Saúde saborosa

Nada melhor do que uma segunda-feira para retomar aquela alimentação balanceada e saudável que deixamos escapar pelo caminho nos finais de semana. E começar com um franguinho cozido é simplesmente sensacional. Isso se ele for feito da maneira correta, claro.

Sim, porque não tem nada pior do que ter que comer peito de frango sem gosto todo dia só para não sair da dieta. Minha missão nesses muitos meses de blog que já acumulei sempre foi mostrar como é possível comer bem e saborear coisas deliciosas sem que elas sejam gordurosas e ultra calóricas. A receita de hoje é mais uma prova que só porque algo é saudável não quer dizer que seja sem graça ou sem gosto.

Frango ensopado com aspargo

Frango ensopado com aspargo

1 peito de frango
150 g de aspargo
1/2 lata de tomate pelado
50 g de cebola roxa picada
1 dente de alho amassado
60 ml de caldo de galinha
30 ml de vinho branco
azeite, sal, pimenta, tomilho e cominho a gosto

Modo de preparo:
Tempere o frango com sal e pimenta a gosto. Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola picada e o alho amassado até ficarem macios e aromáticos. Despeje o vinho e deixe refogar mais um pouco até evaporar completamente.
Junte meia lata de tomate pelado, o caldo de galinha, o tomilho e o cominho em pó a gosto. Deixe ferver e acrescente o peito de frango. Cozinhe por 15 minutos em fogo baixo mantendo uma leve fervura.
Quando estiver quase pronto, junte o aspargo fresco cortado em pedaços médios. Deixe mais 5 minutos até que o aspargo fique al dente. Sirva a seguir.

O melhor desta receita é a sua simplicidade absurda. Ela serve como coringa de qualquer dia ou noite corrida e com falta de inspiração. E apesar de ser super fácil e levar poucos ingredientes, se preparada e apresentada da maneira certa, ela serve perfeitamente para um jantar mais sofisticado.

Isso porque justamente sua simplicidade faz com que combine com qualquer acompanhamento. Se quiser fazer este prato para uma ocasião mais especial, aproveite para investir num risoto de limão siciliano que complementa muito bem o frango com aspargo. A combinação fica completa com uma bela taça de vinho e uma mousse de chocolate no fim.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

As delícias mais simples da vida

Todo mundo certamente já refogou uma carne moída básica para comer com arroz ou macarrão uma vez na vida. Certamente, também, esse dia foi um daqueles que você mal teve tempo de pensar em fazer algo que não fosse relacionado ao trabalho, quanto mais pensar em algo incrementado para servir no jantar.

Às vezes precisamos de muita inspiração para transformar algo simples e rápido numa refeição deliciosa e visualmente apetitosa. Já peguei ideias de vários lugares de como deixar um prato singelo mais bonito e sofisticado. Desta vez, peguei uma ideia básica e resolvi incrementar um pouquinho. O melhor é que não foi nada difícil.

Pimentão recheado

Pimentão recheado

400 g de pimentão verde (aprox. 2 unidades médias)
200 g de carne moída
100 g de cebola
2 dentes de alho
5 ml de azeite, sal, pimenta e cominho a gosto

Modo de preparo:
Corte cada pimentão ao meio e retire bem todo o miolo e as sementes. Se for preciso, retire um pouco de cada base para que ele consiga ficar em pé. Tenha cuidado para não retirar completamente a base do pimentão.
Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola picada e o alho amassado até começar a ficar aromático. Acrescente uma ou duas col. de chá de cominho em pó e mexa bem para incorporar todos os temperos.
Despeje a carne na panela e refogue até pegar uma cor e ficar no ponto desejado. Tempere com sal e pimenta a gosto e recheie as metades dos pimentões.
Arrume as metades dos pimentões numa travessa refratária e leve ao forno pré-aquecido em 23o˚C por 20 minutos ou até amolecer um pouco o pimentão sem perder a consistência nem ficar mole demais.
Este prato pode ser servido como acompanhamento de um risoto ou macarrão simples ou mesmo como prato principal de um grande banquete familiar.

Rende 2 porções.

Gostei desta receita pois ela pega algo super básico, a carne moída, e consegue dar uma sofisticada de leve nela sem demorar muito nem exigir muita técnica na cozinha. Além do toque mais que especial que o cominho em pó traz para qualquer receita, o fato de servir a carne moída dentro dos pimentões ajuda a incluirmos mais legumes variados na nossa alimentação diária.

