Misturando sabores

Quem disse que geleia apenas pode ser saboreada na torrada do café da manhã ou com o bolinho no lanche da tarde? Este doce delicioso é tão eclético que funciona super bem também para preparar molhos e temperos especiais para as carnes no almoço ou jantar.

Amo geleias. Tanto que até já preparei minhas versões caseiras como compartilhei com vocês neste post da geleia de morango e neste da de cereja. E adoraria, também, ter feito este prato de hoje com uma dessas delícias feitas em casa. Mas como não encontrei uma boa receita de geleia de laranja ainda, desta vez foi industrializada mesmo.

Tilápia ao vinagrete de laranja

Tilápia ao vinagrete de laranja

1 filé de tilápia
1 col. de sopa de geleia de laranja
1 col. de chá de azeite
1 col. de chá de vinagre de vinho branco
1 col. de chá de suco de laranja concentrado
sal e páprica picante a gosto

Modo de preparo:
Tempere a tilápia com sal e páprica picante a gosto. Numa tigela, misture a geleia de laranja com o azeite, o vinagre e o suco de laranja concentrado. Mexa bem até ficar completamente homogêneo.
Pré-aqueça o forno em 200˚C. Arrume o filé no centro de duas folhas de papel alumínio. Espalhe a mistura de geleia por cima do peixe e feche o papel formando um papelote de alumínio.
Leve ao forno pré-aquecido e deixe assar por 15 minutos. Retire do forno, deixe descansar 5 minutos e abra o papelote com cuidado para sair o vapor quente. Sirva com arroz selvagem e legumes verdes cozidos no vapor.

Assar peixes em papelotes como este não só garantem que eles fiquem super suculentos como também fazem do vinagrete de geleia de laranja um molho delicioso. O vapor formado durante o processo acaba derretendo a geleia e transformando a mistura num molho delicado e macio.

Para quem gosta de misturar sabores salgados com doces esta receita é espetacular. A páprica picante colocada no peixe para temperar antes de adicionar a geleia forma uma combinação divina com o molho e acrescenta uma pitada de ardor ao prato. Nada como misturar todos os sabores, salgado, doce e picante, numa garfada só.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

Um toque de sofisticação

É com muita felicidade que hoje comemoro nove meses de blog! Só posso agradecer a todos vocês que me acompanham diariamente nessa jornada para mostrar que comer bem e de maneira saudável não significa ficar na saladinha o tempo todo. Mas eu quero saber sua opinião também! Adoro receber dicas e sugestões de novas receitas para testar. Não esqueça de deixar um comentário nos posts. Vou adorar!

E para comemorar estes nove meses lindos que tenho passado ao lado do meu filhote (o blog), trago uma receita simples mas deliciosa que serve para um jantar mais sofisticado sem ter o trabalho de fazer algo muito elaborado. Não sei vocês, mas eu acho que um belo filé de salmão já deixa qualquer refeição com um toque a mais. E esta receita é tão maravilhosa que vale a pena ser feita com frequência.

Salmão ao molho de uva com alho-poró

Salmão ao molho de uva com alho-poró

1 posta média de salmão
1 cacho médio de uva sem caroço (aprox. 15 uvas)
1 col. de sopa de azeitonas verdes picadas
50 g de alho-poró cortado em rodelas
1 col. de sopa de cebolinha picada
1 col. de chá de vinagre de vinho tinto
suco de 1 limão
azeite, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Tempere o filé de salmão com o suco do limão, sal e pimenta a gosto. Pré-aqueça o forno em 200˚C. Arrume duas folhas de papel alumínio e forme um trouxa para o salmão. Feche bem para que nenhum vapor escape durante o cozimento. Leve o peixe para assar no papelote de alumínio por 20 minutos ou até atingir o ponto desejado.
Enquanto isso, aqueça uma panela antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o alho-poró e a cebolinha até ficarem macios. Acrescente a azeitona verde picada e as uvas cortadas ao meio. Mexa bem para incorporar tudo e aquecer levemente os demais ingredientes.
Retire o molho do fogo e acrescente o vinagre. Derrame por cima do salmão e sirva acompanhado de arroz selvagem ou couscous marroquino.

