Sabendo escolher os acompanhamentos

Continuando com a semana de receitas para aquele cardápio de jantar especial, nada melhor do que um acompanhamento simples mas incrementado ao mesmo tempo para casar perfeitamente com o lombinho de porco que sugeri post anterior. E como a primeira receita não foi exatamente o que podemos considerar “saudável”, vale investir num segundo prato um pouco mais preocupado com a alimentação balanceada.

Pensando nisso, resolvi preparar um risoto diferente. Aqui uso o termo “risoto” abertamente, no sentido de significar “arroz incrementado” e não necessariamente da maneira como estamos acostumados a pensar um risoto: arroz arbóreo típico italiano bastante cremoso e com molho de queijo. Modéstia à parte, todos meus risotos são deliciosos, mas este senti que teve um gostinho especial.

Risoto de arroz selvagem com aspargo verde

Risoto de arroz selvagem com aspargo verde

200 g de arroz selvagem
200 g de aspargo verde fresco
120 ml de vinho branco
1/2 cebola picada
2 dentes de alho amassados
azeite e sal a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho até ficarem aromáticos. Acrescente o arroz e tempere com sal a gosto. Refogue mais um pouco para que o arroz solte o aroma natural que tem. Despeje o vinho branco e deixe evaporar quase todo mexendo de vez em quando.
Acrescente a quantidade de água indicada na embalagem para cozinhar o arroz e deixe o tempo indicado mantendo uma leve fervura em fogo baixo. Quando faltar 5 minutos para o arroz ficar pronto, junte o aspargo lavado e cortado em pedaços pequenos. Deixe secar toda a água até que o arroz esteja totalmente cozido e sirva a seguir.

Rende de 4 a 6 porções.

Um dos fatores que deixou este prato especial foi que fui inventando a receita na hora que estava preparando. Apesar de não ser um risoto clássico pensei que nada impedia de começar com o mesmo passo que uso quando estou fazendo a receita italiana, refogar o arroz no vinho branco. Nem preciso dizer que fez toda a diferença.

O arroz selvagem é uma ótima alternativa de grão integral para incluirmos na nossa dieta semanal. Além de ter muito mais fibras que o arroz integral comum, ele possui um sabor característico que deixa qualquer refeição mais saborosa e especial. A combinação que fiz com o aspargo ainda garantiu um verdinho tão importante no resultado final. E claro, ficou divino!

Por hoje é só.

Bom appetit!

Anúncios

A facilidade dos pratos únicos

Esta não é a primeira e com certeza não será a última vez que falo das facilidades de preparar pratos únicos para o almoço ou jantar. Além de agilizar a vida na cozinha, estas refeições conseguem aliar todos os ingredientes necessários para ter uma alimentação completa e balanceada em uma só panela.

Tudo bem que a dica de hoje não é tão simples ou rápida como algumas outras que compartilhei aqui. Isso porque nada se compara a rapidez de pratos como a galinhada de funghi com ervilha ou da tigela de frango com arroz e brócolis que preparei em outras ocasiões. Mas desta vez o pequeno esforço a mais compensa no resultado delicioso do prato final.

Caçarola de arroz com aspargo

Caçarola de arroz com aspargo

1/2 pacote de arroz integral em saquinho cozido
100 g de carne moída
400 g de aspargo fresco
100 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
120 ml de leite desnatado
1 col. de sopa cheia de farinha de trigo
1 un. de polenguinho light
70 g de milho congelado
10 g de queijo ralado light
azeite, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Unte uma forma refratária com um fio de azeite. Junte o arroz já cozido e o aspargo fresco cortado em pedaços médios na travessa e misture bem. Reserve.
Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho até ficarem aromáticos. Acrescente a carne moída e refogue bem até cozinhar por completo. Junte à mistura na travessa e mexa bem até ficar homogêneo.
Em outra panela, junte o leite e a farinha. Misture bem com um batedor de arame para dissolver a farinha por completo e evitar que forme bolinhas. Ligue o fogo e vá mexendo até começar a borbulhar e engrossar. Junte o milho congelado e o polenguinho e mexa apenas até dissolver o queijo.
Tempere o creme com sal e pimenta a gosto e derrame por cima da mistura na travessa. Mexa bem para que fique tudo incorporado e bem misturado. Salpique o queijo ralado por cima de tudo.
Leve a travessa ao forno pré-aquecido em 230˚C por 15 minutos ou até gratinar levemente o queijo ralado. Sirva em seguida.

