Para facilitar

Não é de hoje que comento o quanto os refogados orientais são pratos práticos e rápidos para um dia corrido. Seja no almoço ou jantar, estes salteados básicos preparados na frigideira grande e funda, típica asiática, a wok, ainda ajudam a acrescentar legumes e verduras na nossa alimentação.

Por serem super fáceis e fazer e usarem praticamente nada de gordura na preparação, estes pratos são perfeitos para consumir no dia a dia. Aqui a única ressalva que vale fazer é quanto ao uso do shoyu. Como este molho japonês é bastante salgado, não é preciso salgar mais nada os ingredientes. Além disso, aconselho usar a versão light que contem bem menos sódio que a tradicional.

Refogado de frango com brócolis

Refogado de frango com brócolis

1 peito de frango em cubos
100 g de floretes de brócolis
50 g de cebola roxa cortada em quadrados médios
1 dente de alho amassado
azeite, shoyu e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela wok em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho até ficar aromático. Junte o frango cortado em cubinhos e mexa até começar a cozinhar. Acrescente a cebola e os floretes de brócolis e refogue até amaciarem bem.
Vá adicionando o shoyu a gosto enquanto refoga para temperar e evitar que os ingredientes grudem na panela. Por fim, salpique pimenta calabresa a gosto. Sirva com arroz integral e uma salada.

Por ser uma receita básica, estes salteados admitem inúmeras variações de ingredientes e sabores. Alguns outros que já publiquei aqui, como o salteado simples de carne com vegetais e o frango com castanha à moda tailandesa, são apenas mais algumas sugestões para deixar seu jantar mais saboroso e práticos nessas noites corridas de segunda-feira.

Para a receita de hoje apenas juntei o que tinha na geladeira. Alias, o brócolis que usei ainda era da versão congelada comprada pré-pronta, só para facilitar ainda mais minha vida. Caso prefira usar os legumes frescos, siga como mencionei anteriormente na receita. Mas se for usar a versão congelada, vale dar um choque térmico no brócolis em água fervendo para depois mergulhar na água gelada. Assim ele estará pronto para ser refogado junto com os demais ingredientes.

Por hoje é só.

Bon appetit!

A globalização da culinária

A globalização que vivemos hoje já atingiu tantos níveis da sociedade que não tinha como a gastronomia ficar de fora. Por um lado isso é ótimo já que permite que todos conheçam as diversas culinárias que existem no mundo. O problema é que com essa globalização inevitavelmente ocorrem também a generalização das comidas.

Explico: muitos pratos típicos de algumas regiões são alterados ou modificados levemente para adequar-se ao paladar do local em que são introduzidos. Com isso, corre-se o risco de várias comidas, teoricamente diferentes, acabarem ficando com sabor extremamente parecido.

Bife mongol

Bife mongol

10 ml de shoyu
1/2 col. de sopa de açúcar
1/2 col. de sopa de maizena
1 col. de chá de molho de ostra
1 col. de chá de vinagre de arroz
1 col. de chá de curry vermelho
100 g de filé mignon
200 g de abobrinha
10 g de cebolinha
1 dente de alho
azeite, gengibre, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela pequena, junte o shoyu, o açúcar, a maizena, o molho de ostra, o vinagre de arroz e o curry vermelho até que fique bem homogêneo. Reserve.
Aqueça uma panela wok antiaderente e regue com um fio de azeite. Refogue o dente de alho amassado até que fique aromático. Acrescente a abobrinha cortada em tirinhas e refogue por 2 minutos até começar a amolecer. Acrescente a carne cortada em tiras e refogue por alguns minutos até que fique quase no ponto.
Junte a cebolinha cortada também em tirinhas, salpique com gengibre em pó e sal a gosto e mexa mais um pouco. Derrame o molho reservado e a pimenta calabresa a gosto. Termine de mexer até o molho encorpar levemente e a carne atingir o ponto desejado. Sirva com arroz integral ou jasmim.

Muitos já devem ter achado que as comidas de países asiáticos como a China, Tailândia, Indonésia e Vietnã são todas iguais. A verdade é que elas possuem verdadeiras semelhanças, até pela proximidade dos países o que acaba resultando numa familiaridade entre os ingredientes usados.

