Aprendendo coisas novas

Às vezes não há nada melhor do que uma receitinha simples e básica para complementar o almoço. As conservas são ótimas para preservar os legumes e vegetais fresquinhos por mais algum tempo, além de acrescentar um sabor delicioso à comida. E quando são feitas em casa ganham todo um gostinho especial.

Sempre tive vontade de fazer conservas caseiras, mais no sentido de aprender como são feitas do que para substituir as versões industrializadas que compro. Depois de provar esta, percebi que as conservas feitas em casa são bem mais saborosas do que as compradas prontas. Agora vou ter que comprar muitas verduras para aproveitar essa minha nova descoberta na cozinha.

Abobrinha em conserva

Abobrinha em conserva

360 ml de vinagre de arroz
300 g de abobrinha em rodelas finas
2 col. de sopa de açúcar
1 col. de sopa de sal
pimenta calabresa em flocos a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela, junte o vinagre de arroz com o sal e o açúcar. Mexa bem para incorporar tudo. Leve ao fogo baixo e aqueça, sem deixar ferver, mexendo constantemente por alguns minutos até dissolver o sal e o açúcar completamente. Você pode também levar ao micro-ondas por 30 segundo para terminar de dissolver os cristais.
Lave bem a abobrinha e jogue fora as pontas. Corte em rodelas finas, ou na espessura que preferir, e mergulhe na mistura de vinagre. Acrescente a pimenta calabresa em flocos a gosto e mexa certificando-se que todo o legume esteja coberto. Leve à geladeira por pelo menos 6 horas antes de servir.
A conserva pode ser guardada na geladeira por 5 dias.

Esta versão de conserva de abobrinha usou vinagre de arroz e pimenta calabresa em flocos para dar um toque oriental ao sabor final, mas você pode usar vinagre de vinho branco normal caso prefira. Como eu gosto muito do sabor do vinagre de arroz, achei esta versão da conserva super saborosa e não mudaria nada.

Vale ressaltar que esta conserva caseira fica com o sabor do vinagre bem ressaltado. As versões industrializadas usam mais sal e açúcar para suavizar o sabor, o que é uma opção caso você não goste muito do sabor forte do vinagre. De qualquer maneira, a versão caseira tem um gosto mais natural do que as compradas prontas, o que, para mim, é sempre uma vitória.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

O ilustre renegado

Pouco apreciado e sofredor de grande preconceito, o fígado de boi é uma carne bastante renegada. Isso se deve principalmente ao sabor bastante forte e característico que algumas pessoas não estão acostumadas a sentir. Entretanto, o fígado é uma das melhores fontes de ferro existentes na alimentação.

Justamente por isso, esta carne é a mais indicada para quem sofre com alguma deficiência deste mineral tão importante. Os principais grupos de risco são as mulheres grávidas e aquelas com princípios de anemia. Entretanto, vale ressaltar que o fígado possui índices bastante altos de colesterol. Por isso, seu consumo deve ser moderado, de uma a duas vezes por mês.

Picadinho de fígado

Picadinho de fígado

150 g de fígado de boi
1/2 cebola média
1 tomate pequeno
1/2 pimentão verde médio
1/2 cenoura pequena ralada
1 col. de sopa cheia de molho chimichurri
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Corte o fígado em pedaços pequenos e tempere com sal e pimenta a gosto. Reserve.
Pique a cebola, o tomate e o pimentão em pedacinhos. Numa panela antiaderente, refogue os legumes por alguns minutos até começarem a ficar macios. Acrescente a cenoura ralada e mexa mais um pouco. Coloque o fígado em pedaços e o molho chimichurri. Cozinhe mexendo de vez em quando até a carne ficar pronta (de 5 a 7 minutos). Sirva acompanhado de arroz integral ou purê de batata.

Uma maneira clássica de preparar fígado é em forma de bife levemente frito ou grelhado numa frigideira com cebola cortada em rodelas. Entretanto, esta maneira de preparo realça o sabor marcante do fígado e torna-o pouco apetitoso para aquelas pessoas que não apreciam muito seu sabor.

Cozinhando o fígado desta maneira em pedacinhos o sabor dele é suavizado. Além disso, os legumes picados e o molho chimichurri acrescentados dão um toque a mais na carne. O picante delicado presente no molho chimichurri, principalmente, ajuda a camuflar o gosto intenso do fígado fazendo com que todos os sabores do prato se juntem e formem uma mescla saborosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Simples e saboroso

Uma das fontes mais magras de proteína é o peito de frango. Clássico e protagonista de quase todas as dietas ou planos alimentares, pode tornar-se entediante ou sem graça quando ficamos só nele. Uma alternativa é aventurar-se por outros corte do frango como coxas e sobre coxas. Quando cozidos sem a pele, estas carnes também são uma ótima fonte de proteína magra para incluir na alimentação.

A pele presente nestes cortes cotem altos índices de gordura que, quando não retirada, acaba infiltrando-se na carne. Apesar de não perder o sabor quando cozida sem a pele, a coxa de frango pode ficar um pouco simples demais se feita pura. A solução? É só caprichar no molho. Este que testei hoje é super simples e suave e ficou uma delícia.

Coxa de frango ao limão com gengibre

Coxa de frango ao limão com gengibre

2 coxas de frango
suco de 1 limão siciliano
1 col. de sobremesa de raspas de limão
1/2 col. de chá de gengibre em pó
1 col. de sobremesa de mel
1/2 col. de sobremesa de shoyu light
1 col. de sobremesa de água
sal a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela, misture as raspas de limão com o gengibre e uma pitada de sal. Em outra tigela, junte o suco do limão, o mel, a água e o shoyu. Tempere as coxas de frango com a mistura de raspas de limão e gengibre. Massageie com as mãos para ter certeza de que as coxas estejam bem impregnadas com o tempero.
Aqueça uma frigideira antiaderente e coloque o frango. Deixe cozinhar por aproximadamente 5 minutos de cada lado até começar a dourar. Acrescente o molho, abaixe o fogo e cozinhe tampado por mais 5 minutos ou até que o frango esteja pronto e o molho tenha reduzido e caramelizado. Sirva acompanhado de legumes no vapor.

A receita pode parecer bem simples mas fica absolutamente deliciosa. Se o molho tiver reduzido demais e o frango não estiver cozido ainda, acrescente mais um pouco de limão e mel. Assim o tempero continua caramelizado e saboroso. Em último caso, coloque mais 1 col. de sopa de água para não secar completamente.

Este prato é ótimo para fazer num dia de semana corrido. Por não exigir nenhuma preparação sofisticada ou demorada, pode ser feito meia hora antes do horário do almoço sem correria. O sabor também não fica muito intenso, perfeito para quem prefere receitas mais suaves e delicadas.

Por hoje é só.

Bon appetit!