As vantagens da preparação caseira

Quem disse que uma alimentação saudável e balanceada não pode incluir delícias pecaminosas como um belo e suculento hambúrguer? O segredo está em escolher bem os ingredientes e as porções. Como sempre, o mais indicado é optar pela versão caseira, já que os encontrados prontos nas grandes redes de restaurantes são absurdamente enormes.

Outra vantagem de fazer seu próprio hambúrguer é poder escolher a carne usada. Os melhores cortes são os mais magros da carne bovina como a alcatra, coxão mole ou mesmo o macio filé mignon. Muitas receitas levam ovo e farelo de pão torrado para segurar os hambúrgueres, mas as mais gostosas são feitas exclusivamente com uma boa porção de carne, como esta que trago hoje.

Hambúrguer picante com conserva de cebola roxa

Hambúrguer picante com conserva de cebola roxa

Cebola:
50 g de cebola roxa
60 ml de vinagre de vinho branco
5 g de açúcar mascavo
1/4 de col. de chá de sal

Hambúrguer:
120 g de carne moída
azeite, sal, pimenta calabresa, cominho e coentro picado a gosto

Modo de preparo:
Corte a cebola roxa em rodelas finas. Coloque o vinagre, o açúcar e o sal numa tigela pequena. Mexa bem até dissolver por completo. Se preciso, leve ao micro-ondas por alguns segundos para ajudar a dissolver. Coloque a cebola na tigela e deixe em conserva por pelo menos 6 horas ou até 2 dias.
Para fazer o hambúrguer, junte a carne moída, com o coentro picado numa tigela. Tempere com sal, pimenta calabresa e cominho a gosto e misture bem para formar uma bola homogênea. Achate delicadamente até ficar em formato de hambúrguer. Coloque numa forma refratária antiaderente regada com um fio de azeite.
Leve para assar em forno pré-aquecido a 200˚C por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado. Sirva com a cebola roxa em conserva por cima.

Para quem está acostumado a comer os hambúrgueres dos restaurantes certamente vai achar o tamanho deste feito em casa bem pequeno. Mas repito: a quantidade da versão caseira é a mais indicada para manter uma alimentação balanceada sem exageros.

O fato desta receita usar apenas carne e dispensar o ovo e o pão torrado na preparação também influencia no tamanho final da porção. Ou seja, ele pode até parecer menor, mas a carne está bem mais concentrada o que faz do hambúrguer mais consistente. Isso sem contar com o sabor que, aliado ao coentro e ao cominho, ficou absolutamente divino!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

Simplicidade express

Acho que estou precisando encontrar novos livros de receita. Chega uma hora que não há mais tantas receitas novas para provar e testar para compartilhar com vocês. Ao mesmo tempo, essa aparente falta de novidade também me dá a oportunidade de fazer criações inusitadas.

No final das contas há uma vantagem. Posso comprovar mais ainda o quanto é fácil fazer uma refeição completa, simples e saudável sem muita sofisticação ou necessidade de ingredientes mirabolantes. A sugestão que trago hoje foi uma adaptação de outra receita que encontrei por aí. Super simples, ficou uma delícia e merece ser provada.

Tilápia com relish de milho verde

Tilápia com relish de milho verde

1 filé de tilápia
100 g de milho em conserva
1 tomate italiano médio
suco de 1 limão
sal, pimenta e coentro a gosto

Modo de preparo:
Aqueça o forno em 220˚C. Tempere o filé de tilápia com sal a gosto e leve para assar numa forma refratária antiaderente regada com um fio de azeite por 15 minutos.
Enquanto isso, corte o tomate em cubinhos e descarte as sementes. Junte o milho verde e regue com o suco de limão. Tempere com pimenta a gosto e misture bem para incorporar todos os ingredientes.
Tire o filé de tilápia do forno e despeje o relish de tomate com milho por cima. Retorne ao forno e deixe assando por mais 7 a 10 minutos ou até que o peixe fique no ponto desejado. Sirva salpicado com as folhas de coentro a gosto e acompanhado de arroz selvagem e salada verde.