Apesar disso, todas essas culinárias possuem toques diferentes e quando são apreciadas da maneira original podem ser identificadas pelo que realmente são. A receita de hoje trás toques especiais da Mongólia, mas certamente a receita que testei não deixa de ter também elementos dessa culinária “globalizada”. Acho que para comer um bife mongol de verdade só mesmo indo visitar a Mongólia. Quem sabe um dia, não é?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Adaptações caseiras

Desde que vim morar em São Paulo, há um ano e quatro meses, apaixonei-me perdidamente pela culinária japonesa. Também, não é para menos. Não sei os números exatos, mas se existem 6 mil pizzarias aqui na capital, certamente existem pelo menos 4 mil restaurantes japoneses, entre os mais tradicionais e as temakerias ou outras variedades com comida “rápida”.

Já provei de tudo: sushi, tempurá, yakisoba, temaki, tepan. Mas meu preferido com certeza é o bom e simples sashimi. Se pudesse, comeria num restaurante japonês diferente cinco dias na semana. O problema é que não é uma comida exatamente barata. E dá para entender. Peixes frescos de boa qualidade também não são todos baratos e para comê-los cru tem que ser o melhor, certo?

Banquete japonês caseiro

Banquete japonês caseiro

150 g de atum fresco
100 g de edamame congelado
azeite e shoyu light a gosto

Modo de preparo:
Pegue uma faca bem afiada e vá cortando o atum em tiras finas em sentido diagonal do filé. Respeite também o comprimento natural do peixe.
Ferva 300 ml de água e derrame o edamame congelado. Quando voltar a ferver, cozinhe por 2 a 3 minutos e escorra. Sirva regado com um fio de azeite.

Tudo bem que este banquete não é lá um BANQUETE, mas resolvi fazer para mim numa noite qualquer na qual me bateu uma vontade absurda de comer sashimi mas estava com preguiça de sair de casa. Como tinha um filé lindo de atum em casa resolvi testar minhas habilidades de sushiwoman para ver no que dava.

Confesso que não ficou perfeito, certamente precisaria de algumas horas de aula com um profissional da área para conseguir cortar o sashimi da maneira correta. Mas meu jantarzinho singelo ficou uma delícia! O edamame geralmente é servido salpicado de sal grosso mas eu prefiro comê-lo regado com azeite. No fim ficou tudo divino e a conta saiu bem mais barata. Melhor impossível.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Jantar sem complicações

Depois da comemoração de ontem pelos nove meses de blog, estou de volta com outra receita super prática para continuar no clima da correria da semana. Este prato requer um pouco de preparo prévio, mas na hora de cozinhar ele fica pronto em menos de 10 minutos. Perfeito para um jantar express depois de um dia longo no trabalho.

O clássico salteado oriental preparado na panela wok admite uma infinidade de combinações de ingredientes. Às vezes me divirto pegando a primeira coisa que vejo na geladeira para criar pratos novos. O segredo é escolher uma boa dose de legumes crocantes, uma fonte de proteína gostosa e um molho básico para arrematar. Esta versão que criei ficou especialmente gostosa.

Salteado simples de carne com vegetais

Salteado simples de carne com vegetais

100 g de coxão mole
100 g de vagem
100 g de pimentão
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
1 col. de sopa de cebolinha picada
10 ml de shoyu light
30 ml de caldo de galinha
15 ml de molho de ostra oriental
5 ml de vinagre de arroz
1 col. de chá de maizena
azeite e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Corte a carne, a vagem e o pimentão em tiras finas e reserve. Pique a cebola e o alho. Numa tigela, misture o shoyu, o caldo de galinha, o molho de ostra, o vinagre e a maizena. Mexa bem até ficar completamente homogêneo.
Aqueça uma frigideira wok em fogo médio e regue com um fio de azeite. Comece refogando a cebola e o alho até ficarem macios. Acrescente a carne e mexa constantemente até começar a dourar. Por fim, junte a vagem e o pimentão e continue mexendo até que tudo esteja cozido mas ainda al dente.
Derrame o molho e mexa até engrossar um pouco (aprox. 3 minutos). Sirva acompanhado de arroz branco ou integral e salpicado com a cebolinha picada e a pimenta calabresa.