Escolhi usar apenas o pimentão verde pois eram os mais bonitos do supermercado quando fui comprar. Dito isso, você pode usar qualquer variedade destes legumes tão saborosos ao preparar o prato. Aproveite ainda para usar uma variedade de cores. Assim, além de mais variado, seu prato fica ainda mais colorido e bonito.

Por hoje é só.

Bon appetit!

As vantagens da preparação caseira

Quem disse que uma alimentação saudável e balanceada não pode incluir delícias pecaminosas como um belo e suculento hambúrguer? O segredo está em escolher bem os ingredientes e as porções. Como sempre, o mais indicado é optar pela versão caseira, já que os encontrados prontos nas grandes redes de restaurantes são absurdamente enormes.

Outra vantagem de fazer seu próprio hambúrguer é poder escolher a carne usada. Os melhores cortes são os mais magros da carne bovina como a alcatra, coxão mole ou mesmo o macio filé mignon. Muitas receitas levam ovo e farelo de pão torrado para segurar os hambúrgueres, mas as mais gostosas são feitas exclusivamente com uma boa porção de carne, como esta que trago hoje.

Hambúrguer picante com conserva de cebola roxa

Hambúrguer picante com conserva de cebola roxa

Cebola:
50 g de cebola roxa
60 ml de vinagre de vinho branco
5 g de açúcar mascavo
1/4 de col. de chá de sal

Hambúrguer:
120 g de carne moída
azeite, sal, pimenta calabresa, cominho e coentro picado a gosto

Modo de preparo:
Corte a cebola roxa em rodelas finas. Coloque o vinagre, o açúcar e o sal numa tigela pequena. Mexa bem até dissolver por completo. Se preciso, leve ao micro-ondas por alguns segundos para ajudar a dissolver. Coloque a cebola na tigela e deixe em conserva por pelo menos 6 horas ou até 2 dias.
Para fazer o hambúrguer, junte a carne moída, com o coentro picado numa tigela. Tempere com sal, pimenta calabresa e cominho a gosto e misture bem para formar uma bola homogênea. Achate delicadamente até ficar em formato de hambúrguer. Coloque numa forma refratária antiaderente regada com um fio de azeite.
Leve para assar em forno pré-aquecido a 200˚C por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado. Sirva com a cebola roxa em conserva por cima.

Para quem está acostumado a comer os hambúrgueres dos restaurantes certamente vai achar o tamanho deste feito em casa bem pequeno. Mas repito: a quantidade da versão caseira é a mais indicada para manter uma alimentação balanceada sem exageros.

O fato desta receita usar apenas carne e dispensar o ovo e o pão torrado na preparação também influencia no tamanho final da porção. Ou seja, ele pode até parecer menor, mas a carne está bem mais concentrada o que faz do hambúrguer mais consistente. Isso sem contar com o sabor que, aliado ao coentro e ao cominho, ficou absolutamente divino!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Viajando pela gastronomia mundial

Devo confessar que não conheço muito da culinária grega. Alguns poucos pratos aqui e ali formam o mínimo de experiência que já tive com esta cozinha mediterrânea tão saborosa. Mas apesar disso, sempre procuro me aventurar por caminhos novos e desconhecidos.

Dia desses achei uma receita do tal de “moussaka”. Prato característico da culinária da Grécia, ele é uma espécie de lasanha à base de carne de carneiro com batata, berinjela e molho de tomate. Muito provavelmente a versão que encontrei e preparei não é a mais tradicional já que no nome dizia ser a versão “rápida”. Mas nem por isso deixou de ser uma experiência fantástica e nova.

Moussaka de carne

Moussaka de carne

1 batata pequena
100 g de coxão mole moído
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
1/2 lata de tomate pelado em cubos
60 ml de leite
1 clara
150 g de berinjela picada
1 col. de chá de canela em pó
1 col. de chá de noz moscada
2 col. de chá de cominho em pó
azeite, sal, orégano e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em 230˚C.
Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a carne e refogue até começar a dourar.
Tempere com sal, orégano, canela em pó, noz moscada, pimenta do reino e cominho em pó a gosto. Despeje metade da lata de tomate pelado em cubos e mexa bem para incorporar todos os temperos. Junte a berinjela picada e deixe ferver. Cozinhe em fogo médio mantendo uma leve fervura por 10 minutos ou até reduzir um pouco e a carne e a berinjela ficarem macias.
Unte uma forma refratária com um fio de azeite. Corte a batata em tiras bem finas com o auxílio de um cortador de legumes. Arrume uma primeira camada de batata no refratário e despeje a mistura de carne por cima. Acrescente o restante da batata formando uma outra camada.
Numa tigela, bata levemente com um garfo o leite e a clara até ficar homogêneo. Despeje por cima da mistura na forma refratária e leve para assar no forno pré-aquecido por 30 minutos ou até que o molho de leite fique firme. Sirva quente.

