Criações diferentes

A receita de hoje surgiu de duas curiosidades e vontades minhas. A primeira era que sempre quis provar tomates cereja amarelos. Já tinha visto eles sendo usado em receitas de programas de culinária estrangeiros mas nunca tinha encontrado para vender aqui. Quando achei, tive que inventar qualquer coisa para poder usá-los.

A segunda foi uma latinha de salmão em conserva com molho oriental que descobri dia desses no supermercado. Já havia experimentado esses filés de salmão enlatados novos que surgiram e achado deliciosos. Quando vi que agora tinha uns na versão com molho oriental tive que provar. E só digo uma coisa: eles são fantásticos! Ainda mais nesta minha receita mistureba que criei para homenageá-los.

Salada de lentilha com salmão oriental e pepino crocante

Salada de lentilha com salmão oriental e pepino crocante

Mix de folhas verdes
1 latinha de salmão ao molho oriental
1/2 caixa de lentilha em conserva
125 g de beterraba cozida no vapor
100 g de tomate cereja bicolor
100 g de pepino
5 ml de azeite
5 ml de vinagre balsâmico

Modo de preparo:
Arrume o mix de folhas verdes para fazer a base de um prato grande. No centro, comece arrumando a beterraba cozida e cortada em cubinhos. Depois coloque o pepino cortado por cima e em volta da beterraba.
Posicione os tomates cereja vermelhos e amarelos ao redor do prato. Coloque a lentilha já escorrida e lavada no centro e arrume os filés de salmão de maneira decorativa por cima de tudo. Tempere com o azeite e o vinagre balsâmico. Saboreie com torradinhas integrais crocantes.

Apesar de levar quase exclusivamente ingredientes em conserva ou enlatados, esta salada não deixa de ser absolutamente saudável e deliciosa. Unindo ingredientes pré-prontos que agilizam a vida de qualquer um na cozinha é possível comer bem e com prazer sem ter que se preocupar muito em preparar refeições muito elaboradas.

Achei fantástica a combinação das lentilhas com o salmão oriental. Os sabores se complementaram muito bem e receberam a neutralidade suave da beterraba e do pepino crocante. Minha curiosidade em experimentar tomates cereja amarelos também não ficou decepcionada. Apesar de bastante parecidos com os vermelhos, esses pequeninos amarelos têm um quê de diferente que só provando para entender bem.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Novas dimensões de sabor

Muitas pessoas reclamam que quando estão de dieta a única fonte de proteína que podem comer é peito de frango já que é uma das mais magras que existem. A falta de opção e a pouca quantidade de gordura dessa carne pode torná-la algo realmente sem gosto e sem graça.

Mas eu sempre acreditei que é possível fazer coisas saborosas na cozinha independente da matéria prima utilizada. No caso do peito de frango realmente o segredo está na maneira de temperá-lo. Usando os ingredientes corretos é possível transformá-lo em algo delicioso e diferente. É o melhor: sem ter o menor trabalho.

Peito de frango à marinada balsâmica

Peito de frango à marinada balsâmica

1 peito de frango
30 ml de azeite
30 ml de vinagre balsâmico
1 dente de alho amassado
1 col. de sopa de tempero misto em pó a gosto

Modo de preparo:
Junte o azeite, o vinagre e o tempero num saquinho de plástico. Acrescente o dente de alho amassado e o peito de frango. Feche e mexa bastante com os dedos para que todo o frango fique coberto com a marinada. Deixe marinando na geladeira por pelo menos 1 hora, ou até 5 horas, antes de grelhar.
Aqueça uma grelha elétrica em fogo alto. Quanto estiver quente, reduza o fogo para médio e coloque o peito de frango para grelhar descartando a marinada. Grelhe de 5 a 7 minutos virando uma vez ou até atingir o ponto desejado. Sirva com arroz integral e legumes grelhados ou cozidos no vapor.

Absurdamente simples, esta marinada ficou uma verdadeira delícia quando preparei. O leve toque agridoce do vinagre balsâmico ajuda a dar novas dimensões de sabor ao peito de frango realmente sem graça. No caso do tempero misto em pó vale usar qualquer uma dessas misturas que já vem prontas.

