Novidades reforçadas

Pouco conhecido no Brasil, o edamame, ou soja verde, faz parte da alimentação cotidiana na culinária japonesa. Muito por isso, também já foi bastante incorporada no dia a dia norte-americano. Riquíssima em proteína e fibras, é uma aliada fundamental para quem deseja manter uma alimentação saudável.

O edamame é encontrado normalmente congelado ainda na vagem e deve ser cozido em água fervente por alguns minutos. Depois, deve ser retirado da vagem e comido apenas o grão. Entretanto, também é possível encontrar a soja verde já retirada da vagem e congelada em pacotes de 300 g. O processo de cozimento é o mesmo, bastam 3 a 5 minutos na água fervente que está pronta para ser deliciada.

Succotash de edamame com milho verde

Succotash de edamame com milho verde

150 g de edamame congelado na vagem
100 g de milho verde congelado
1 col. de sobremesa de azeite
1/2 pimentão verde ou vermelho pequeno
1/2 cebola
1 dente de alho
15 ml de vinho branco
10 ml de vinagre de arroz
salsinha, cebolinha, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Cozinhe o edamame e o milho verde congelados em uma panela com água fervente por 3 a 5 minutos. Escorra bem e passe por água corrente para parar o cozimento. Retire a soja da vagem e reserve juntamente com o milho.
Aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio. Regue com um fio de azeite e refogue a cebola picada, o pimentão picado e o alho amassado. Mexa bem até começar a ficar macio. Acresente o milho, o edamame e o vinho branco. Refogue bem mexendo constantemente até evaporar quase todo o líquido para misturar todos os ingredientes.
Desligue o fogo e tempere com o vinagre de arroz e a salsinha, cebolinha, sal e pimenta a gosto. Sirva como acompanhamento de um grelhado de sua preferência.

Rende 2 porções.

São inúmeras as maneira de saborear o edamame. Esta receita encontrei num site de comidas norte-americanas e diz ser um prato típico desse país. Entretanto, também é possível comer o edamame como lanche da tarde apenas cozido na vagem e temperado com o pouco de sal. O importante é lembrar de retirar da vagem antes de comer.

Adorei esta mistura de edamame com milho. Fiz para saborear de duas maneiras. Na primeira noite comi como salada mesmo, apenas com estes ingredientes. Já na noite seguinte, aproveitei as sobras e grelhei camarões para acompanhar. O tempero do vinho branco misturado com o vinagre de arroz deu um toque divino à preparação simples e singela.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Atravesando o atlântico

Receita tipicamente brasileira, o escondidinho é outro que pode entrar para o rol de refeições de um prato só. A combinação de ingredientes como carne seca, legumes cozidos e purê de mandioca faz com que um almoço de escondidinho reúna proporções balanceadas de carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais.

Mas esta delícia não fica restrita à culinária do país. Tampouco dispensa variações deliciosas como a utilização de carne moída e purê de batata ou abóbora na sua composição. Inúmeros países têm sua própria versão de pratos como este com algum tipo de carne coberto por purê. A que trago para vocês saborearem hoje vem do outro lado do atlântico e fala outra língua: o inglês.

Shepherd’s pie (escondidinho inglês)

Escondidinho inglês

150 g de batatas descascadas e cortadas
30 ml de leite desnatado
1 col. de sopa de queijo parmesão ralado
100 g de carne moída
1 col. de sobremesa de orégano
1 dente de alho
50 g de vagem holandesa
50 g de couve-flor
3 milhinhos
1 col. de sopa de molho de tomate
1 col. de sobremesa de molho inglês
60 ml de caldo de carne
1 col. de sobremesa de amido de milho
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
para o purê de batata
Ferva 500 ml de água e cozinhe as batatas com um pouco de sal até ficarem macias (aproximadamente 20 minutos). Descarte a água. Numa tigela, junte as batatas com o leite e o queijo ralado. Amasse com um garfo e misture bem até formar um purê homogêneo.

