A globalização da culinária

A globalização que vivemos hoje já atingiu tantos níveis da sociedade que não tinha como a gastronomia ficar de fora. Por um lado isso é ótimo já que permite que todos conheçam as diversas culinárias que existem no mundo. O problema é que com essa globalização inevitavelmente ocorrem também a generalização das comidas.

Explico: muitos pratos típicos de algumas regiões são alterados ou modificados levemente para adequar-se ao paladar do local em que são introduzidos. Com isso, corre-se o risco de várias comidas, teoricamente diferentes, acabarem ficando com sabor extremamente parecido.

Bife mongol

Bife mongol

10 ml de shoyu
1/2 col. de sopa de açúcar
1/2 col. de sopa de maizena
1 col. de chá de molho de ostra
1 col. de chá de vinagre de arroz
1 col. de chá de curry vermelho
100 g de filé mignon
200 g de abobrinha
10 g de cebolinha
1 dente de alho
azeite, gengibre, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela pequena, junte o shoyu, o açúcar, a maizena, o molho de ostra, o vinagre de arroz e o curry vermelho até que fique bem homogêneo. Reserve.
Aqueça uma panela wok antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue o dente de alho amassado até que fique aromático. Acrescente a abobrinha cortada em tirinhas e refogue por 2 minutos até começar a amolecer. Acrescente a carne cortada em tiras e refogue por alguns minutos até que fique quase no ponto.
Junte a cebolinha cortada também em tirinhas, salpique com gengibre em pó e sal a gosto e mexa mais um pouco. Derrame o molho reservado e a pimenta calabresa a gosto. Termine de mexer até o molho encorpar levemente e a carne atingir o ponto desejado. Sirva com arroz integral ou jasmim.

Muitos já devem ter achado que as comidas de países asiáticos como a China, Tailândia, Indonésia e Vietnã são todas iguais. A verdade é que elas possuem verdadeiras semelhanças, até pela proximidade dos países o que acaba resultando numa familiaridade entre os ingredientes usados.

Apesar disso, todas essas culinárias possuem toques diferentes e quando são apreciadas da maneira original podem ser identificadas pelo que realmente são. A receita de hoje trás toques especiais da Mongólia, mas certamente a receita que testei não deixa de ter também elementos dessa culinária “globalizada”. Acho que para comer um bife mongol de verdade só mesmo indo visitar a Mongólia. Quem sabe um dia, não é?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

Mil e um sabores

Tem dias que o que mais queremos é um belo prato de comida simples e sem complicações. Com a correria do dia a dia fica difícil preparar comidas elaboradas regularmente. Para isso, tenho guardado na gaveta uma lista de refeições express que posso preparar em menos de 30 minutos quando chego em casa no fim do dia.

Uma das vantagens de ter uma despensa bem estocada é poder elaborar até os pratos mais simples. Quando viajei para Buenos Aires alguns meses atrás, fiz questão de comprar uma generosa dose de molho chimichurri para ter sempre à mão. Assim, sempre que quero algo saborosamente picante sem ter muito trabalho, é só acrescentar e me deliciar com o sabor.

Filé ao molho chimichurri

Filé ao molho chimichurri

1 medalhão de filé mignon
2 col. de sopa de molho chimichurri
sal a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno a 210˚C. Tempere o filé com sal a gosto e arrume numa forma refratária antiaderente. Espalhe o molho chimichurri por cima da carne e leve para assar por 22 a 25 minutos ou até atingir o ponto desejado. Sirva com arroz integral e legumes cozidos.

Muito utilizado na culinária argentina, o molho chimichurri nada mais é do que uma mistura deliciosa de temperos e ervas aromáticas. A combinação dos diversos ingredientes faz deste molho um ótimo companheiro para qualquer carne, especialmente os filés assados.