Quando preparei este prato, utilizei um tempero chamado “creole” que leva páprica doce, sal, pimenta do reino, cebola, pimenta malagueta, orégano e tomilho. Caso prefira, também é possível acrescentar todos esses temperos separadamente na marinada mas isso levaria mais tempo e daria mais trabalho. O bom deste prato é justamente a facilidade e praticidade que traz às refeições do dia a dia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Novos patamares de sabor

Depois que entrei na onda de comer peixe cru e outras delícia da culinária japonesa começou a me dar vontade de experimentar outras iguarias geralmente preparadas sem cozimento. Já tinha provado o ceviche peruano e o kibe cru árabe e me apaixonado. Então, pensei que havia chegado a hora de navegar pelas ondas francesas e testar o famoso steak tartare.

À primeira vista confesso que este prato não parece lá muito apetitoso. A carne utilizada não chega a ser moída, como no caso do kibe cru, e ainda é misturada com gema de ovo crua e molho inglês para dar sabor. Pode parecer uma mistura extremamente bizarra de ingredientes, mas não é que no final da certo? Testado e aprovado!

Steak tartare

Steak tartare

100 g de filé mignon
1/2 gema de ovo
1 col. de chá de alcaparra picada
50 g cebola roxa bem picada
1 col. de chá de molho inglês
1 col. de chá de mostarda Dijon
1 col. de chá de vinagre balsâmico
1 col. de chá de azeite
salsinha, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pique bem a carne com a ponta da faca até que fique praticamente moída à mão. Numa tigela, misture a carne com os demais ingredientes e tempere com salsinha, sal e pimenta a gosto. Prove e adéque os temperos como preferir. Sirva acompanhado das clássicas batatas chips, de preferências assadas na hora em casa.

Todos já devem saber mas não custa nada repetir: é preciso ter muito cuidado ao consumir produtos como carnes e ovos crus. Certifique-se que seu açougueiro é de confiança e exija sempre a carne mais fresca do dia. O mesmo vale para os ovos. Não utilize aqueles guardados há algum tempo na geladeira, dê preferência para os mais frescos que tiver.

Não vou mentir, o sabor é bem diferente e requer um pouco de tempo para acostumar-se. Mas depois de relaxar e abstrair o que realmente há no prato é possível perceber a complexidade dos sabores presentes. Para manter a refeição saudável, não opte pelas batatas fritas servidas geralmente de acompanhamento. Espere que amanhã ensino como fiz chips de batata doce que comi junto do steak tartare e que ficaram absolutamente divinas!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Uma releitura dos clássicos

Ratatouille é um prato típico da cozinha francesa. Feito com uma variedade de vegetais cozidos numa panela funda, ele fica perfeito como acompanhamento para todo tipo de carne ou prato principal de um sofisticado almoço ou jantar. Fácil de fazer, o ratatouille é tão conhecido que virou até nome de um filme de desenho animado bastante premiado.

A dica que trago hoje não é a receita do típico ratatouille mas usando os mesmos ingredientes da base podemos fazer adaptações para transformar outros pratos em combinações deliciosas. Para os puristas esta receita pode parecer um sacrilégio, mas para mim ficou uma delícia e conseguiu manter a essência do delicioso ratatouille.

Ratatouille de frango grelhado

Ratatouille de frango grelhado

1 peito de frango
100 g de abobrinha
100 g de berinjela
100 g de tomate
50 g de cebola
100 g de pimentão verde
1 col. de sobremesa de azeite
1 col. de sobremesa de vinagre balsâmico
sal, pimenta, manjericão e manjerona a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça uma grelha elétrica em temperatura alta. Numa tigela, misture o azeite, o vinagre balsâmico e as ervas picadas até ficarem bem homogêneas. Tempere com sal e pimenta a gosto. Corte os vegetais em rodelas médias e unte generosamente com a mistura de temperos até cobrir tudo. Derrame o restante do molho por cima do frango para temperar por completo.
Posicione primeiro o peito de frango na grelha e deixe cozinhar por 10 minutos virando de vez em quando. Depois, coloque o pimentão e a abobrinha na grelha. Grelhe de 5 a 7 minutos virando de vez em quando até ficarem macios. Acrescente a berinjela e a cebola e grelhe por 5 minutos. Por fim, coloque o tomate e deixe apenas 2 ou 3 minutos.
Sirva em seguida acompanhado de arroz selvagem.

