Combinações saborosas

Por mais que tenhamos alguns pratos que são favoritos e clássicos, é sempre divertido acrescentar elementos diferentes para dar aquele toque a mais. Sou apaixonada por comida tailandesa, mas também tenho meus dias em que prefiro algo mais simples como uma básica carne moída refogada. Quando achei esta receita que juntava o útil ao agradável tive que experimentar.

O prato consegue unir a facilidade de uma simples carne moída refogada com a constelação de sabores exóticos e deliciosos da clássica culinária tailandesa. No fundo, a receita fica super parecida com outras que já publiquei aqui, como a de curry de camarão e a de tilápia com legumes no vapor. Mas neste caso a carne moída traz um quê de diferente e delicioso ao prato final.

Carne moída à tailandesa

Carne moída à tailandesa

120 g de coxão mole moído
1 dente de alho
1 col. de sopa de cebola picada
1 col. de chá de pasta de curry tailandês vermelho
60 g de molho de tomate
15 ml de leite de coco light
1 col. de chá de açúcar mascavo
suco de 1/2 limão
1 col. de chá de molho de peixe tailandês
coentro a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho picado e a cebola picada até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a carne moída e refogue por alguns minutos até começar a dourar.
Despeje a pasta de curry tailandês vermelho e o molho de tomate e mexa bem para incorporar os temperos. Cozinhe por dois ou três minutos até reduzir bem o molho. Em seguida junte o leite de coco, o açúcar mascado, o suco e limão e o molho de peixe. Misture tudo e cozinhe por mais alguns minutos até o caldo engrossar um pouco. Sirva com arroz jasmim e salpicado com coentro a gosto.

Uma das peculiaridades da culinária tailandesa é que as receitas não começam da mesma forma que outras tradicionais com as quais estamos acostumados. Aquele primeiro passo que sempre inicia as receitas de temperar a carne com sal e pimenta é totalmente desnecessário na cozinha da Tailândia.

O motivo disso é a quantidade de tempero que é acrescentado no decorrer da receita. Todos os sabores são contemplados, o salgado, o doce, o azedo e o picante e o fato de ir adicionando aos poucos enquanto o prato é preparado faz com que a comida adquira um gosto mais que especial. Esta receita ficou divina e nos leva numa viagem gastronômica peculiar e deliciosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

Jantarzinho express

Dia e noites corridas já viraram uma realidade diária na vida das pessoas do século XXI. Parece que quanto mais coisas temos para fazer, mais coisas queremos enfiar na nossa rotina. Com tantas obrigações a ideia de ter que chegar em casa e ainda ter que preparar um jantar saboroso e saudável chega a nos deixar exaustos.

A boa notícia é que às vezes não precisamos mais do que 20 minutos para fazer uma refeição completa e deliciosa. Com alguns poucos ingredientes somos capazes de criar uma constelação de sabores que ao serem provados nos transportam para lugares fantásticos. Nada melhor para finalizar um dia cansativo de trabalho.

Camarão assado ao molho de limão amanteigado

Camarão assado ao molho de limão amanteigado

120 g de camarão fresco
suco de 1 limão siciliano
1 col. de sopa de margarina light
1 dente de alho
1/2 col. de chá de molho inglês
sal, pimenta calabresa e cebolinha a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em 220˚C. Arrume os camarões numa forma refratária antiaderente. Numa tigela, misture o suco de limão, a margarina light, o alho amassado e o molho inglês. Tempere com uma pitada de sal. Regue por cima do camarão e leve ao forno de 10 a 12 minutos ou até atingir o ponto desejado. Salpique com pimenta calabresa moída e cebolinha picada a gosto. Sirva com torradinhas integrais e uma saladinha verde de entrada.

Absurdamente fácil e rápido de fazer, este prato é perfeito para uma noite fresquinha de outono. O molhinho que fica no fundo da forma é delicioso e vale a pena ser sugado com as torradinhas integrais servidas de acompanhamento. Se preferir algo um pouco mais sofisticado, uma porção de couscous marroquino também cai muito bem ao lado do camarão e consegue absorver todo o molho também.