Moussaka enformado

Eu sei que esta não é a versão mais tradicional do prato típico grego só pelo fato de usar carne de vaca e não carneiro na composição. De qualquer maneira, prefiro usar essa já que é bem mais fácil de achar no supermercado. Mas apesar de não ser a versão “real”, meu mussaka de carne ficou absolutamente divino, principalmente pela mistura de temperos acrescentadas.

Sempre me divirto achando pratos de culinárias diferentes para testar. Posso até optar pelas versões mais simplificadas de receitas complicadas como esta, mas qualquer aventura no desconhecido precisa começar devagar. Com certeza irei tentar preparar a mais tradicional das mussakas num futuro próximo porque me encantei demais com o sabor deste prato.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Novidades inusitadas

Quem me acompanha desde o princípio do blog sabe que estou sempre à procura de receitas divertidas, diferentes e, mais importante, saudáveis. Às vezes é difícil achar uma combinação que inclua todos esses elementos, mas quando encontro preciso provar para ver se vale à pena.

Foi o que aconteceu com esta receita de hoje. Apesar de conhecer algo sobre a culinária mexicana, confesso que nunca tinha ouvido falar deste prato específico. Muito provavelmente isso se deve ao fato da minha experiência ser mais com a comida dita “tex-mex” que tem muita influência da culinária do sul dos Estados Unidos e que já virou uma mescla de tradições gastronômicas.

Puebla-style chicken mole

Puebla-style chicken mole

1 peito de frango
1 dente de alho amassado
50 g de cebola picada
120 ml de caldo de galinha
1/2 lata de tomate pelado
15 g de uva passa branca
1 col. de sopa rasa de cacau em pó
azeite, sal, pimenta calabresa, casca de laranja, cominho e canela a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho até ficarem macios. Salpique o cominho e a canela em pó a gosto e mexa bem para incorporar os temperos.
Derrame o caldo de galinha e acrescente a tira de casca de laranja, a uva passa e metade de uma lata de tomates pelados. Deixe ferver e coloque o peito de frango para cozinhar.
Quando o frango estiver cozido, retire e desfie com cuidado pois estará quente. Salpique o cacau em pó e mexa bem para não formar nenhuma bolinha e certificar-se de que está totalmente dissolvido.
Retorne o frango desfiado à panela e misture tudo para incorporar os sabores e ficar homogêneo. Deixe ferver por 10 a 15 minutos ou até reduzir bem. Sirva por cima de arroz ou macarrão e salpique pimenta calabresa a gosto.

O que mais me chamou a atenção nesta receita foi a lista de ingredientes. Nunca tinha pensado em colocar cacau em pó num prato que basicamente funciona como um molho de frango ótimo para acompanhar arroz, macarrão ou, como fiz no meu caso, polenta cremosa.

Aqui vale uma ressalva. A quantidade indicada dos ingredientes é exatamente a que estava na receita original. Quando fui provando o prato, à medida que cozinhava, achei que o sabor do cacau estava um pouco forte demais. Acabei acrescentando o restante da lata de tomates pelados para dar uma quebrada. No fim, achei o gosto sensacional. Se você adora experimentar coisas novas vale à pena com certeza! Mas vá com calma na hora de colocar o cacau em pó e não esqueça de ir provando o tempero para adequá-lo ao seu gosto.

Por hoje é só.

Bon appetit!

As deliciosas leguminosas

Para muitos brasileiros a ideia de não comer arroz e feijão diariamente no almoço parece loucura. Essa combinação, uma das mais saudáveis possíveis segundo inúmeros nutricionistas e médicos, já faz parte da rotina e tradição brasileira. Com isso, conseguimos ter em nossa alimentação a quantidade perfeita de leguminosas, tão essenciais para nossa saúde.

