Para festejar o retorno

Depois de um mês de férias “forçadas” o blog está de volta! E para comemorar, vou trazer para vocês esta semana um cardápio completo de delícias para fazer um jantar sofisticado e romântico para aquela pessoa especial na sua vida. Dessa vez o mote “culinária saudável” não será o foco das receitas.

Não que este cardápio seja de todo péssimo. Mas digamos que não seria uma boa opção para fazer rotineiramente. Aproveite as dicas de receitas desta semana para ocasiões especiais. Afinal, de vez em quando é permitido sair da dieta balanceada que nos esforçamos tanto diariamente para seguir. Todos merecemos um dia de extravagâncias.

Lombinho com crosta de pão e amêndoas ao molho de barbecue de ameixa

Lombinho com crosta de pão e amêndoas ao molho de barbecue de ameixa

1 peça de lombo de porco magra (aprox. 1kg)
3 col. de sopa cheias de manteiga light
2 fatias de pão integral
30 g de amêndoas em lascas
sal, pimenta e sálvia a gosto

para o molho
100 g de ameixa fresca ou congelada
1 col. de sopa cheia de mostarda
2 col. de sopa de mel

Modo de preparo:
Tempere o lombinho com sal, pimenta do reino moída na hora e sálvia a gosto. Arrume num refratário e cubra com papel alumínio. Leve à geladeira e deixe marinando no tempero por pelo menos 4 horas.
Derreta a manteiga numa tigela no micro-ondas apenas para que fique líquida. Não deixe esquentar demais ou ferver. Despeje a manteiga por todo o lombinho de forma que ele fique completamente besuntado.
Triture as fatias de pão integral num multiprocessador até que fique completamente esfarelado. Junte as amêndoas em lascas e triture mais um pouco para que fiquem em pequenos pedaços. Espalhe a mistura de pão com amêndoas por cima do lombinho para que fique completamente coberto.
Cubra novamente com o papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido a 230˚C por 50 minutos. Retire a cobertura e volte ao forno para gratinar a crosta de pão (aproximadamente mais 10 minutos).
Enquanto o lombinho assa, prepare o molho de barbecue de ameixa. Junte a ameixa, a mostarda e o mel numa panela pequena e aqueça em fogo baixo. Mexa bem até que tudo fique incorporado e aquecido. Não é necessário ferver. Ajuste as quantidades de mel e mostarda a gosto.
Retire o lombo do forno, corte em fatias e sirva regado com o molho de barbecue de ameixa.

Rende de 6 a 8 porções.

Esta receita é uma clássica da minha mãe. Sempre que tem almoços ou jantares especiais lá em casa ela prepara este prato e todos sempre amam. Tudo bem que eu fiz minhas mudanças básicas. Por exemplo, ela insiste que o pão tem que ser branco, mas eu acabei comprovando que pão integral funciona tão bem quanto.

Outra mudança que fiz foi acrescentar o molho de barbecue de ameixa para servir como acompanhamento do lombinho. Senti que faltava alguma coisa para deixar a carne de porco mais molhadinha, já que usei bem menos manteiga do que a quantidade indicada por ela. Sem contar que molhos adocicados à base de frutas são perfeitos para acompanhar lombinhos. No fim ficou uma delícia!

Por hoje é só.

Bom appetit!

Anúncios

Superando desafios

Hoje começo já confessando uma coisa. Nunca fui muito fã de nhoque. Sim, eu sei, é super clássico, um prato extremamente adorado na Itália e parte das refeições mais tradicionais do País. Aqui em São Paulo tem até o tal do dia do Nhoque, no qual todo dia 29 do mês é dia de comer nhoque para ter muita fortuna nas semanas seguintes.

Meu problema com esse coitado era que sempre achei pesado demais, com muito gosto de batata e nada que me lembrasse uma massa ou macarrão saboroso. Isso até que conheci esta receita que trago para vocês hoje. Não só foi a minha primeira vez fazendo nhoque caseiro (cuja experiência foi super bem sucedida) mas também descobri finalmente uma receita deliciosa e do meu agrado.