O mais importante para lembrar quando estamos preparando salteados deste estilo na wok é deixar todos os ingredientes pré prontos e cortados e deixar o molho pronto numa tigela. Todos este passos são essenciais já que depois que começa o processo de cozimento dos alimentos, o tempo total de preparo não passa de 10 minutos. Tudo fica pronto super rápido.

Com certeza este não será o último salteado oriental que irei preparar na vida. Realmente adoro esta receita já que ela permite várias substituições e funciona muito bem num dia corrido. Quando sei que vou chegar em casa tarde à noite, já deixo os ingredientes pré cortados e guardados na geladeira. Assim, depois de chegar em casa meu jantar fica pronto num flash. E fica absolutamente delicioso.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Uma complexidade de sabores

Já publiquei aqui no blog diversas receitas super gostosas e nutritivas feitas com cevadinha, esse grão integral tão maravilhoso e indispensável para quem deseja ter uma alimentação saudável. Uma das minha preferidas é a sopa de cevadinha com carne, absolutamente deliciosa e perfeita para essas noites frias de inverno.

A receita de hoje é parecida com outra que também já publiquei aqui mas tem um toque diferente. Ao invés de servir como uma espécie de risoto, como é o caso desta outra receita, a de hoje transforma-se numa deliciosa salada diferente. Aproveite um dia mais calmo para brincar e testar novos sabores na cozinha. Assim aprendemos e descobrimos coisas maravilhosas.

Salada de cevadinha tostada com vagem e shitake

Salada de cevadinha tostada com vagem e shitake

45 g de cevadinha
400 ml de água
100 g de shitake
100 g de vagem
5 ml de óleo de gergelim torrado
5 ml de shoyu
1 sache de mel
1 dente de alho
1 col. de sopa de cebolinha
gengibre a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma panela antiaderente e regue com o óleo de gergelim torrado. Toste a cevadinha, mexendo sempre, por alguns minutos até que fique aromática. Despeje os 400 ml de água fervente, abaixe o fogo e cozinhe mantendo uma leve fervura por 40 a 50 minutos ou até que a cevadinha fique macia.
Enquanto isso, ferva mais 300 ml de água e cozinhe a vagem por 3 a 5 minutos até que fique al dente. Escorra e coloque a vagem numa bacia com água e gelo para parar o cozimento. Reserve.
Aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio e refogue o shitake fatiado até começar a murchar. Acrescente a cevadinha já cozida e escorrida e a vagem. Mexa bem para incorporar todos os ingredientes e aquecer levemente.
Numa tigela, misture o shoyu com o mel, o dente de alho amassado e o gengibre em pó a gosto. Na hora de servir, regue a salada com o molho e salpique cebolinha picada a gosto. Sirva com um mix de folhas verdes para um jantar vegetariano numa noite especial.

O fato de usar o óleo de gergelim torrado para tostar a cevadinha no início da receita traz um nível de sabor ao prato indescritível. Por ser bastante impactante, recomendo que tenham muito cuidado ao utilizar o óleo. Um pequeno fio já é mais do que suficiente para trazer esse sabor diferente e inovador à receita.

Outro toque especial desta receita é justamente a leve tostada dada à cevadinha antes de cozinhá-la. Esse grão tem naturalmente um sabor com leves toque de nozes. Ao tostá-la, esse sabor é liberado e ajuda a elevar a complexidade do prato final. Recomendo degustar desta salada em temperatura ambiente depois que tenha esfriado um pouco do final do preparo.

Por hoje é só.

Bon appetit!

As maravilhas das frutas frescas

Ultimamente tenho adorado passear pelo mundo dos molhos à base de frutas. Além de trazerem um toque adocicado delicioso elas deixam os pratos super saborosos sem carregá-los demais. E não há nada mais refrescante do que saborear uma refeição leve e deliciosa, não é mesmo?

A versatilidade das frutas é incrível já que além de serem uma ótima base para molhos cremosos também funcionam muito bem como salsas fresquinhas e deliciosas. Esta outra receita que publiquei há algumas semanas mostra bem como um mesmo ingrediente pode ser usado em preparações completamente diferentes. Ambas ficaram uma delícia.