Absurdamente fácil de fazer, este prato fica pronto em 25 minutos. Apesar de simples, é bem gostoso pela combinação de sabores provenientes do suco de limão e do coentro. Além disso, o prato é super saudável e refrescante, nada melhor para um almoço de semana despretensioso e familiar.

Gosto de juntar legumes e verduras diversos para fazer molhos ou salsas diferentes para carnes e peixes. Desta forma, além de deixar um simples filé de tilápia sem graça mais interessante, consigo incluir esses alimentos tão saudáveis de uma maneira divertida na minha alimentação.

Por hoje é só.

Bom appetit!

Combinações surpreendentes

Recentemente descobri as maravilhas da batata doce. Além de ser uma ótima fonte de carboidratos, ela contem diversas vitaminas e minerais essenciais para termos uma alimentação saudável. Sua versatilidade permite que seja saboreada assada, cozida ou até em forma de purês e como ingrediente base de doces e pães deliciosos.

Outra vantagem deste tubérculo saboroso é que, apesar de não ser um carboidrato complexo, o índice glicêmico da batata doce é menor do que o do arroz branco ou o da batata inglesa comum. Com isso, os picos de glicose no sangue são reduzidos e a sensação de fome nada agradável que surge pouco tempo depois de almoçar demora para aparecer.

Purê de batata doce com leite de coco

Purê de batata doce com leite de coco

150 g de batata doce
45 ml de leite de coco light
sal e gengibre em pó a gosto
folhas de coentro para decorar

Modo de preparo:
Ferva 500 ml de água. Descasque a batata e corte em cubos. Coloque para cozinhar na água fervente e deixe por 20 minutos ou até que fique bem macia.
Escorra a água e despeje os pedaços de batata numa tigela. Com o auxílio de um garfo, amasse bem os cubos para que comece a formar um purê. Junte o leite de coco e tempere com sal e gengibre em pó a gosto. Sirva de acompanhamento de um belo filé mignon e decore com folhas de coentro.

Achei esta receita num dos sites de culinária americana que visito diariamente. Na versão original, a batata utilizada era a de cor alaranjada. O problema é que até então eu não sabia que existiam tantas variedades de batata doce. Quando fui procurar a batata doce no supermercado encontrei apenas a com casca rosada que é branca por dentro. Apesar de achar a alaranjada mais bonita, aposto que o sabor não deve ser muito diferente.

O que me chamou a atenção nesta receita foi a combinação deliciosa e surpreendente da batata doce com o leite de coco e o gengibre em pó. Com toques que lembram a culinária tailandesa, este prato ficou absolutamente divino e caiu super bem como acompanhamento do frango assado que fiz no mesmo dia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Combinações saborosas

Por mais que tenhamos alguns pratos que são favoritos e clássicos, é sempre divertido acrescentar elementos diferentes para dar aquele toque a mais. Sou apaixonada por comida tailandesa, mas também tenho meus dias em que prefiro algo mais simples como uma básica carne moída refogada. Quando achei esta receita que juntava o útil ao agradável tive que experimentar.

O prato consegue unir a facilidade de uma simples carne moída refogada com a constelação de sabores exóticos e deliciosos da clássica culinária tailandesa. No fundo, a receita fica super parecida com outras que já publiquei aqui, como a de curry de camarão e a de tilápia com legumes no vapor. Mas neste caso a carne moída traz um quê de diferente e delicioso ao prato final.

Carne moída à tailandesa

Carne moída à tailandesa

120 g de coxão mole moído
1 dente de alho
1 col. de sopa de cebola picada
1 col. de chá de pasta de curry tailandês vermelho
60 g de molho de tomate
15 ml de leite de coco light
1 col. de chá de açúcar mascavo
suco de 1/2 limão
1 col. de chá de molho de peixe tailandês
coentro a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho picado e a cebola picada até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a carne moída e refogue por alguns minutos até começar a dourar.
Despeje a pasta de curry tailandês vermelho e o molho de tomate e mexa bem para incorporar os temperos. Cozinhe por dois ou três minutos até reduzir bem o molho. Em seguida junte o leite de coco, o açúcar mascado, o suco e limão e o molho de peixe. Misture tudo e cozinhe por mais alguns minutos até o caldo engrossar um pouco. Sirva com arroz jasmim e salpicado com coentro a gosto.