Nhoque de mandioquinha com ricota ao sugo e brócolis

Nhoque de mandioquinha com ricota ao sugo e brócolis

200 g de mandioquinha cozida, bem macia
1 gema
5 col. de sopa de farinha de trigo
100 g de ricota
sal a gosto

molho
1/2 lata de tomate pelado
50 g de cebola picada
1 dente de alho amassado
100 g de brócolis em floretes
azeite, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Comece cozinhando a mandioquinha em água salgada até ficar bem macia. Deixe esfriar um pouco e junte a mandioquinha com a gema, a farinha e a ricota esfarelada numa tigela. Misture bem com as mãos até formar uma bola homogênea. Se precisar polvilhe com mais um pouco de farinha.
Transfira a massa para uma superfície enfarinhada e divida em quatro partes. Forme tiras longas e finas com cada parte de modo que fiquem como cobrinhas. Corte cada tirinha em pedaços pequenos de aproximadamente 1 centímetro de largura. Repita com o restante da massa.
Ferva 1 L de água e cozinhe o nhoque em porções por 5 minutos ou até que os pedaços subam até a superfície. Escorra e reserve. Repita até terminar tudo.
Para fazer o molho, refogue a cebola e o alho em um fio de azeite até ficarem aromáticos. Despeje metade da lata de tomate e o brócolis. Cozinhe em fogo médio por 5 a 7 minutos ou até ferver bem e reduzir um pouco. Sirva o nhoque regado com o molho de tomate e brócolis.

Não sei se foi o fato de ter ricota ou se realmente prefiro a mandioquinha por achá-la mais leve que a batata inglesa normal, mas esta receita de nhoque ficou absolutamente deliciosa. O melhor é que ele não me deu a sensação pesada que geralmente sentia quando comia nhoque antes.

Resolvi fazer este molho de tomate com brócolis mais suave para acompanhar o nhoque, mas você pode preparar qualquer molho de sua preferência. O mais clássico, e que cai super bem com esta versão, é o de carne moída, ou tradicional bolonhesa. Mas como sou adepta da inovação, aproveite para usar a imaginação e criar receitas diferentes. Que tipo de molho você escolheria para este prato?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Deixando a inspiração fluir

Tem algum tempinho já que estou tendo dificuldade de encontrar novas receitas para testar. Como sempre procuro variar ao máximo os pratos para ter novidades para postar aqui para vocês, tem sido difícil unir o útil ao agradável encontrando variedades de receitas que sejam leves, saudáveis, me apeteçam e sejam também diferentes das demais.

Mas como já tenho vários meses nessa viagem gastronômica na cozinha, acabo conseguindo ter alguma experiência em fazer pratos da minha cabeça. A receita de hoje não vi em nenhum lugar especificamente. Apenas usei inspirações de outras receitas que já tinha feito para criar esta. E não é que ficou uma delícia?

Tilápia no papelote com aspargo ao missô

Tilápia no papelote com aspargo ao missô

1 filé de tilápia
150 g de aspargo fresco
1 limão siciliano
1 col. de sopa de missô
1 col. de chá de azeite
pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em 200˚C. Lave bem o aspargo e corte em talos médios. Tempere o peixe com pimenta a gosto e reserve. Numa tigela, junte o suco de 1/2 limão siciliano, o missô e o azeite. Misture bem até formar uma pasta homogênea. Junte os talos de aspargo e misture bem para que fique tudo coberto com o molho.
Arrume duas folhas de papel alumínio por cima de uma forma refratária. Corte a outra metade do limão em rodelas e posicione no centro das folhas de alumínio. Coloque o filé de peixe por cima das rodelas de limão e arrume o aspargo envolta. Regue tudo com o restante do molho de missô.
Feche o papel alumínio formando um papelote. Leve para assar no forno pré-aquecido por 20 minutos. Retire do forno, deixe descansar por 3 minutos e abra o papelote com cuidado para sair o vapor. Descarte as rodelas de limão e sirva tudo regado com o molho que formou dentro do papelote. Acompanhe com arroz integral ou selvagem.

Claro que aproveitei para usar ingredientes que já tinha em casa. Acho a tilápia um peixe super coringa. Como ele pode ser comprado congelado em porções individuais, é a opção perfeita para quem mora sozinho e não quer fazer comida em grandes quantidades para não sobrar muito.

Além da praticidade de ser comprada individualmente, a tilápia tem um sabor super suave. Com isso, ela pode ser combinada com qualquer tipo de molho, o que também ajuda na hora de criar combinações diferentes e saborosas. Desta vez, aproveitei para fazer uma combinação com inspirações orientais. Quem sabe da próxima não vá por outro caminho?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Combinações diferentes

À primeira vista, esta receita de hoje pode até parecer um pouco estranha. Certamente foi esse o comentário que minha mãe fez quando contei que tinha juntado camarão com um molho típico argentino para carnes e um acompanhamento bem italiano que geralmente se come com molho de tomate, a polenta.

