Aprendendo coisas novas

Às vezes não há nada melhor do que uma receitinha simples e básica para complementar o almoço. As conservas são ótimas para preservar os legumes e vegetais fresquinhos por mais algum tempo, além de acrescentar um sabor delicioso à comida. E quando são feitas em casa ganham todo um gostinho especial.

Sempre tive vontade de fazer conservas caseiras, mais no sentido de aprender como são feitas do que para substituir as versões industrializadas que compro. Depois de provar esta, percebi que as conservas feitas em casa são bem mais saborosas do que as compradas prontas. Agora vou ter que comprar muitas verduras para aproveitar essa minha nova descoberta na cozinha.

Abobrinha em conserva

Abobrinha em conserva

360 ml de vinagre de arroz
300 g de abobrinha em rodelas finas
2 col. de sopa de açúcar
1 col. de sopa de sal
pimenta calabresa em flocos a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela, junte o vinagre de arroz com o sal e o açúcar. Mexa bem para incorporar tudo. Leve ao fogo baixo e aqueça, sem deixar ferver, mexendo constantemente por alguns minutos até dissolver o sal e o açúcar completamente. Você pode também levar ao micro-ondas por 30 segundo para terminar de dissolver os cristais.
Lave bem a abobrinha e jogue fora as pontas. Corte em rodelas finas, ou na espessura que preferir, e mergulhe na mistura de vinagre. Acrescente a pimenta calabresa em flocos a gosto e mexa certificando-se que todo o legume esteja coberto. Leve à geladeira por pelo menos 6 horas antes de servir.
A conserva pode ser guardada na geladeira por 5 dias.

Esta versão de conserva de abobrinha usou vinagre de arroz e pimenta calabresa em flocos para dar um toque oriental ao sabor final, mas você pode usar vinagre de vinho branco normal caso prefira. Como eu gosto muito do sabor do vinagre de arroz, achei esta versão da conserva super saborosa e não mudaria nada.

Vale ressaltar que esta conserva caseira fica com o sabor do vinagre bem ressaltado. As versões industrializadas usam mais sal e açúcar para suavizar o sabor, o que é uma opção caso você não goste muito do sabor forte do vinagre. De qualquer maneira, a versão caseira tem um gosto mais natural do que as compradas prontas, o que, para mim, é sempre uma vitória.

Por hoje é só.

Bon appetit!

A globalização da culinária

A globalização que vivemos hoje já atingiu tantos níveis da sociedade que não tinha como a gastronomia ficar de fora. Por um lado isso é ótimo já que permite que todos conheçam as diversas culinárias que existem no mundo. O problema é que com essa globalização inevitavelmente ocorrem também a generalização das comidas.

Explico: muitos pratos típicos de algumas regiões são alterados ou modificados levemente para adequar-se ao paladar do local em que são introduzidos. Com isso, corre-se o risco de várias comidas, teoricamente diferentes, acabarem ficando com sabor extremamente parecido.

Bife mongol

Bife mongol

10 ml de shoyu
1/2 col. de sopa de açúcar
1/2 col. de sopa de maizena
1 col. de chá de molho de ostra
1 col. de chá de vinagre de arroz
1 col. de chá de curry vermelho
100 g de filé mignon
200 g de abobrinha
10 g de cebolinha
1 dente de alho
azeite, gengibre, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela pequena, junte o shoyu, o açúcar, a maizena, o molho de ostra, o vinagre de arroz e o curry vermelho até que fique bem homogêneo. Reserve.
Aqueça uma panela wok antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue o dente de alho amassado até que fique aromático. Acrescente a abobrinha cortada em tirinhas e refogue por 2 minutos até começar a amolecer. Acrescente a carne cortada em tiras e refogue por alguns minutos até que fique quase no ponto.
Junte a cebolinha cortada também em tirinhas, salpique com gengibre em pó e sal a gosto e mexa mais um pouco. Derrame o molho reservado e a pimenta calabresa a gosto. Termine de mexer até o molho encorpar levemente e a carne atingir o ponto desejado. Sirva com arroz integral ou jasmim.