Certamente a praticidade de comprar o molho pronto facilita e muito a vida. Mas para quem quiser se aventurar ainda mais na cozinha é possível preparar um belo chimichurri bem caseiro. Basta misturar os seguintes ingredientes: salsinha, alho, cebola, tomilho, orégano, pimenta calabresa moída, pimentão vermelho, pimenta do reino, louro, mostarda em pó, salsão, vinagre e azeite. Dá água na boca só de pensar, não é mesmo?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Viajando pela gastronomia mundial

Devo confessar que não conheço muito da culinária grega. Alguns poucos pratos aqui e ali formam o mínimo de experiência que já tive com esta cozinha mediterrânea tão saborosa. Mas apesar disso, sempre procuro me aventurar por caminhos novos e desconhecidos.

Dia desses achei uma receita do tal de “moussaka”. Prato característico da culinária da Grécia, ele é uma espécie de lasanha à base de carne de carneiro com batata, berinjela e molho de tomate. Muito provavelmente a versão que encontrei e preparei não é a mais tradicional já que no nome dizia ser a versão “rápida”. Mas nem por isso deixou de ser uma experiência fantástica e nova.

Moussaka de carne

Moussaka de carne

1 batata pequena
100 g de coxão mole moído
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
1/2 lata de tomate pelado em cubos
60 ml de leite
1 clara
150 g de berinjela picada
1 col. de chá de canela em pó
1 col. de chá de noz moscada
2 col. de chá de cominho em pó
azeite, sal, orégano e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em 230˚C.
Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a carne e refogue até começar a dourar.
Tempere com sal, orégano, canela em pó, noz moscada, pimenta do reino e cominho em pó a gosto. Despeje metade da lata de tomate pelado em cubos e mexa bem para incorporar todos os temperos. Junte a berinjela picada e deixe ferver. Cozinhe em fogo médio mantendo uma leve fervura por 10 minutos ou até reduzir um pouco e a carne e a berinjela ficarem macias.
Unte uma forma refratária com um fio de azeite. Corte a batata em tiras bem finas com o auxílio de um cortador de legumes. Arrume uma primeira camada de batata no refratário e despeje a mistura de carne por cima. Acrescente o restante da batata formando uma outra camada.
Numa tigela, bata levemente com um garfo o leite e a clara até ficar homogêneo. Despeje por cima da mistura na forma refratária e leve para assar no forno pré-aquecido por 30 minutos ou até que o molho de leite fique firme. Sirva quente.

Moussaka enformado

Eu sei que esta não é a versão mais tradicional do prato típico grego só pelo fato de usar carne de vaca e não carneiro na composição. De qualquer maneira, prefiro usar essa já que é bem mais fácil de achar no supermercado. Mas apesar de não ser a versão “real”, meu mussaka de carne ficou absolutamente divino, principalmente pela mistura de temperos acrescentadas.

Sempre me divirto achando pratos de culinárias diferentes para testar. Posso até optar pelas versões mais simplificadas de receitas complicadas como esta, mas qualquer aventura no desconhecido precisa começar devagar. Com certeza irei tentar preparar a mais tradicional das mussakas num futuro próximo porque me encantei demais com o sabor deste prato.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Aquele toque especial

Convenhamos, um belo medalhão de filé mignon já é absolutamente sensacional sozinho. Ainda mais se for assado da maneira correta para ficar tostadinho por fora e perfeitamente rosa por dentro. Absurdamente macio, o filé mignon é considerado por muitos o corte mais nobre de carne vermelha. Eu concordo plenamente.

Por ser tão saboroso, apesar da baixa quantidade de gordura que tem (o que não deixa de ser uma vantagem para quem quer manter uma alimentação saudável), às vezes um simples molho caseiro já é suficiente para completar o prato do filé. Hoje trago para vocês uma adaptação que fiz de um molho originalmente sugerido para comer com nuggets de frango. Ficou divino.

Filé mignon ao molho de amora com mostarda e mel

Filé mignon ao molho de amora com mostarda e mel

1 medalhão médio de filé mignon
100 g de amora congelada
1 col. de chá de mel
1 col. de sopa de mostarda
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo:
Tempere a carne com sal e pimenta do reino moída na hora a gosto. Pré-aqueça o forno em 200˚C e leve o filé para assar por 25 minutos, ou até atingir o ponto desejado. É importante deixar o filé já temperado em temperatura ambiente por pelo menos 20 minutos antes de colocar para assar. Assim, ele irá cozinhar de maneira uniforme e não apenas dourar por fora permanecendo cru por dentro.
Enquanto isso, coloque as amoras numa tigela e deixe em temperatura ambiente por 10 a 15 minutos para que comece a descongelar. Quando estiver mais maleável acrescente o mel e a mostarda e mexa com cuidado para incorporar todos os ingredientes.
Cinco minutos antes da carne ficar pronta, retire do forno e despeje o molho por cima. Retorne o filé para terminar de assar. Sirva com legumes grelhados ou cozidos no vapor.