Mas acredite, essa gororoba que fiz para meu jantar dia desses ficou absolutamente divina! Não sei se é porque adoro todos esses elementos separados, então para mim juntá-los num só prato apenas trouxe ingredientes que já amo para interagirem entre si.

Polenta com camarão ao molho chimichurri

Polenta com camarão ao molho chimichurri

40 g de farinha de milho para polenta instantânea
200 ml de água
120 g de camarão fresco
suco de 1 limão
1 col. de sopa de chimichurri
azeite, sal, pimenta calabresa e raspas de limão a gosto

Modo de preparo:
Ferva a água temperada com sal a gosto. Assim que começar a ferver, abaixe bem o fogo e vá acrescentando a farinha de milho aos poucos mexendo sempre para não empelotar. Continue mexendo enquanto cozinha em fogo baixo até engrossar e começar a desgrudar da lateral da panela (aproximadamente 5 minutos). Desligue o fogo e reserve.
Tempere o camarão com o suco de limão, sal e rapas de limão a gosto. Arrume numa forma refratária regada com um fio de azeite e leve ao forno baixo (180˚C) por 10 minutos ou até atingir o ponto desejado. Na hora de servir, arrume os camarões por cima da polenta cremosa, salpique pimenta calabresa a gosto e derrame o molho chimichurri em cima no final.

Nem sei se tirei a inspiração para esta receita de algum lugar especificamente. Acho que já vi e testei tantas receitas nesses últimos meses que comecei a inventar combinações da minha cabeça mesmo com ingredientes fáceis que achava por aí em casa.

A verdade é que gostei demais de combinar elementos inusitados que talvez pudesse parecer que não combinariam muito bem entre si. Aconselho a todos que gostem de cozinhar a fazer o mesmo. Deixe sua imaginação rolar solta, combine o que quiser e crie receitas diferentes e deliciosas. Comigo funcionou demais!

Por hoje é só.

Bon appetit!

Buscando alternativas

Parece que virou moda essa tal de doença celíaca. A triste verdade é que esse problema não é nada novo mas só agora está sendo tratado com a importância devida.  Por muitos anos as pessoas que sofrem por intolerância ao glúten, proteína presente no grão do trigo, eram impedidas de comer delícias como massas, pizzas e pães fresquinhos já que todos estes ingredientes tem como matéria base o trigo e seus derivados.

A notícia boa é que já estão surgindo diversas opções no mercado para reverter o problema. É possível encontrar pães, macarrões, farinhas e muitos outros ingredientes feitos à base de arroz ou quinoa, para citar apenas alguns exemplos. Este delicioso macarrão à base de arroz, que usei como ingrediente da receita de hoje, é uma ótima alternativa.

Fussili cremoso ao funghi secchi com ervilha

Fussili cremoso ao funghi secchi com ervilha

60 g de macarrão de arroz
15 g de funghi secchi
80 g de ervilha em conserva
1 dente de alho amassado
1/2 col. de sopa de farinha de arroz
30 ml de vinho branco
60 ml de caldo do funghi
1 polenguinho
azeite, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Aqueça 200 ml de água e tire logo antes de ferver. Despeje numa tigela e acrescente o funghi secchi para hidratar. Deixe reservado por pelo menos 20 minutos.
Ferva 500 ml de água e cozinhe o macarrão, como qualquer outro, até ficar al dente (aproximadamente 7 minutos). Escorra e reserve. Regue com um fio de azeite para não grudar.
Numa panela antiaderente, refogue o alho amassado com um fio de azeite até ficar aromático. Acrescente o funghi já hidratado e cortado em pedaços pequenos. Mexa para refogar um pouco e aquecer. Despeje o vinho branco e deixe ferver até secar quase todo o líquido.
Dissolva a farinha de arroz em 60 ml do caldo do funghi para tirar qualquer bolinha que formar. Acrescente à panela e mexa constantemente até engrossar. Junte a ervilha e o polenguinho e mexa para formar um molho cremoso. Por fim, despeje o macarrão reservado e mexa bem para incorporar todos os ingredientes. Sirva a seguir.

Como eu não sofro de intolerância ao glúten não tenho como ter certeza se os demais ingredientes desta receita são seguros para os celíacos pois não me preocupei totalmente com isso na hora de preparar. A minha intenção aqui era apenas mostrar que agora estão começando a surgir opções para que eles possam também saborear de mais algumas delícias na cozinha.