Filé mignon ao barbecue de ameixa preta

Filé mignon ao barbecue de ameixa preta

1 medalhão de filé mignon
1 ameixa preta média
50 g de cebola picada
1 dente de alho picado
1 col. de sopa de mel
1 col. de sopa de vinagre de arroz
1 col. de sopa de ketchup
1 col. de sopa de mostarda forte
1 col. de chá de shoyu light
1 col. de café de gengibre em pó
1 anis estrelado
1 cravo da índia
azeite, sal e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Primeiro prepare o filé. Tempere com sal e pimenta a gosto e leve para assar em forno pré-aquecido a 200˚C por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado.
Enquanto o filé assa, prepare o molho. Aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue a cebola e o alho picados por alguns minutos até ficarem macios e aromáticos. Acrescente a ameixa cortada em cubos e mexa para começar a cozinhar.
Junte os demais ingredientes e coloque na panela. Mexa bem para que tudo fique incorporado. Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe por 10 minutos mantendo uma leve fervura até que a ameixa fique bem macia e o molho engrosse um pouco.
Retire o filé do forno e despeje o molho por cima. Retorne ao forno e asse por mais 5 minutos. Sirva em seguida acompanhado de arroz selvagem e legumes no vapor.

A receita original sugeria servir este molho por cima de lombo de porco assado. Entretanto, como tinha este suculento filé mignon em casa resolvi preparar com a carne mesmo. O sabor agridoce ficou super saboroso e com certeza combinaria muito bem com carne de porco ou até um carré de cordeiro assado.

De modo geral, molhos à base de frutas são perfeitos para qualquer tipo de carne. As salsas frescas servidas frias combinam melhor com carnes brancas como peixes e frangos. Já os molhos mais elaborados e cozidos, como este de hoje, são ótimos para carnes mais marcantes e pesadas. De qualquer maneira, acrescentar frutas aos pratos principais transforma as refeições em experiências deliciosas.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Uma deliciosa combinação de sabores

Peixes brancos e delicados como a tilápia podem ficar sem graça se preparados sem o devido amor e carinho necessários. Isso porque quando assados puros eles possuem um sabor muito suave e quase imperceptível. Incrementá-los com alguns temperos torna-se indispensável.

Ao mesmo tempo, essa característica especial desses peixes, ao contrário de outros mais marcantes como o salmão, o atum ou a sardinha, faz com que eles consigam incorporar uma imensidade de sabores e especiarias diferentes. Com isso, um simples filé de tilápia pode transformar-se na refeição que você desejar, basta escolher os temperos certos.

Tilápia cítrica agridoce

Tilápia cítrica agridoce

1 filé de tilápia médio
30 ml de suco de laranja fresco
15 ml de suco de limão fresco
1 col. de chá de açúcar mascavo
1 dente de alho
1 col. de sobremesa de azeite
1 col. de chá de shoyu light
1/2 col. de chá de cominho em pó
sal, pimenta e pimenta calabresa a gosto

Modo de preparo:
Tempere a tilápia com sal e pimenta a gosto e arrume numa forma refratária antiaderente. Numa tigela, misture os sucos cítricos, o açúcar, o dente de alho amassado, o azeite, o shoyu e o cominho em pó. Mexa bem até ficar completamente dissolvido. Derrame a mistura por cima do peixe e deixe marinando por pelo menos 30 minutos.
Leve para assar em forno pré-aquecido em 200˚C por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado. Salpique pimenta calabresa moída por cima e sirva acompanhado de arroz sete grãos.

No fundo esta receita é bastante simples, todo o sabor vem da rápida marinada feita para o filé de tilápia. A combinação de sabores cítricos, doces e picantes traz uma complexidade fantástica e incorpora-se brilhantemente com a delicadeza do peixe. Além disso, a açúcar ajuda a caramelizar a tilápia enquanto está assado fazendo com que o sabor final fique simplesmente espetacular.

O bom desta marinada é que ela não funciona apenas para peixes. Experimente prepará-la para temperar um filé de peito de frango ou fatias de lombo de porco. De modo geral, qualquer carne branca que seja mais delicada irá incorporar muito bem a grande variedades de sabores presentes nesta receita. Fica uma delícia.

Por hoje é só.

Bon appetit!