O bom desta receita é a simplicidade e rapidez com que fica pronta. Perfeito para um dia quente de verão, nada impede que seja feito também em dias frios ou chuvosos como os que temos tido nas últimas semanas. Outra vantagem deste prato é que inclui uma variedade deliciosa de vegetais super saudáveis e indispensáveis para nossa alimentação.

Os ingredientes clássicos do ratatouille são a cebola, a berinjela e a abobrinha. Entretanto, o acréscimo do tomate e do pimentão ajuda a completar a miscelânea de cores do prato. Você também pode escolher outros caso prefira, como a cenoura, batata ou mandioquinha. O importante é ter a maior variedade possível.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Em busca do molho perfeito

Um dos cortes mais nobres de carne vermelha, o filé mignon saboreado sozinho, apenas temperado com uma pitada de sal e pimenta do reino moída na hora, já é suficiente para fazer uma refeição absolutamente deliciosa. Entretanto, o sabor suave e suculento deste corte também permite uma imensidade de molhos como acompanhamento.

Para deixar seu prato mais sofisticado, vale experimentar com diversas possibilidades de ingredientes para criar vários molhos saborosos. Cada vez que escolho preparar um filé mignon para meu almoço gosto de procurar um acompanhamento diferente e interessante. Desta vez achei um super simples de fazer e o sabor final ficou incrível.

Filé mignon com geleia de tomate

Filé mignon com geleia de tomate

1 medalhão de filé mignon
1 col. de sopa de cebolinha picada
1 dente de alho amassado
100 g de tomate picado
30 ml de água
15 ml de vinagre balsâmico
azeite, sal, pimenta e alecrim a gosto

Modo de preparo:
Tempere o filé mignon com sal, pimenta e alecrim a gosto. Leve para assar numa forma refratária antiaderente em forno pré-aquecido a 200˚C por 20 minutos ou até ficar no ponto desejado.
Enquanto o filé estiver assando, aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue a cebolinha picada e o alho amassado até ficarem aromáticos (de 1 a 2 minutos). Acrescente o tomate picado, a água e o vinagre balsâmico. Deixe ferver e abaixe o fogo mantendo uma leve fervura. Cozinhe de 10 a 15 minutos até reduzir bastante e ficar bem concentrado. Sirva a geleia de tomate por cima do filé e decore com um raminho de alecrim.

Confesso que antigamente não era muito fã de alecrim. Depois descobri que esta erva é uma das melhores para temperar carnes vermelhas já que seus sabores se complementam muito bem. O segredo, então, é saber a quantidade certa para usar. De modo geral o que vale é o gosto de cada pessoa. Entretanto, como o alecrim tem um sabor bem forte, se você não estiver muito acostumado com ele comece usando bem pouquinho.

Nesta receita o tempero do alecrim casou perfeitamente com a geleia de tomate. Como o vinagre balsâmico tem um leve toque agridoce, o molho passa por um processo leve de caramelização. Assim, o sabor final da geleia junta uma constelação de sensações que transformam o prato final numa verdadeira delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Sofisticando o prato

Pratos sofisticados com frango, carne ou peixe já são deliciosos por si só. Por isso, saboreá-los acompanhados por arroz integral e legumes simples cozidos no vapor já basta para completar uma refeição deliciosa. Mas as vezes sentimos falta de um quê de sofisticação nos acompanhamentos, pelo menos eu sinto.

Dito isso, é mais difícil achar receitas para legumes que não sejam refeições inteiras ou sejam simples suficientes para que não roubem a cena do prato principal. Quando achei esta fiquei encantada pois parecia uma delícia e era tão simples de fazer que não ia interferir no resto do meu almoço do dia. Felizmente estava certa. O resultado foi fantástico.