No fim esta receita pode ser preparada de maneira convencional com macarrão e farinha feitas de trigo. A combinação dos ingredientes e o molho cremoso que se formou no final ficou uma verdadeira delícia. Por coincidência também preparei este prato totalmente vegetariano. Mas se você quiser colocar um pouco mais de sustância vale acrescentar camarões grelhados por cima na hora de servir. Fica absolutamente sensacional.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Mil e um sabores

Tem dias que o que mais queremos é um belo prato de comida simples e sem complicações. Com a correria do dia a dia fica difícil preparar comidas elaboradas regularmente. Para isso, tenho guardado na gaveta uma lista de refeições express que posso preparar em menos de 30 minutos quando chego em casa no fim do dia.

Uma das vantagens de ter uma despensa bem estocada é poder elaborar até os pratos mais simples. Quando viajei para Buenos Aires alguns meses atrás, fiz questão de comprar uma generosa dose de molho chimichurri para ter sempre à mão. Assim, sempre que quero algo saborosamente picante sem ter muito trabalho, é só acrescentar e me deliciar com o sabor.

Filé ao molho chimichurri

Filé ao molho chimichurri

1 medalhão de filé mignon
2 col. de sopa de molho chimichurri
sal a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno a 210˚C. Tempere o filé com sal a gosto e arrume numa forma refratária antiaderente. Espalhe o molho chimichurri por cima da carne e leve para assar por 22 a 25 minutos ou até atingir o ponto desejado. Sirva com arroz integral e legumes cozidos.

Muito utilizado na culinária argentina, o molho chimichurri nada mais é do que uma mistura deliciosa de temperos e ervas aromáticas. A combinação dos diversos ingredientes faz deste molho um ótimo companheiro para qualquer carne, especialmente os filés assados.

Certamente a praticidade de comprar o molho pronto facilita e muito a vida. Mas para quem quiser se aventurar ainda mais na cozinha é possível preparar um belo chimichurri bem caseiro. Basta misturar os seguintes ingredientes: salsinha, alho, cebola, tomilho, orégano, pimenta calabresa moída, pimentão vermelho, pimenta do reino, louro, mostarda em pó, salsão, vinagre e azeite. Dá água na boca só de pensar, não é mesmo?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Aquele toque especial

Convenhamos, um belo medalhão de filé mignon já é absolutamente sensacional sozinho. Ainda mais se for assado da maneira correta para ficar tostadinho por fora e perfeitamente rosa por dentro. Absurdamente macio, o filé mignon é considerado por muitos o corte mais nobre de carne vermelha. Eu concordo plenamente.

Por ser tão saboroso, apesar da baixa quantidade de gordura que tem (o que não deixa de ser uma vantagem para quem quer manter uma alimentação saudável), às vezes um simples molho caseiro já é suficiente para completar o prato do filé. Hoje trago para vocês uma adaptação que fiz de um molho originalmente sugerido para comer com nuggets de frango. Ficou divino.

Filé mignon ao molho de amora com mostarda e mel

Filé mignon ao molho de amora com mostarda e mel

1 medalhão médio de filé mignon
100 g de amora congelada
1 col. de chá de mel
1 col. de sopa de mostarda
sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo:
Tempere a carne com sal e pimenta do reino moída na hora a gosto. Pré-aqueça o forno em 200˚C e leve o filé para assar por 25 minutos, ou até atingir o ponto desejado. É importante deixar o filé já temperado em temperatura ambiente por pelo menos 20 minutos antes de colocar para assar. Assim, ele irá cozinhar de maneira uniforme e não apenas dourar por fora permanecendo cru por dentro.
Enquanto isso, coloque as amoras numa tigela e deixe em temperatura ambiente por 10 a 15 minutos para que comece a descongelar. Quando estiver mais maleável acrescente o mel e a mostarda e mexa com cuidado para incorporar todos os ingredientes.
Cinco minutos antes da carne ficar pronta, retire do forno e despeje o molho por cima. Retorne o filé para terminar de assar. Sirva com legumes grelhados ou cozidos no vapor.

A verdade é que esta quantidade de molho é mais do que suficiente para servir 2 pessoas. Entretanto, como adoro amoras e por ter achado a combinação tão deliciosa, acabei comendo todo ele com o único medalhão de filé que preparei. Por isso que na foto parece que a carne foi devorada pelo molho.

A simplicidade deste prato faz dele uma ótima opção para um almoço ou jantar corrido no meio da semana. Além disso, é possível brincar com outros sabores e criar novos molhos. Que tal experimentar trocar as amoras por outras frutas como mirtílos ou framboesas? Certamente elas trarão uma dimensão de sabor tão gostosa quanto a original.

Por hoje é só.

Bon appetit!