para o recheio
Numa panela antiaderente, doure a carne moída temperada com sal e pimenta-do-reino juntamente com o dente de alho picado e o orégano de 5 a 6 minutos. Acrescente os vegetais picados e mexa cozinhando em fogo médio por mais alguns minutos até a carne ficar pronta. Adicione o molho de tomate e o molho inglês e misture bem para pegar todo o sabor. Dissolva o amido de milho no caldo de carne e despeje na panela mexendo sempre até engrossar (aproximadamente 1 minuto).

montagem
Despeje o recheio de carne e legumes numa forma refratária antiaderente. Por cima, arrume o purê de batata de forma que todo o recheio fique coberto. Leve ao forno baixo (180ºC) e asse por 40 minutos até dourar. Sirva imediatamente.

Shepherd's pie

Tradicionalmente feito com carne de ovelha, milho cozido, cenoura e ervilha, o prato aceita diversas pequenas modificações. Neste caso, optei por utilizar carne de boi moída por ser mais magra e mais fácil de encontrar nos supermercados. Além disso, troquei o milho cozido, a cenoura e a ervilha pelos outros vegetais que já tinha na minha geladeira.

Estas variações, inclusive, fazem parte da própria história deste prato que era preparado entre famílias de menor renda usando sobras de comida de dias anteriores. Isso porque na época (pleno século XIX) o consumo de comidas sofisticadas e o armazenamento de alimentos era algo caro e para poucos. Use a imaginação na hora de preparar esta receita e inclua uma variedade de cores e sabores que agradem o seu paladar.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Refeições de um prato só

Inspirada na culinária oriental, refeições de um prato só como esta que trago hoje são ótimas opções para facilitar a vida na hora de pensar no almoço. Até para quem come no trabalho esta dica funciona perfeitamente já que pode ser acomodada em apenas um taper-wear e armazenada na geladeira do escritório até chegar o horário do almoço.

O espaço reduzido para acomodar toda a comida força uma interação interessante dos ingredientes da receita. Apesar de ser possível comer uma coisa de cada vez, a mistura de sabores dentro da tigela traz uma combinação fantástica para o prato.

Rice bowl (tigelinha de arroz)

Rice bowl

1/2 xic. de chá de arroz integral cozido
1 filé de tilápia (130 g)
50 g de vagem holandesa
50 g de couve-flor
50 g de cenoura
1 col. de sopa vinagre de vinho branco
1 col. de sopa vinagre balsâmico
1/2 col. de sopa de missô vermelho
1/2 limão
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela pequena, misture o missô com os vinagres até formar um líquido homogêneo. Reserve. Cozinhe o arroz integral de acordo com as instruções indicadas. Reserve.
Lave bem as verduras. Corte a cenoura em rodelas e a couve-flor em floretes pequenos. Ferva 400 ml de água e escalde os legumes num escorredor. Despeje as verduras imediatamente num recipiente com água gelada e cubinhos de gelo. Reserve.
Para fazer o peixe, tempere com sal e pimenta a gosto. Esprema meio limão e leve ao forno médio (200ºC) pré-aquecido numa forma refratária por aproximadamente 25 minutos. Para montar o prato, coloque o arroz numa tigela e cubra com os vegetais e o filé de peixe em pedaços por cima. Por fim, regue com a mistura de missô e vinagre.

Esta forma de cozinhar os legumes pode parecer diferente, mas é muito utilizada também para preparar vegetais que são acrescentados a saladas. Além de reterem suas cores vibrantes, as verduras não perdem a textura crocante deliciosa e característica de quando são consumidos crus. Isso sem contar que escaldar os legumes ao invés de fervê-los é super rápido e fácil, o que ajuda e muito na hora de preparar a comida.

Pelo tamanho pequeno da tigela pode até parecer na foto que não tem arroz no prato. Mas acredite, ele está muito bem coberto e acaba sendo melhor temperado dessa maneira. Isso porque toda a mistura de missô com vinagre e vinagre balsâmico acaba escorrendo e embebedando o arroz que fica por baixo, uma ótima pedida para incrementar o que seria um arroz integral sem graça.

Por hoje é só.

Bon appetit!