Aspargo com tomates balsâmicos

Aspargo com tomates balsâmicos

150 g de aspargo fresco
8 a 10 tomates cereja
1 fio de azeite
1 col. de sopa de vinagre balsâmico
1 dente de alho picado
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Ferva 300 ml de água e cozinhe os aspargos de 2 a 3 minutos até ficarem al dente. Escorra e coloque numa bacia com água e gelo para parar o cozimento e manter a consistência crocante. Transfira para um prato e reserve.
Aqueça uma frigideira antiaderente e refogue o alho no fio de azeite. Mexa de 15 a 30 segundos para soltar o aroma. Acrescente os tomates cereja e refogue por alguns minutos até amaciarem bem e começarem a estourar. Despeje o vinagre balsâmico e continue mexendo até engrossar (de 2 a 3 minutos). Tempere com sal e pimenta a gosto e sirva por cima dos aspargos.

Super simples de fazer, este acompanhamento é uma delícia. O sabor adocicado do vinagre balsâmico complementa deliciosamente bem a delicadeza dos aspargos e dos tomates cereja. Caso ache que o molho ficou muito pouco no final, acrescente mais uma col. de sopa e espere engrossar de novo. A consistência fica fantástica.

O bom desta receita é que ela não deixa de ser um molhinho sofisticado que funciona bem regado por cima de diversos legumes. Se não gostar de aspargos, experimente com vagem macarrão ou cenouras cortadas em palitos. E para deixar ainda mais sofisticado, salpique com amêndoas picadas ou queijo feta esfarelado. Com certeza vai impressionar.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Molhos especiais

Preparar medalhões de filé mignon para o almoço pode parecer um prato simples demais ou até sem graça. Realmente, comer apenas um pedaço de carne sem nada para acompanhar, mesmo que seja um suculento filé mignon, tem seu lado simplório demais.

Mas aqui entra a individualidade e criatividade essencial de todo cozinheiro. Um belo molho faz toda a diferença na hora de saborear um medalhão desta carne, uma das mais saudáveis que há para comer. O importante para manter o prato saudável é escolher um molho saboroso mas não muito cremoso como este que descobri esses dias.

Filé mignon ao molho de shitake

Filé mignon ao molho de shitake

1 medalhão de filé mignon médio
100 g de shitake fresco
1 dente de alho picado
3 col. de sopa de cebola picada
60 ml de caldo de carne
20 ml de vinho branco seco
5 ml de vinagre balsâmico
1 col. de sopa de cebolinha picada
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Tempere o filé com sal e pimenta a gosto. Leve para assar em forno médio (180˚C) pré-aquecido por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado. Reserve.
Para preparar o molho, aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio e refogue a cebola e o alho picados por 2 ou 3 minutos até começarem a ficar macios. Acrescente o shitake fatiado e continue refogando por mais alguns minutos até o cogumelo murchar um pouco.
Despeje o caldo de carne, o vinho branco e o vinagre balsâmico e cozinhe mexendo de vez em quando até reduzir e engrossar levemente (aproximadamente 5 minutos). Adicione a cebolinha picada, mexa mais um pouco e desligue o fogo. Regue a carne com o molho e sirva acompanhado de arroz selvagem e legumes cozidos.

Apesar de não usar amido ou farinha, o molho consegue engrossar bem ao cozinhar por alguns minutos devido ao vinagre balsâmico que tem um toque adocicado. Isso sem falar na combinação do vinagre com o vinho e o sabor fresco do shitake que tornam este molho absolutamente divino.

A quantidade indicada na receita rende bastante molho e chega a ser suficiente para duas pessoas. Entretanto, preparei desta mesma forma apenas para mim e estava tão gostoso que comi tudo. Já tinha feito outros molhos parecidos à base de cogumelos frescos, mas este conseguiu subir para o topo da lista pela fantástica combinação de sabores. Ficou simplesmente sensacional.

Por hoje é só.

Bon appetit!