Rende 2 porções.

A demora neste caso na verdade está em esperar que o queijo ralado fique gratinado no forno. Isso porque o arroz já está cozido e a carne é refogada anteriormente. Se você quiser, ainda pode dar um choque térmico no aspargo antes de adicioná-lo à mistura da caçarola. Assim ele já vai cozido para o forno e o tempo total diminui ainda mais.

Adorei esta receita por ela ser saborosa e saudável ao mesmo tempo. Além de juntar ingredientes frescos e fáceis de manipular, não deixa de trazer um leve toque cremoso com o creme de milho com queijo preparado para juntar na mistura final. Quem quiser deixar o prato ainda mais colorido pode acrescentar cenouras cortadas em rodelas ou pimentões picados. Quanto mais variações de legumes e vegetais coloridos no prato, melhor!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Saúde saborosa

Nada melhor do que uma segunda-feira para retomar aquela alimentação balanceada e saudável que deixamos escapar pelo caminho nos finais de semana. E começar com um franguinho cozido é simplesmente sensacional. Isso se ele for feito da maneira correta, claro.

Sim, porque não tem nada pior do que ter que comer peito de frango sem gosto todo dia só para não sair da dieta. Minha missão nesses muitos meses de blog que já acumulei sempre foi mostrar como é possível comer bem e saborear coisas deliciosas sem que elas sejam gordurosas e ultra calóricas. A receita de hoje é mais uma prova que só porque algo é saudável não quer dizer que seja sem graça ou sem gosto.

Frango ensopado com aspargo

Frango ensopado com aspargo

1 peito de frango
150 g de aspargo
1/2 lata de tomate pelado
50 g de cebola roxa picada
1 dente de alho amassado
60 ml de caldo de galinha
30 ml de vinho branco
azeite, sal, pimenta, tomilho e cominho a gosto

Modo de preparo:
Tempere o frango com sal e pimenta a gosto. Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola picada e o alho amassado até ficarem macios e aromáticos. Despeje o vinho e deixe refogar mais um pouco até evaporar completamente.
Junte meia lata de tomate pelado, o caldo de galinha, o tomilho e o cominho em pó a gosto. Deixe ferver e acrescente o peito de frango. Cozinhe por 15 minutos em fogo baixo mantendo uma leve fervura.
Quando estiver quase pronto, junte o aspargo fresco cortado em pedaços médios. Deixe mais 5 minutos até que o aspargo fique al dente. Sirva a seguir.

O melhor desta receita é a sua simplicidade absurda. Ela serve como coringa de qualquer dia ou noite corrida e com falta de inspiração. E apesar de ser super fácil e levar poucos ingredientes, se preparada e apresentada da maneira certa, ela serve perfeitamente para um jantar mais sofisticado.

Isso porque justamente sua simplicidade faz com que combine com qualquer acompanhamento. Se quiser fazer este prato para uma ocasião mais especial, aproveite para investir num risoto de limão siciliano que complementa muito bem o frango com aspargo. A combinação fica completa com uma bela taça de vinho e uma mousse de chocolate no fim.

Por hoje é só.

Bon appetit!

As delícias mais simples da vida

Todo mundo certamente já refogou uma carne moída básica para comer com arroz ou macarrão uma vez na vida. Certamente, também, esse dia foi um daqueles que você mal teve tempo de pensar em fazer algo que não fosse relacionado ao trabalho, quanto mais pensar em algo incrementado para servir no jantar.

Às vezes precisamos de muita inspiração para transformar algo simples e rápido numa refeição deliciosa e visualmente apetitosa. Já peguei ideias de vários lugares de como deixar um prato singelo mais bonito e sofisticado. Desta vez, peguei uma ideia básica e resolvi incrementar um pouquinho. O melhor é que não foi nada difícil.