Muitos já devem ter achado que as comidas de países asiáticos como a China, Tailândia, Indonésia e Vietnã são todas iguais. A verdade é que elas possuem verdadeiras semelhanças, até pela proximidade dos países o que acaba resultando numa familiaridade entre os ingredientes usados.

Apesar disso, todas essas culinárias possuem toques diferentes e quando são apreciadas da maneira original podem ser identificadas pelo que realmente são. A receita de hoje trás toques especiais da Mongólia, mas certamente a receita que testei não deixa de ter também elementos dessa culinária “globalizada”. Acho que para comer um bife mongol de verdade só mesmo indo visitar a Mongólia. Quem sabe um dia, não é?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Rapidez garantida

Tem dias que não sabemos como fazer para incluir legumes e verduras na nossa alimentação sem ter que recorrer àquela velha combinação: carne assada + legumes cozidos no vapor. Certamente esta opção é uma das mais saudáveis e deve mesmo fazer parte da alimentação diária.

Mas quando encontro receitas como esta de hoje que levam esta combinação para outro nível e dão uma pequena adaptada tenho que provar. Nada melhor do que achar opções para variar um pouco as refeições de todos os dias podendo ainda incluir os tão importantes legumes variados que existem.

Linguado envolto em abobrinha

Linguado envolto em abobrinha

2 filés pequenos de linguado
100 g de abobrinha
suco de 1 limão
30 ml de vinho branco
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Tempere o peixe com sal e pimenta a gosto e reserve. Com o auxílio de um fatiador de legumes, corte a abobrinha em tiras finas no sentido longitudinal de modo que fique da grossura da abobrinha inteira.
Com cuidado, posicione um dos filés de linguado por cima de uma das fatias de abobrinha. Enrole e firme com palitos para não abrir. Repita o procedimento com o outro filé e a outra fatia de abobrinha.
Pré-aqueça o forno em 200˚C. Arrume os filés de peixe numa forma refratária antiaderente de maneira que o feixe da abobrinha enrolada fique por baixo para não abrir. Derrame o vinho branco e o suco de limão envolta dos peixes. Leve para assar por 10 minutos ou até atingir o ponto desejado. Sirva com arroz selvagem.

O linguado é um dos peixes mais suaves que existe. Com isso, ele aceita praticamente qualquer acompanhamento no prato. Outra vantagem é que, por ser tão delicado, ele cozinha muito rápido. Às vezes 10 minutos em forno a 200˚C já é demais. Fique de olho e tire o peixe assim que ficar opaco para não ficar mole demais e correr o risco de se desmanchar.

Adorei esta receita por ela ser absurdamente fácil e rápida de preparar. Ao todo gastei 15 minutos entre arrumar os filés e terminar de assá-los. Para facilitar ainda mais a sua vida, aconselho comprar as abobrinhas já fatiadas. Assim elas vem já no formato e tamanho perfeitos para fazer o prato.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Uma releitura dos clássicos

Ratatouille é um prato típico da cozinha francesa. Feito com uma variedade de vegetais cozidos numa panela funda, ele fica perfeito como acompanhamento para todo tipo de carne ou prato principal de um sofisticado almoço ou jantar. Fácil de fazer, o ratatouille é tão conhecido que virou até nome de um filme de desenho animado bastante premiado.

A dica que trago hoje não é a receita do típico ratatouille mas usando os mesmos ingredientes da base podemos fazer adaptações para transformar outros pratos em combinações deliciosas. Para os puristas esta receita pode parecer um sacrilégio, mas para mim ficou uma delícia e conseguiu manter a essência do delicioso ratatouille.

Ratatouille de frango grelhado

Ratatouille de frango grelhado

1 peito de frango
100 g de abobrinha
100 g de berinjela
100 g de tomate
50 g de cebola
100 g de pimentão verde
1 col. de sobremesa de azeite
1 col. de sobremesa de vinagre balsâmico
sal, pimenta, manjericão e manjerona a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça uma grelha elétrica em temperatura alta. Numa tigela, misture o azeite, o vinagre balsâmico e as ervas picadas até ficarem bem homogêneas. Tempere com sal e pimenta a gosto. Corte os vegetais em rodelas médias e unte generosamente com a mistura de temperos até cobrir tudo. Derrame o restante do molho por cima do frango para temperar por completo.
Posicione primeiro o peito de frango na grelha e deixe cozinhar por 10 minutos virando de vez em quando. Depois, coloque o pimentão e a abobrinha na grelha. Grelhe de 5 a 7 minutos virando de vez em quando até ficarem macios. Acrescente a berinjela e a cebola e grelhe por 5 minutos. Por fim, coloque o tomate e deixe apenas 2 ou 3 minutos.
Sirva em seguida acompanhado de arroz selvagem.