Caso queira dar um toque ainda mais azedinho à receita, acrescente algumas raspas do limão na hora de servir. Usar o limão siciliano e não o tahiti neste prato também ajuda a não deixar o sabor final ácido demais. Já que o limão siciliano é mais docinho ele combina bem com os demais ingredientes do molho e deixa o gosto final do prato absolutamente divino.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Fechando com chave de ouro

Na hora de planejar um cardápio a dica que posso passar é pensar na refeição como algo completo. Quanto mais variada a comida e com o maior número de ingredientes diferentes, maior a chance dela formar parte de uma alimentação balanceada. Por isso, invista em alimentos com propriedades e características distintas que sejam boas fontes de proteínas, carboidratos, legumes, verduras e frutas.

Completando o cardápio do meu jantar especial, escolhi um acompanhamento que reunia tanto uma boa fonte de carboidrato quanto uma verdura para acrescentar fibras, vitaminas e minerais. Desta forma, consegui manter uma boa proporção de nutrientes no jantar inteiro. Sem contar que combinou perfeitamente com o prato principal que trouxe proteínas e frutas à mistura.

Vagem holandesa com batatas ao molho de tomate rústico

Vagem holandesa com batatas ao molho de tomate rústico

400 g de vagem holandesa
400 g de batata bolinha
300 g de tomate cereja
2 dentes de alho
60 – 120 ml de água
azeite, coentro, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente funda em fogo médio. Regue com um fio de azeite e refogue os dentes de alho amassados até ficarem aromáticos. Corte as batatas em cubos pequenos e acrescente à panela mexendo para dourarem levemente. Derrame a água até cobrir todas as batatas e aumente o fogo para começar a ferver. Abaixe o fogo e cozinhe por 5 minutos mantendo uma leve fervura.
Depois desse tempo, junte as vagens à panela e cozinhe por mais 3 minutos até que elas fiquem al dente. Caso seja necessário, acrescente mais um pouco de água. Por fim, coloque os tomates inteiros e tempere com sal, pimenta calabresa moída e coentro a gosto. Cozinhe por mais alguns minutos até que os tomates fiquem macios e formem um molho reduzido. Sirva a seguir.

Rende 4 a 6 porções.

A combinação da vagem com a batata e o tomate ficou suave e delicada sem transformar-se em algo sem graça demais. O fato de usar o tomate cereja inteiro e não tomates grandes cortados também acrescentou um toque levemente adocicado ao molho fazendo com que o sabor final ficasse mais complexo.

Dito isso, acho que talvez tenha faltado um quê a mais no tempero. Penso que alguns raminhos de tomilho ou alecrim acrescentados ao prato no final teriam complementado o sabor da batata e casariam muito bem com o gosto final do molho. Numa próxima vez que preparar este prato pretendo testar com novas combinações de ervas para ver como fica. De qualquer maneira, feito desta forma, o prato não deixa a desejar e ficou uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

O casamento perfeito de temperos

A melhor parte de preparar um banquete para convidados na minha casa é que posso testar receitas que em outras ocasiões não teria a possibilidade para preparar. Isso porque como moro sozinha, por mais que dê para adaptar vários pratos para apenas uma porção, existem outros que não traduzem muito bem quanto feitos em menores quantidades.

Como não gosto de repetir pratos durante a semana, quase nunca faço uma receita para sobrar ou comer novamente no dia seguinte. Assim, quando quero preparar um prato em maiores quantidades, espero um dia que esteja cozinhando para mais pessoas. Continuando o cardápio do jantar que preparei para minhas amigas, este foi o escolhido para o prato principal.

Sobrecoxa de frango com maçã assada

Sobrecoxa de frango com maçã assada

680 g de maçã variada (de 3 a 4 unidades grandes)
4 dentes de alho amassados
sálvia, canela e noz moscada a gosto
600 g de sobrecoxa de frango sem pele e com osso
sal, pimenta, azeite e salsinha a gosto

Modo de preparo:
Tempere o frango com sal e pimenta a gosto e reserve. Corte as maçãs em cubos médios. Se desejar, descasque as frutas, mas não é necessário. Arrume os pedaços de maçã numa travessa e tempere com sálvia, canela e noz moscada a gosto. Junte os dentes de alho amassados e misture bem com as mãos para que fique tudo coberto.
Arrume as sobrecoxas de frango por cima das maçã. Regue com um fio de azeite e leve para assar em forno pré-aquecido a 220˚C de 40 a 50 minutos ou até que a maçã fique macia e o frango completamente cozido. Antes de servir, salpique com salsinha picada a gosto.