A verdade é que esta quantidade de molho é mais do que suficiente para servir 2 pessoas. Entretanto, como adoro amoras e por ter achado a combinação tão deliciosa, acabei comendo todo ele com o único medalhão de filé que preparei. Por isso que na foto parece que a carne foi devorada pelo molho.

A simplicidade deste prato faz dele uma ótima opção para um almoço ou jantar corrido no meio da semana. Além disso, é possível brincar com outros sabores e criar novos molhos. Que tal experimentar trocar as amoras por outras frutas como mirtílos ou framboesas? Certamente elas trarão uma dimensão de sabor tão gostosa quanto a original.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Jantar sem complicações

Depois da comemoração de ontem pelos nove meses de blog, estou de volta com outra receita super prática para continuar no clima da correria da semana. Este prato requer um pouco de preparo prévio, mas na hora de cozinhar ele fica pronto em menos de 10 minutos. Perfeito para um jantar express depois de um dia longo no trabalho.

O clássico salteado oriental preparado na panela wok admite uma infinidade de combinações de ingredientes. Às vezes me divirto pegando a primeira coisa que vejo na geladeira para criar pratos novos. O segredo é escolher uma boa dose de legumes crocantes, uma fonte de proteína gostosa e um molho básico para arrematar. Esta versão que criei ficou especialmente gostosa.

Salteado simples de carne com vegetais

Salteado simples de carne com vegetais

100 g de coxão mole
100 g de vagem
100 g de pimentão
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
1 col. de sopa de cebolinha picada
10 ml de shoyu light
30 ml de caldo de galinha
15 ml de molho de ostra oriental
5 ml de vinagre de arroz
1 col. de chá de maizena
azeite e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Corte a carne, a vagem e o pimentão em tiras finas e reserve. Pique a cebola e o alho. Numa tigela, misture o shoyu, o caldo de galinha, o molho de ostra, o vinagre e a maizena. Mexa bem até ficar completamente homogêneo.
Aqueça uma frigideira wok em fogo médio e regue com um fio de azeite. Comece refogando a cebola e o alho até ficarem macios. Acrescente a carne e mexa constantemente até começar a dourar. Por fim, junte a vagem e o pimentão e continue mexendo até que tudo esteja cozido mas ainda al dente.
Derrame o molho e mexa até engrossar um pouco (aprox. 3 minutos). Sirva acompanhado de arroz branco ou integral e salpicado com a cebolinha picada e a pimenta calabresa.

O mais importante para lembrar quando estamos preparando salteados deste estilo na wok é deixar todos os ingredientes pré prontos e cortados e deixar o molho pronto numa tigela. Todos este passos são essenciais já que depois que começa o processo de cozimento dos alimentos, o tempo total de preparo não passa de 10 minutos. Tudo fica pronto super rápido.

Com certeza este não será o último salteado oriental que irei preparar na vida. Realmente adoro esta receita já que ela permite várias substituições e funciona muito bem num dia corrido. Quando sei que vou chegar em casa tarde à noite, já deixo os ingredientes pré cortados e guardados na geladeira. Assim, depois de chegar em casa meu jantar fica pronto num flash. E fica absolutamente delicioso.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Novos patamares de sabor

Depois que entrei na onda de comer peixe cru e outras delícia da culinária japonesa começou a me dar vontade de experimentar outras iguarias geralmente preparadas sem cozimento. Já tinha provado o ceviche peruano e o kibe cru árabe e me apaixonado. Então, pensei que havia chegado a hora de navegar pelas ondas francesas e testar o famoso steak tartare.