O bom desta receita é a simplicidade e rapidez com que fica pronta. Perfeito para um dia quente de verão, nada impede que seja feito também em dias frios ou chuvosos como os que temos tido nas últimas semanas. Outra vantagem deste prato é que inclui uma variedade deliciosa de vegetais super saudáveis e indispensáveis para nossa alimentação.

Os ingredientes clássicos do ratatouille são a cebola, a berinjela e a abobrinha. Entretanto, o acréscimo do tomate e do pimentão ajuda a completar a miscelânea de cores do prato. Você também pode escolher outros caso prefira, como a cenoura, batata ou mandioquinha. O importante é ter a maior variedade possível.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Os saborosos renegados

Às vezes fico me perguntando, porque será que livros e sites de receitas dão tanto destaque aos pratos principais das refeições e renegam os coitados dos acompanhamentos para um canto sem dar a menor importância a eles? Convenhamos, é bem difícil achar uma boa receita de acompanhamento fácil, gostoso e saudável nos tantos livros de culinária que existem.

Por sorte, passo tanto tempo procurando especificamente opções de acompanhamentos para minhas refeições que acabo encontrando algumas pérolas perdidas por aí. A dica que trago hoje é uma dessas, super fácil de fazer e absolutamente deliciosa. Confiram.

Ragu de grão de bico

Ragu de grão de bico

1/2 caixa de grão de bico em conserva
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
100 g de cenoura em rodelas
100 g de abobrinha em rodelas
2 col. de sopa de extrato de tomate
240 ml de caldo de frango
azeite, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho picados até amaciarem e ficarem aromáticos. Acrescente a cenoura cortada e refogue por mais alguns minutos para começar a cozinhar. Junte o extrato de tomate e mexa bem para incorporar todos os ingredientes. Despeje o caldo de frango, deixe ferver e cozinhe em fogo baixo mantendo uma leve fervura por 5 minutos.
Adicione a abobrinha e continue cozinhando por mais 3 minutos. Por fim, junte o grão de bico escorrido e lavado para retirar o excesso de sal. Tempere com sal e pimenta calabresa a gosto e deixe ferver por mais alguns minutos até o molho reduzir bem e engrossar levemente. Sirva como acompanhamento de um belo filé de salmão grelhado.

Nesta receita vale ressaltar a importância de seguir os passos da maneira certinha. Como a cenoura demora mais tempo para cozinhar e amolecer do que a abobrinha ela precisa ser acrescentada bem antes no processo de cozimento. É importante também deixar para colocar a abobrinha bem no final para que não fique mole demais.

Como sempre, as medidas e quantidades que dou na minha versão da receita são perfeitas para fazer o prato para uma pessoa só comer naquela hora. Entretanto, este prato é tão delicioso que valeria a pena fazer o dobro, usar a caixa inteira de grão de bico e guardar o resto do prato para saborear numa outra hora.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Gostosura caseira

Quem não gosta de saborear uma bela pizza num sábado à noite? Quem mora em São Paulo sabe que o horário clássico de degustar dessa delícia italiana é depois das 18hrs. Entretanto, como não sou paulistana nata, defendo que também podemos comer uma pizza na hora do almoço e, principalmente, uma divinamente feita em casa.

Mas para quem mora sozinho ou não tem muita prática com massas e outros quitutes de padaria, vale comprar os discos individuais pré-prontos. Práticos, eles são ótimos para matar aquela vontade de comer pizza sem ter o trabalho de fazer ou pedir uma inteira só para você. E o melhor, em menos de 10 minutos aquecendo na frigideira já está pronta. Fantástico, não?