Uma das peculiaridades da culinária tailandesa é que as receitas não começam da mesma forma que outras tradicionais com as quais estamos acostumados. Aquele primeiro passo que sempre inicia as receitas de temperar a carne com sal e pimenta é totalmente desnecessário na cozinha da Tailândia.

O motivo disso é a quantidade de tempero que é acrescentado no decorrer da receita. Todos os sabores são contemplados, o salgado, o doce, o azedo e o picante e o fato de ir adicionando aos poucos enquanto o prato é preparado faz com que a comida adquira um gosto mais que especial. Esta receita ficou divina e nos leva numa viagem gastronômica peculiar e deliciosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Fechando com chave de ouro

Na hora de planejar um cardápio a dica que posso passar é pensar na refeição como algo completo. Quanto mais variada a comida e com o maior número de ingredientes diferentes, maior a chance dela formar parte de uma alimentação balanceada. Por isso, invista em alimentos com propriedades e características distintas que sejam boas fontes de proteínas, carboidratos, legumes, verduras e frutas.

Completando o cardápio do meu jantar especial, escolhi um acompanhamento que reunia tanto uma boa fonte de carboidrato quanto uma verdura para acrescentar fibras, vitaminas e minerais. Desta forma, consegui manter uma boa proporção de nutrientes no jantar inteiro. Sem contar que combinou perfeitamente com o prato principal que trouxe proteínas e frutas à mistura.

Vagem holandesa com batatas ao molho de tomate rústico

Vagem holandesa com batatas ao molho de tomate rústico

400 g de vagem holandesa
400 g de batata bolinha
300 g de tomate cereja
2 dentes de alho
60 – 120 ml de água
azeite, coentro, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente funda em fogo médio. Regue com um fio de azeite e refogue os dentes de alho amassados até ficarem aromáticos. Corte as batatas em cubos pequenos e acrescente à panela mexendo para dourarem levemente. Derrame a água até cobrir todas as batatas e aumente o fogo para começar a ferver. Abaixe o fogo e cozinhe por 5 minutos mantendo uma leve fervura.
Depois desse tempo, junte as vagens à panela e cozinhe por mais 3 minutos até que elas fiquem al dente. Caso seja necessário, acrescente mais um pouco de água. Por fim, coloque os tomates inteiros e tempere com sal, pimenta calabresa moída e coentro a gosto. Cozinhe por mais alguns minutos até que os tomates fiquem macios e formem um molho reduzido. Sirva a seguir.

Rende 4 a 6 porções.

A combinação da vagem com a batata e o tomate ficou suave e delicada sem transformar-se em algo sem graça demais. O fato de usar o tomate cereja inteiro e não tomates grandes cortados também acrescentou um toque levemente adocicado ao molho fazendo com que o sabor final ficasse mais complexo.

Dito isso, acho que talvez tenha faltado um quê a mais no tempero. Penso que alguns raminhos de tomilho ou alecrim acrescentados ao prato no final teriam complementado o sabor da batata e casariam muito bem com o gosto final do molho. Numa próxima vez que preparar este prato pretendo testar com novas combinações de ervas para ver como fica. De qualquer maneira, feito desta forma, o prato não deixa a desejar e ficou uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Aquele toque final

Seguindo conselhos e pedidos de uma leitora fiel, a @julianamo, resolvi testar algumas receitas de molhos diferentes para saborear junto com as saladinhas que preparo. Não quis colocar apenas um porque acho que quanto mais variedade e opções temos, melhor. Por isso esperei até conseguir testar pelo menos dois.

Para dar ainda mais variedade, escolhi um mais cremoso e um estilo vinagrete. Ambos são super saudáveis e pouco calóricos o que é ótimo para quem quer continuar mantendo uma alimentação saudável. Mas nada melhor do que ter esses molhinhos para incrementar as nossas saladas, não é mesmo?

Molho cremoso de tofu com gergelim

Molho cremoso de tofu com gergelim

135 g de tofu soft
2,5 ml de óleo de gergelim torrado
2,5 ml de shoyu light
60 ml de vinagre de arroz
1 dente de alho amassado
1 col. de sopa de coentro picado
1 col. de sopa de cebolinha picada
2 col. de chá de mel
pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Escorra bem o tofu para retirar o excesso de água. Junte todos os ingredientes e misture num processador de alimentos. Bata bem até ficar homogêneo e cremoso.