Como já comentei diversas vezes aqui no blog, adoro assar carnes e peixes em papelote de alumínio. Para mim, esta é a melhor maneira de cozinhá-los, já que assim conseguem manter uma suculência interna deliciosa. Entretanto, nesta receita você pode optar por apenas grelhar o salmão. Além de também ser uma opção prática, demora menos tempo para ficar pronto.

Mas a verdadeira estrela desta receita certamente é o molho. Alho-poró e salmão formam uma combinação fantástica, e o acréscimo da uva e das azeitonas faz desde molho uma verdadeira explosão de sabores deliciosos. Outra vantagem deste prato é incluir mais frutas na alimentação. Nada melhor do que saboreá-las junto de um belo filé de salmão.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Achando a receita perfeita

Depois de várias receitas preparadas com o mesmo princípio e apenas algumas modificações acho que encontrei a versão perfeita. Quem acompanha o blog já me viu comentar sobre as vantagens de assar peixes ou filés de frango em papelotes de alumínio. Além de manter toda a maciez e suculência, quase não é necessário acrescentar gordura e não tem nada para limpar depois (a melhor parte, na minha opinião!).

O prato de hoje pode parecer mais do mesmo, mas desta vez ficou tão suculento e tão perfeito que não tem como não glorificar esta receita em particular. Talvez seja apenas o fato deu ter conseguido deixar o tempo exato assando, sem passar demais nem de menos. Mas talvez seja a combinação de ingredientes que, para mim, foi perfeita.

Peito de frango na mostarda de grãos com abobrinha e tomate cereja

Peito de frango na mostarda de grãos com abobrinha e tomate cereja

1 peito de frango médio
1/2 abobrinha média
5 tomates cereja
1 col. de sopa de mostarda de grãos
1/4 de cebola
1 col. de sobremesa de azeite
1 col. de chá de tomilho
sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Numa tigela, junte a abobrinha cortada em pedaços com os tomates cereja cortados ao meio e a cebola cortada em meia luas. Tempere com o tomilho e o azeite e mexa bem para que tudo fique coberto. Reserve.
Tempere o peito de frango com sal e pimenta a gosto. Arrume duas folhas de alumínio numa superfície plana e coloque o frango no meio. Unte a parte superior do frango com a mostarda e faça alguns furos na superfície da carne para que os temperos entrem durante o cozimento. Arrume os legumes por cima do frango e feche o alumínio formando um papelote. Tenha cuidado para que fique totalmente fechado mas ainda com espaço internamente para o vapor circular.
Asse em forno médio (210˚C) por 15 minutos. Após esse tempo, abra com cuidado o papelote para checar o cozimento. Caso seja necessário, retorne ao forno por mais 5 minutos. Deixe descansar alguns minutos com o papelote fechado antes de servir.

Além do frango ter ficado no ponto exato (nem ressecado, nem duro) tanto a abobrinha quanto o tomate acabam soltando um pouco de sua água durante o cozimento. Por isso, tudo fica molhadinho e suculento no final. O tomilho também ajuda a dar um gostinho fantástico pois combina muito bem com o sabor neutro do frango e dos vegetais.

Adoro cozinhar com papelotes de alumínio. Desde que descobri a maravilha deles evito preparar qualquer prato de outra maneira. E não é apenas por ser mais saudável. Devo confessar que a preguiça de lavar a louça depois do almoço geralmente é muito grande. Com o papelote não tem quase nada para arrumar depois. Melhor impossível, certo?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Voltando das férias com leveza

Levanta a mão quem exagerou e chutou o balde nesse carnaval. Impossível se controlar 100%, não é mesmo? Mas nada de desespero, é só achar receitinhas mais leves para voltar a rotina com tudo. E que tal um peixinho saboroso e super saudável para “começar” a semana com o pé direito?