Mini pizza integral de vegetais

Mini pizza integral de vegetais

1 disco de pizza individual integral
100 g de abobrinha fatiada
100 g de berinjela fatiada
100 g de tomate em rodelas
1 pimentão vermelho em conserva
50 g de ricota em rodelas finas
3 col. de sopa de molho de tomate
azeite a gosto

Modo de preparo:
Antes de começar, arrume todos os ingredientes da pizza no balcão onde estiver preparando o prato. Com isso, é possível agilizar o preparo da receita. Corte a abobrinha, a berinjela e o tomate em fatias finas. Corte a ricota em rodelas e separe as metades do pimentão vermelho em conserva.
Aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio e coloque o disco de pizza para esquentar. Deixe dourar 2 minutos de cada lado ou até que comece a formar pequenas bolhas na massa indicando que ela está cozinhando.
Com a pizza ainda na frigideira, espalhe o molho de tomate e arrume as rodelas de ricota. Coloque as fatias dos vegetais por cima do queijo e finalize com o pimentão vermelho em conserva. Regue com azeite a gosto. Transfira para uma assadeira e leve ao forno médio pré-aquecido em 230˚C. Deixe dourar de 3 a 5 minutos. Sirva a seguir.

Nesta versão da pizza, os vegetais não chegam a ficar completamente cozidos. Gosto de fazer assim pois eles mantêm sua textura crocante e o sabor clássico de cada um. Entretanto, se você preferir pode grelhar cada fatia de abobrinha e berinjela antes de adicioná-las à pizza. Apenas o tomate não deve ser grelhado já que solta muita água no processo.

Os legumes que funcionam melhor no preparo deste prato são realmente a berinjela e a abobrinha por seu formato longo e a facilidade de fatiá-los no sentido do comprimento. Entretanto, vale experimentar com outras opções dependendo do gosto de cada um. Cenoura, batata doce e abóbora também fariam uma bela combinação.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Conforto e sabor caseiro

Para mim, uma noite fresquinha de outono é sinônimo de um bom filme, uma taça de vinho e um delicioso prato de sopa caseira. Seja sozinha ou acompanhada, adoro saborear um gostoso caldinho feito com amor e temperos criativos. E a melhor parte é que podemos abusar da imaginação para brincar com as mais diversas combinações de ingredientes.

Mas, sempre que possível, procuro novas receitas para nunca correr o risco de cair na mesmice. Minha casa já virou praticamente uma biblioteca de livros de culinária dos mais diversos assuntos e cantos do mundo. Para hoje, escolhi uma sopa de um livro que conta os benefícios de incluir grãos integrais variados na alimentação. E o mais importante, ficou uma delícia.

Sopa de abobrinha, cevadinha e shitake

Sopa de cevadinha, abobrinha e shitake

45 g de cevadinha crua
1/2 cebola
1 dente de alho
500 ml de caldo de vegetais
1 folha de louro
150 g de shitake fresco
200 g de abobrinha
azeite, tomilho, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho e a cebola picados até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a cevadinha e refogue de 30 segundos a 1 minuto. Despeje o caldo de vegetais e coloque a folha de louro. Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe mantendo uma leve fervura até que a cevadinha fique pronta (entre 40 e 50 minutos).
Retire a folha de louro e acrescente o shitake e a abobrinha cortados em tiras finas. Coloque alguns ramos de tomilho fresco a gosto. Cozinhe por mais 5 a 8 minutos até que os vegetais fiquem macios. Caso o caldo tenha evaporado todo, acrescente mais um pouco para que a sopa atinja a consistência desejada.
Tempere com sal e pimenta a gosto e saboreie acompanhado de uma bela salada verde.

Apesar do caldo ter evaporado quase todo enquanto cozinhava a cevadinha acabei colocando bem pouco depois para terminar de preparar a sopa. Isso porque eu prefiro que o caldo da receita fique um pouco mais grosso. No final acrescentei apenas mais meia xíc. de chá de água.

Como queria preparar um prato verdadeiramente vegetarianos optei por usar caldo de vegetais na hora do preparo da sopa. Entretanto, se você preferir pode usar caldo de carne ou de galinha na hora de cozinhar a cevadinha. Outra opção é incluir alguns pedaços de carne à receita. A combinação fica deliciosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!