Rende 4 porções.

A intenção do prato era que a maçã ficasse macia o suficiente para ser amassada e servida como um purê rústico ao lado do frango. Entretanto, acho que os tipos de maçã que escolhi para o prato (usei fuji e granny smith) eram firmes demais e não tiveram tempo de amaciarem o suficiente. Talvez com outras variedades elas possam amaciar mais.

De qualquer maneira, o ponto alto deste prato foi a combinação de sabores. Maçã assada com noz moscada e canela já é uma delícia por si só. Quanto combinado com a sálvia, transforma-se num acompanhamento perfeito para a carne de frango que casa muito bem com esta erva. O fato de assar o frango por cima da maçã também ajuda a temperar a fruta com os sucos do frango que se soltam durante o cozimento. O sabor final ficou divino.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Delícias leves

Nada me deixa mais feliz do que receber pessoas queridas em casa e preparar um jantar delicioso para elas. Final de semana passado finalmente conseguir juntar umas amigas para uma noite de conversas e pratos saborosos. Claro que aproveitei a ocasião para testar novas receitas e usá-las como cobaias. Felizmente deu tudo certo, ou pelo menos acho que sim porque ninguém passou mal e não reclamaram das receitas.

Como testei três, vou compartilhá-las aqui nos próximos dias. E claro que começamos com a melhor parte: a sobremesa. Amo tiramisu, mas quase nunca como por ser uma verdadeira bomba calórica. Esta versão que achei é absurdamente fácil de fazer e é bem mais leve que a tradicional. Mas o sabor fica igualzinho. Se não falasse que era “light”, ninguém ia perceber.

Tiramisu instantâneo

Tiramisu instantâneo

90 g de biscoito champanhe
100 g de cream cheese light
150 g de ricota
1/4 xíc. de chá de açúcar
60 ml de licor de café
cacau em pó para polvilhar
grãos de café cobertos com chocolate amargo para decorar

Modo de preparo:
Arrume metade dos biscoitos no fundo de uma travessa. Regue com metade do licor de café e deixe descansar para que fiquem bem empapados.
Enquanto isso, bata com um mixer de mão o cream cheese, a ricota e o açúcar até que fique completamente homogêneo e cremoso. Espalhe metade do creme por cima dos biscoitos.
Pegue a outra metade dos biscoitos champanhe e arrume por cima do creme espalhado. Regue com o restante do licor de café e deixe descansar alguns minutos para que incorporem bem o líquido. Espalhe o restante do creme de queijo por cima dos biscoitos. Polvilhe com o cacau em pó a gosto e decore com grãos de café coberto com chocolate amargo.

Rende 4 a 6 porções.

O modo de preparo indicado é para uma porção inteira feita numa travessa grande. Mas se você preferir pode fazer como eu e dividir os ingredientes em quatro para preparar porções individuais em pequenos ramekins redondos. A vantagem de fazer porções individuais é poder personalizar cada uma ao gosto da pessoa que irá saboreá-la.

Na receita original de tiramisu, a cremosidade vem do queijo mascarpone utilizado. Entretanto, é justamente este queijo que aumenta absurdamente a quantidade de gordura do doce. Nesta versão mais leve o creme continua com a mesma consistência e o sabor não deixa em nada a desejar. Realmente ficou uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Para o dia em que a preguiça apertar

Dia desses fiquei morrendo de preguiça de fazer um jantar muito elaborado para mim num dia de semana qualquer. Sim, eu que amo cozinhar e testar receitas diferentes e sofisticadas também tenho meus dias de preguiça e vontade de passar longe da cozinha. Entretanto, a ideia de pedir comida ou comer qualquer coisa também não me pareceu muito interessante.

Com isso, resolvi abrir a geladeira, o freezer e a despensa para ver o que tinha em casa. Com alguns ingredientes básicos e práticos consegui inventar uma gororoba que no final ficou absolutamente deliciosa. Minha intenção aqui é mostrar que você não precisa de muito refinamento para fazer uma refeição gostosa, nutritiva e ainda por cima saudável para o seu dia a dia. As vezes com apenas 20 minutinhos seu jantar pode transformar-se em algo especial.