Rende 10 col. de sopa e pode ser guardado bem tampado por 3 dias na geladeira.

Vinagrete de pepino com ervas

Vinagrete de pepino com ervas

100 g de pepino
30 ml de azeite
15 ml de vinagre de vinho branco
1 col. de sopa de salsinha picada
1 col. de sopa de cebolinha picada
1 col. de sopa de iogurte desnatado
1/2 col. de chá de mostarda dijon
1/2 col. de chá de açúcar
1 pitada de sal

Modo de preparo:
Descasque o pepino, corte ao meio no sentido do comprimento e retire as sementes. Corte em pedacinhos e leve ao multiprocessador junto com os demais ingredientes. Bata até ficar homogêneo.

Rende 10 col. de sopa e pode ser guardado num recipiente hermeticamente fechado na geladeira de 3 a 4 dias.

O molho de tofu com gergelim é bem marcante. Tudo por causa do óleo de gergelim torrado que mostra todo seu poder mesmo com uma quantidade bem pequena usada. Vá com calma na hora que estiver acrescentando o óleo na receita. Prove e acrescente mais a gosto.

Já o vinagrete de pepino é bem suave e delicado. Ele traz uma sensação refrescante à salada e ajuda a deixá-la leve e saborosa. Uma dica para preparar qualquer tipo de vinagrete é usar a velha medida de 1 parte de vinagre para 3 de azeite. Funciona super bem e fica uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!

As delícias refrescantes da cozinha

Quando estou sem muito tempo para preparar meu almoço gosto de achar receitas super fáceis e praticas para testar. Um simples peito de frango grelhado ou assado é um ingrediente goringa para qualquer refeição leve e saudável mas que pode ficar sem graça se preparado sozinho.

No final das contas, o truque é achar algum molho ou acompanhamento saboroso para incrementar o prato. Opção perfeita para dias quentes de verão, esta receita também cai super bem nas outras estações do ano. Simples, leve e incrivelmente deliciosa, os ingredientes desta “salsa” criam uma combinação única de sabores que nunca tinha provado na vida.

Frango grelhado com salsa de ameixa preta

Frango grelhado com salsa de ameixa preta

1 peito de frango médio
1 col. de chá de azeite
sal, cominho em pó e alho em pó a gosto
1 ameixa preta grande
1/2 cebola roxa
1 col. de chá de vinagre de vinho branco
1 col. de chá de molho de pimenta
sal e coentro a gosto

Modo de preparo:
Tempere o peito de frango com o azeite, o sal, o cominho e o alho em pó. Massageie bem para que fique bem temperado. Leve ao forno pré-aquecido em 220˚C e asse de 15 a 20 minutos ou até ficar no ponto desejado. Cubra para não esfriar e reserve.
Para preparar a salsa, corte a ameixa ao meio e retire o caroço. Pique em cubos médios e despeje numa tigela. Corte a cebola roxa em cubinhos pequenos. Acrescente à tigela e regue com o vinagre e o molho de pimenta. Tempere com sal a gosto. Para servir, distribua a salsa fria por cima do peito de frango quente e decore com folhas de coentro rasgadas a gosto. Saboreie com arroz selvagem e legumes verdes ao vapor.

Uma das melhores coisas que percebi ao provar este prato foi a sensação refrescante de combinar frutas frescas com a cebola, o vinagre e a pitada de pimenta. A combinação criada transformou um simples peito de frango assado numa refeição sofisticada e leve ao mesmo tempo. Nada melhor para uma segunda-feira à tarde.

Outra vantagem desta receita é que você pode preparar a salsa horas antes de finalizar o almoço. É possível, até, fazer a salsa com um dia de antecedência e deixá-la guardada na geladeira. Na hora de comer basta preparar o frango, derramar a mistura de ameixa por cima e temperar com o coentro a gosto. Aproveite um dia corrido para provar este prato. Tenho certeza que vai se deliciar.

Por hoje é só.

Bon appetit!