Entretanto, neste ponto eu não sou brasileira mesmo. Gosto do clássico arroz com feijão, mas confesso que não é dos meus pratos preferidos e certamente não está presente todos os dias na minha alimentação. Por isso, tive que encontrar outras maneiras de comer vegetais leguminosos e esta receita de hoje é a solução perfeita.

Ensopado de lentilha com edamame

Ensopado de lentilha com edamame

1/2 caixa de lentilha em conserva
100 g de edamame congelado
1/2 cebola roxa picada
1 dente de alho amassado
1/2 lata de tomate pelado
suco de 1 limão
azeite, salsinha, hortelã, cominho, canela, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Escorra a lentilha e passe por água corrente por alguns minutos para retirar o excesso de sal da conserva. Reserve numa tigela. Enquanto isso, ferva 300 ml de água e leve o edamame congelado para cozinhar assim que começar a ferver. Deixe por 2 minutos, escorra a água e passe por água gelada para parar o cozimento. Junte à lentilha reservada.
Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola picada e o alho amassado até ficarem aromáticos. Junte 1/2 lata de tomate pelado junto com o caldo e mexa bem para quebrar todos os pedaços de tomate que tiver. Deixe ferver, abaixe o fogo e acrescente a lentilha e o edamame reservado. Tempere com salsinha, hortelã, cominho, canela, sal e pimenta calabresa a gosto para que fique saboroso. Cozinhe mantendo uma leve fervura por mais 2 ou 3 minutos. Sirva com torradinhas integrais.

Na receita original havia sugestões de quantidades de cada tempero para acrescentar na hora do preparo. Entretanto, prefiro deixar “a gosto” pois entendo que cada pessoa tem paladares diferentes. E certamente a melhor parte de cozinhar é conseguir adequar a receita ao nosso gosto pessoal.

Entretanto, vale ir provando à medida que são adicionados os temperos. No meu caso, coloquei 1 col. de sopa cada de salsinha e hortelã picadas e 1 col. de chá de cominho e canela em pó. O sal e a pimenta calabresa foi de olho. No fim a combinação de temperos trouxe uma delicadeza e complexidade deliciosa ao prato. Não deixa de ser uma refeição perfeita para uma noite fresca de outono.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Uma deliciosa combinação de sabores

Peixes brancos e delicados como a tilápia podem ficar sem graça se preparados sem o devido amor e carinho necessários. Isso porque quando assados puros eles possuem um sabor muito suave e quase imperceptível. Incrementá-los com alguns temperos torna-se indispensável.

Ao mesmo tempo, essa característica especial desses peixes, ao contrário de outros mais marcantes como o salmão, o atum ou a sardinha, faz com que eles consigam incorporar uma imensidade de sabores e especiarias diferentes. Com isso, um simples filé de tilápia pode transformar-se na refeição que você desejar, basta escolher os temperos certos.

Tilápia cítrica agridoce

Tilápia cítrica agridoce

1 filé de tilápia médio
30 ml de suco de laranja fresco
15 ml de suco de limão fresco
1 col. de chá de açúcar mascavo
1 dente de alho
1 col. de sobremesa de azeite
1 col. de chá de shoyu light
1/2 col. de chá de cominho em pó
sal, pimenta e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Tempere a tilápia com sal e pimenta a gosto e arrume numa forma refratária antiaderente. Numa tigela, misture os sucos cítricos, o açúcar, o dente de alho amassado, o azeite, o shoyu e o cominho em pó. Mexa bem até ficar completamente dissolvido. Derrame a mistura por cima do peixe e deixe marinando por pelo menos 30 minutos.
Leve para assar em forno pré-aquecido em 200˚C por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado. Salpique pimenta calabresa moída por cima e sirva acompanhado de arroz sete grãos.

No fundo esta receita é bastante simples, todo o sabor vem da rápida marinada feita para o filé de tilápia. A combinação de sabores cítricos, doces e picantes traz uma complexidade fantástica e incorpora-se brilhantemente com a delicadeza do peixe. Além disso, a açúcar ajuda a caramelizar a tilápia enquanto está assado fazendo com que o sabor final fique simplesmente espetacular.

O bom desta marinada é que ela não funciona apenas para peixes. Experimente prepará-la para temperar um filé de peito de frango ou fatias de lombo de porco. De modo geral, qualquer carne branca que seja mais delicada irá incorporar muito bem a grande variedades de sabores presentes nesta receita. Fica uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!