Pimentão recheado

Pimentão recheado

400 g de pimentão verde (aprox. 2 unidades médias)
200 g de carne moída
100 g de cebola
2 dentes de alho
5 ml de azeite, sal, pimenta e cominho a gosto

Modo de preparo:
Corte cada pimentão ao meio e retire bem todo o miolo e as sementes. Se for preciso, retire um pouco de cada base para que ele consiga ficar em pé. Tenha cuidado para não retirar completamente a base do pimentão.
Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola picada e o alho amassado até começar a ficar aromático. Acrescente uma ou duas col. de chá de cominho em pó e mexa bem para incorporar todos os temperos.
Despeje a carne na panela e refogue até pegar uma cor e ficar no ponto desejado. Tempere com sal e pimenta a gosto e recheie as metades dos pimentões.
Arrume as metades dos pimentões numa travessa refratária e leve ao forno pré-aquecido em 23o˚C por 20 minutos ou até amolecer um pouco o pimentão sem perder a consistência nem ficar mole demais.
Este prato pode ser servido como acompanhamento de um risoto ou macarrão simples ou mesmo como prato principal de um grande banquete familiar.

Rende 2 porções.

Gostei desta receita pois ela pega algo super básico, a carne moída, e consegue dar uma sofisticada de leve nela sem demorar muito nem exigir muita técnica na cozinha. Além do toque mais que especial que o cominho em pó traz para qualquer receita, o fato de servir a carne moída dentro dos pimentões ajuda a incluirmos mais legumes variados na nossa alimentação diária.

Escolhi usar apenas o pimentão verde pois eram os mais bonitos do supermercado quando fui comprar. Dito isso, você pode usar qualquer variedade destes legumes tão saborosos ao preparar o prato. Aproveite ainda para usar uma variedade de cores. Assim, além de mais variado, seu prato fica ainda mais colorido e bonito.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Superando desafios

Hoje começo já confessando uma coisa. Nunca fui muito fã de nhoque. Sim, eu sei, é super clássico, um prato extremamente adorado na Itália e parte das refeições mais tradicionais do País. Aqui em São Paulo tem até o tal do dia do Nhoque, no qual todo dia 29 do mês é dia de comer nhoque para ter muita fortuna nas semanas seguintes.

Meu problema com esse coitado era que sempre achei pesado demais, com muito gosto de batata e nada que me lembrasse uma massa ou macarrão saboroso. Isso até que conheci esta receita que trago para vocês hoje. Não só foi a minha primeira vez fazendo nhoque caseiro (cuja experiência foi super bem sucedida) mas também descobri finalmente uma receita deliciosa e do meu agrado.

Nhoque de mandioquinha com ricota ao sugo e brócolis

Nhoque de mandioquinha com ricota ao sugo e brócolis

200 g de mandioquinha cozida, bem macia
1 gema
5 col. de sopa de farinha de trigo
100 g de ricota
sal a gosto

molho
1/2 lata de tomate pelado
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
100 g de brócolis em floretes
azeite, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Comece cozinhando a mandioquinha em água salgada até ficar bem macia. Deixe esfriar um pouco e junte a mandioquinha com a gema, a farinha e a ricota esfarelada numa tigela. Misture bem com as mãos até formar uma bola homogênea. Se precisar polvilhe com mais um pouco de farinha.
Transfira a massa para uma superfície enfarinhada e divida em quatro partes. Forme tiras longas e finas com cada parte de modo que fiquem como cobrinhas. Corte cada tirinha em pedaços pequenos de aproximadamente 1 centímetro de largura. Repita com o restante da massa.
Ferva 1 L de água e cozinhe o nhoque em porções por 5 minutos ou até que os pedaços subam até a superfície. Escorra e reserve. Repita até terminar tudo.
Para fazer o molho, refogue a cebola e o alho em um fio de azeite até ficarem aromáticos. Despeje metade da lata de tomate e o brócolis. Cozinhe em fogo médio por 5 a 7 minutos ou até ferver bem e reduzir um pouco. Sirva o nhoque regado com o molho de tomate e brócolis.

Não sei se foi o fato de ter ricota ou se realmente prefiro a mandioquinha por achá-la mais leve que a batata inglesa normal, mas esta receita de nhoque ficou absolutamente deliciosa. O melhor é que ele não me deu a sensação pesada que geralmente sentia quando comia nhoque antes.

