encontrar outras receitas e testá-las. Por enquanto, esta versão feita com salmão já entrou para a minha lista de jantares deliciosos e diferentes. Pretendo repeti-la várias vezes.

Por hoje é só.

Bon appetit!

A emoção da primeira vez

Confesso que algum tempo atrás tinha certa resistência em comer coisas cruas. Entretanto, depois que aprendi a comer sushi e me apaixonei perdidamente as coisas começaram a fluir naturalmente. O próximo passo lógico seria evoluir do quibe assado (que eu já adorava) para o quibe cru. Foi amor à primeira garfada.

A partir desse ponto não demorou muito eu já queria experimentar meus dotes culinários e preparar essa delícia em casa. E convenhamos, os bons restaurantes árabes que oferecem esse prato geralmente cobram caro por ele. Ou seja, nada melhor do que aprender para fazer em casa mesmo. E digo com absoluta convicção que ficou igualzinho ao dos restaurantes: sensacional!

Quibe cru

Quibe cru

150 g de filé mignon moído (ou outra carne magra de sua preferência)
60 g de trigo para quibe
2 col. de sopa de hortelã fresca picada
1/2 cebola picada
3 col. de sopa de cebolinha picada
1 limão tahiti
sal e pimenta-do-reino a gosto
folhas de hortelã para decorar

Modo de preparo:
Coloque o trigo para quibe numa tigela e cubra com água em temperatura ambiente. Deixe de molho durante duas horas. Depois, coe o trigo e esprema bem com as mãos para sair toda a água.
Em outra tigela, tempere a carne moída com sal e pimenta a gosto. Acrescente o trigo, a hortelã e metade da cebola picada. Misture bem com as mãos até ficar completamente homogêneo. Leve à geladeira por 30 minutos. Na hora de servir, arrume no prato com o restante da cebola picada, a cebolinha picada e decore com as folhas de hortelã. Regue com o suco de limão a gosto.

Enquanto procurava receitas de como fazer quibe achei algumas com detalhes diferentes. Por exemplo, alguns lugares falavam da necessidade de deixar o trigo de molho para depois espremê-lo antes de usar. Já outros diziam que esse passo era desnecessário e apenas falavam em lavar bem o trigo usando de 5 a 10 águas diferentes.

Como já tinha ouvido falar que era necessário deixar o trigo de molho, resolvi seguir a receita que falava para fazer isso. Deu super certo e ficou uma delícia. Não sei se fazendo do outro jeito também funciona, talvez valha a pena testar para saber. De qualquer maneira, nada melhor do que um receita simples e prática como esta para preparar num dia corrido das férias.

Por hoje é só.

Bon appetit!

A base para uma refeição deliciosa

As vezes não tem nada melhor do que tomar uma sopinha leve para acabar bem o dia. Super versáteis, os caldos caem bem em qualquer estação do ano e não só no inverno como muitos podem pensar. Há também algumas versões frias para degustar nos meses mais quentes do ano. Vale a pena pesquisar as inúmeras receitas para achar uma que agrade no momento adequado.

Mas a minha sugestão de hoje não é nada diferente nem fora do comum (como as sopas frias podem parecer). Super simples de fazer, a receita que preparei ficou uma delícia e cai super bem numa noite tranquila para ficar em casa lendo um bom livro ou vendo algum filme interessante na televisão. E por ser super leve, recomendo algumas torradas integrais e uma generosa salada para acompanhar. Garanto que vai ser satisfação na certa.

Sopa de espinafre light

Sopa de espinafre light

150 g de espinafre cortado em fatias finas
1 tablete de caldo de legumes
400 ml de água
200 ml de leite desnatado
1 col. de sopa rasa de farinha de trigo
noz-moscada a gosto

Modo de preparo:
Dissolva o caldo de legumes na água e leve ao fogo até ferver. Acrescente o espinafre e cozinhe em fogo baixo até que as folhas fiquem macias (aproximadamente 5 minutos). Dissolva a farinha no leite desnatado mexendo sempre para não “empelotar”. Junte ao caldo com o espinafre e cozinhe em fogo médio mexendo até engrossar (aproximadamente 5 minutos). Salpique noz-moscada a gosto por cima e sirva em seguida.

A sopa preparada com estes ingredientes já fica uma delícia e rende um prato generoso, mais do que suficiente para satisfazer – e bem – uma pessoa. Entretanto, é sempre possível incrementar ainda mais a preparação com alguns ingredientes à mais.

Uma opção é incluir outras folhas verdes além do espinafre para tornar a sopa ainda mais rica e saborosa. Que tal acrescentar 50 g de agrião e couve manteiga picados? Além de proporcionar mais nutrientes, estas folhas dão um gostinho amargo delicioso que combina muito bem com a noz-moscada salpicada no fim. Outra sugestão é colocar pedacinhos de peito de frango cortados em cubinhos para adicionar mais uma fonte de proteína ao prato.

A simplicidade desta sopa é seu maior trunfo já que ela pode ser consumida da maneira como está como também servir de base para sopas mais elaboradas e reforçadas. Use sua imaginação para incrementar a receita. O que mais você acrescentaria?

Por hoje é só.

Bon appetit!