Miojo de harussame com tilápia e vegetais

Miojo de harussame com tilápia e vegetais

70 g de harussame
1 filé de tilápia
100 g de brócolis congelado
100 g de edamame congelado
sal, pimenta, azeite e tempero “cinco especiarias” a gosto

Modo de preparo:
Tempere o filé de tilápia com o tempero chinês “cinco especiarias” a gosto. Leve para assar numa forma refratária antiaderente em forno pré-aquecido a 200˚C por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado.
Enquanto o peixe cozinha, ferva 500 ml de água e tempere com sal a gosto. Assim que ferver, despeje o brócolis e o edamame congelados. Quando levantar fervura novamente, conte 3 minutos e desligue o fogo. Escorra a água e reserve os vegetais numa tigela.
Ferva mais 500 ml de água temperada com sal a gosto. Cozinhe o harussame por 7 minutos. Escorra e jogue água gelada por cima para dar um choque térmico na massa. Junte aos vegetais na tigela e reserve.
Quando o peixe estiver cozido, corte em pedaços médios com cuidado para não despedaçar completamente. Junte à tigela com os demais ingredientes. Misture tudo e tempere com azeite e pimenta do reino moída na hora a gosto. Saboreie com uma taça de vinho branco seco e um belo pedaço de chocolate 70% cacau de sobremesa.

Quando vi que tinha harussame (aquele macarrão transparente à base de broto de feijão) em casa, resolvi inspirar-me em toques orientais para criar meu jantar. Com isso, escolhi temperar a tilápia com o pozinho chinês “cinco especiarias” que comentei com vocês neste post.

Outro toque asiático que dei ao prato foi com a escolha dos vegetais. O edamame, feijão de soja verde, é muito utilizado na culinária japonesa e é rico em nutrientes e minerais indispensáveis para uma alimentação saudável. Talvez se eu quisesse ter completado minha “inspiração oriental” devesse ter optado por regar tudo com shoyu no final. Entretanto, não quis exagerar na quantidade de sódio utilizada e fiquei no azeite de oliva extra virgem mesmo. Um toque final super saboroso ao meu miojo caseiro e praticamente instantâneo. Ficou uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Conforto e sabor caseiro

Para mim, uma noite fresquinha de outono é sinônimo de um bom filme, uma taça de vinho e um delicioso prato de sopa caseira. Seja sozinha ou acompanhada, adoro saborear um gostoso caldinho feito com amor e temperos criativos. E a melhor parte é que podemos abusar da imaginação para brincar com as mais diversas combinações de ingredientes.

Mas, sempre que possível, procuro novas receitas para nunca correr o risco de cair na mesmice. Minha casa já virou praticamente uma biblioteca de livros de culinária dos mais diversos assuntos e cantos do mundo. Para hoje, escolhi uma sopa de um livro que conta os benefícios de incluir grãos integrais variados na alimentação. E o mais importante, ficou uma delícia.

Sopa de abobrinha, cevadinha e shitake

Sopa de cevadinha, abobrinha e shitake

45 g de cevadinha crua
1/2 cebola
1 dente de alho
500 ml de caldo de vegetais
1 folha de louro
150 g de shitake fresco
200 g de abobrinha
azeite, tomilho, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho e a cebola picados até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a cevadinha e refogue de 30 segundos a 1 minuto. Despeje o caldo de vegetais e coloque a folha de louro. Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe mantendo uma leve fervura até que a cevadinha fique pronta (entre 40 e 50 minutos).
Retire a folha de louro e acrescente o shitake e a abobrinha cortados em tiras finas. Coloque alguns ramos de tomilho fresco a gosto. Cozinhe por mais 5 a 8 minutos até que os vegetais fiquem macios. Caso o caldo tenha evaporado todo, acrescente mais um pouco para que a sopa atinja a consistência desejada.
Tempere com sal e pimenta a gosto e saboreie acompanhado de uma bela salada verde.

Apesar do caldo ter evaporado quase todo enquanto cozinhava a cevadinha acabei colocando bem pouco depois para terminar de preparar a sopa. Isso porque eu prefiro que o caldo da receita fique um pouco mais grosso. No final acrescentei apenas mais meia xíc. de chá de água.

Como queria preparar um prato verdadeiramente vegetarianos optei por usar caldo de vegetais na hora do preparo da sopa. Entretanto, se você preferir pode usar caldo de carne ou de galinha na hora de cozinhar a cevadinha. Outra opção é incluir alguns pedaços de carne à receita. A combinação fica deliciosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!