Resolvi fazer este molho de tomate com brócolis mais suave para acompanhar o nhoque, mas você pode preparar qualquer molho de sua preferência. O mais clássico, e que cai super bem com esta versão, é o de carne moída, ou tradicional bolonhesa. Mas como sou adepta da inovação, aproveite para usar a imaginação e criar receitas diferentes. Que tipo de molho você escolheria para este prato?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Leve e saudável

Tudo bem que o frio do inverno parece já ter ido embora. Mas nada impede de tomar uma sopinha deliciosa e investir num jantar mais leve de vez em quando. Melhor ainda se a sopa for super fácil de fazer e demorar quase nada para ficar pronta. O segredo é comprar ingredientes já pré-prontos como a beterraba cozida no vapor e embalada à vácuo deste caso.

O que me encantou nesta sopa, também, foi a cor vibrante do resultado final. Alias, várias sopas assim acabam com uma cor linda. É o caso desta outra de mandioquinha que publiquei alguns dias atrás aqui no blog. Sem contar com o contraste lindo do caldo verde que também compartilhei com vocês.

Sopa de beterraba

Sopa de beterraba

300 g de beterraba cozida
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
240 ml de caldo de legumes
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Junte a beterraba cozida cortada em cubos pequenos com a cebola picada e o dente de alho amassado no liquidificador. Acrescente caldo de legumes aos poucos a gosto e vá batendo até atingir a consistência cremosa de sopa desejada.
Leve a mistura à panela e tempere com sal e pimenta a gosto. Ligue o fogo e deixe ferver. Cozinhe por 5 a 10 minutos até ficar bem quente, mexendo de vez em quando. Sirva com uma salada verde e torradinhas integrais.

Neste caso optei por fazer uma sopa totalmente vegetariana e investir numa refeição sem carne. Para quem quiser colocar uma proteína no jantar pode acrescentar à sopa um peito de frango cozido e desfiado na hora que for esquentá-la na panela. Outra opção seria juntar uma latinha de sardinha ou atum na salada que acompanha a sopa.

Adoro saborear uma bela sopa como opção rápida e leve para o jantar. Uma vantagem das sopas é que elas podem ser feita com bastante antecedência e aquecidas rapidamente apenas na hora de comer. Para quem não tiver muito tempo, vale preparar várias porções e congelar cada uma separadamente, facilita, e muito, a vida.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Para facilitar

Não é de hoje que comento o quanto os refogados orientais são pratos práticos e rápidos para um dia corrido. Seja no almoço ou jantar, estes salteados básicos preparados na frigideira grande e funda, típica asiática, a wok, ainda ajudam a acrescentar legumes e verduras na nossa alimentação.

Por serem super fáceis e fazer e usarem praticamente nada de gordura na preparação, estes pratos são perfeitos para consumir no dia a dia. Aqui a única ressalva que vale fazer é quanto ao uso do shoyu. Como este molho japonês é bastante salgado, não é preciso salgar mais nada os ingredientes. Além disso, aconselho usar a versão light que contem bem menos sódio que a tradicional.

Refogado de frango com brócolis

Refogado de frango com brócolis

1 peito de frango em cubos
100 g de floretes de brócolis
50 g de cebola roxa cortada em quadrados médios
1 dente de alho amassado
azeite, shoyu e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela wok em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho até ficar aromático. Junte o frango cortado em cubinhos e mexa até começar a cozinhar. Acrescente a cebola e os floretes de brócolis e refogue até amaciarem bem.
Vá adicionando o shoyu a gosto enquanto refoga para temperar e evitar que os ingredientes grudem na panela. Por fim, salpique pimenta calabresa a gosto. Sirva com arroz integral e uma salada.

Por ser uma receita básica, estes salteados admitem inúmeras variações de ingredientes e sabores. Alguns outros que já publiquei aqui, como o salteado simples de carne com vegetais e o frango com castanha à moda tailandesa, são apenas mais algumas sugestões para deixar seu jantar mais saboroso e práticos nessas noites corridas de segunda-feira.

Para a receita de hoje apenas juntei o que tinha na geladeira. Alias, o brócolis que usei ainda era da versão congelada comprada pré-pronta, só para facilitar ainda mais minha vida. Caso prefira usar os legumes frescos, siga como mencionei anteriormente na receita. Mas se for usar a versão congelada, vale dar um choque térmico no brócolis em água fervendo para depois mergulhar na água gelada. Assim ele estará pronto para ser refogado junto com os demais ingredientes.

Por hoje é só.

Bon appetit!