À primeira vista confesso que este prato não parece lá muito apetitoso. A carne utilizada não chega a ser moída, como no caso do kibe cru, e ainda é misturada com gema de ovo crua e molho inglês para dar sabor. Pode parecer uma mistura extremamente bizarra de ingredientes, mas não é que no final da certo? Testado e aprovado!

Steak tartare

Steak tartare

100 g de filé mignon
1/2 gema de ovo
1 col. de chá de alcaparra picada
50 g cebola roxa bem picada
1 col. de chá de molho inglês
1 col. de chá de mostarda Dijon
1 col. de chá de vinagre balsâmico
1 col. de chá de azeite
salsinha, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pique bem a carne com a ponta da faca até que fique praticamente moída à mão. Numa tigela, misture a carne com os demais ingredientes e tempere com salsinha, sal e pimenta a gosto. Prove e adéque os temperos como preferir. Sirva acompanhado das clássicas batatas chips, de preferências assadas na hora em casa.

Todos já devem saber mas não custa nada repetir: é preciso ter muito cuidado ao consumir produtos como carnes e ovos crus. Certifique-se que seu açougueiro é de confiança e exija sempre a carne mais fresca do dia. O mesmo vale para os ovos. Não utilize aqueles guardados há algum tempo na geladeira, dê preferência para os mais frescos que tiver.

Não vou mentir, o sabor é bem diferente e requer um pouco de tempo para acostumar-se. Mas depois de relaxar e abstrair o que realmente há no prato é possível perceber a complexidade dos sabores presentes. Para manter a refeição saudável, não opte pelas batatas fritas servidas geralmente de acompanhamento. Espere que amanhã ensino como fiz chips de batata doce que comi junto do steak tartare e que ficaram absolutamente divinas!

Por hoje é só.

Bon appetit!

As maravilhas das frutas frescas

Ultimamente tenho adorado passear pelo mundo dos molhos à base de frutas. Além de trazerem um toque adocicado delicioso elas deixam os pratos super saborosos sem carregá-los demais. E não há nada mais refrescante do que saborear uma refeição leve e deliciosa, não é mesmo?

A versatilidade das frutas é incrível já que além de serem uma ótima base para molhos cremosos também funcionam muito bem como salsas fresquinhas e deliciosas. Esta outra receita que publiquei há algumas semanas mostra bem como um mesmo ingrediente pode ser usado em preparações completamente diferentes. Ambas ficaram uma delícia.

Filé mignon ao barbecue de ameixa preta

Filé mignon ao barbecue de ameixa preta

1 medalhão de filé mignon
1 ameixa preta média
50 g de cebola picada
1 dente de alho picado
1 col. de sopa de mel
1 col. de sopa de vinagre de arroz
1 col. de sopa de ketchup
1 col. de sopa de mostarda forte
1 col. de chá de shoyu light
1 col. de café de gengibre em pó
1 anis estrelado
1 cravo da índia
azeite, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Primeiro prepare o filé. Tempere com sal e pimenta a gosto e leve para assar em forno pré-aquecido a 200˚C por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado.
Enquanto o filé assa, prepare o molho. Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho picados por alguns minutos até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a ameixa cortada em cubos e mexa para começar a cozinhar.
Junte os demais ingredientes e coloque na panela. Mexa bem para que tudo fique incorporado. Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe por 10 minutos mantendo uma leve fervura até que a ameixa fique bem macia e o molho engrosse um pouco.
Retire o filé do forno e despeje o molho por cima. Retorne ao forno e asse por mais 5 minutos. Sirva em seguida acompanhado de arroz selvagem e legumes no vapor.

A receita original sugeria servir este molho por cima de lombo de porco assado. Entretanto, como tinha este suculento filé mignon em casa resolvi preparar com a carne mesmo. O sabor agridoce ficou super saboroso e com certeza combinaria muito bem com carne de porco ou até um carré de cordeiro assado.

De modo geral, molhos à base de frutas são perfeitos para qualquer tipo de carne. As salsas frescas servidas frias combinam melhor com carnes brancas como peixes e frangos. Já os molhos mais elaborados e cozidos, como este de hoje, são ótimos para carnes mais marcantes e pesadas. De qualquer maneira, acrescentar frutas aos pratos principais transforma as refeições em experiências deliciosas.

Por hoje é só.

Bon appetit!