Minha dica de hoje é inspirada numa receita que achei na internet, mas a combinação final foi criação minha. Super simples mas ainda com toque sofisticado, este prato pode ser feito em qualquer dia seja para um almoço comum ou uma ocasião mais especial.

Tilápia ao limão com espinafre e arroz preto

Tilápia ao limão com espinafre e arroz preto

1/2 xic. de chá de arroz preto
2 filés médios de tilápia
150 g de espinafre
2 dentes de alho
1 limão siciliano em rodelas
2 ramos de mix de ervas para peixe (coentro, dill, salsa, manjericão)
sal, pimenta calabresa e azeite a gosto

Modo de preparo:
Ferva 2 1/2 xic. de água. Acrescente o arroz e cozinhe em fogo baixo com leve fervura de 40 a 45 minutos. Regue com um fio de azeite e reserve.
Tempere os filés com sal a gosto. Corte 4 folhas de papel alumínio grandes. Coloque duas em cima da mesa e arrume metade das rodelas de limão no centro. Posicione o mix de ervas por cima do limão e finalize com o filé de tilápia. Corte um dente de alho em fatias e arrume por cima do peixe. Por fim, lave bem as folhas de espinafre e coloque metade delas em cima do filé.
Feche bem o papelote de alumínio para que o vapor não escape enquanto estiver cozinhando. Repita com o outro filé e leve ambos para assar numa grelha elétrica em fogo alto. Cozinhe por 15 ou 20 minutos ou até o peixe ficar pronto. Abra o papelote com cuidado. Regue com azeite e salpique pimenta calabresa a gosto. Sirva acompanhado do arroz preto.

Rende 2 porções.

Simples e elegante, esta sugestão não deixa de contemplar uma refeição completa com direito a prato principal e acompanhamento. Entretanto, o espinafre e o arroz preto podem muito bem serem substituídos por outras opções caso preferir.

O trio de sabores, para meu gosto, ficou espetacular. O único porém desta receita é o tempo que demora para cozinhar o arroz preto. Por ser integral e ainda conter a casca, leva muito mais tempo para ficar na consistência exata. Entretanto, seu sabor delicado e exótico vale o tempo de espera para ficar pronto. Nem que seja uma vez na vida vale a pena experimentar.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Suculento na medida certa

É bem verdade que para fazer um almoço ou jantar sofisticado as vezes precisamos investir um pouco de tempo e esforço (como contei aqui ontem). Cozinhar para o dia a dia é bem diferente do que preparar uma refeição estilo gourmet. Mas o que muita gente não sabe é que também é possível fazer um prato simplesmente sensacional sem dificuldade nenhuma.

Com alguns ingredientes chave e técnicas bem simples um singelo filé de salmão grelhado pode se transformar em uma refeição digna de restaurante cinco estrelas. E a melhor parte é que quem estiver saboreando sua preparação não vai suspeitar nunca que você preparou aquele banquete em menos de 30 minutos.

Salmão grelhado com mostarda de ervas

Salmão grelhado com mostarda de ervas

1 pedaço médio de salmão
1 limão siciliano
1 punhado de ervas para peixe (dill, coentro, salsinha, capim limão)
1 dente de alho
2 col. de sopa de mostarda rústica (com sementes)

Modo de preparo:
Separe um pouco de cada erva e pique bem. Numa tigela, misture a mostarda com as ervas e o dente de alho amassado. Reserve. Tempere o file de salmão com sal a gosto.
Abra um pedaço de papel alumínio e arrume fatias finas do limão siciliano no centro. Por cima do limão, coloque o restante das ervas para peixe. Não é preciso cortar.
Posicione o filé de salmão em cima das fatias do limão e das ervas. Por fim, espalhe a mistura de mostarda na parte de cima do peixe. Feche o papel alumínio para formar um papelote. Certifique-se de que esteja bem fechado para que o vapor não escape enquanto estiver cozinhando. Aqueça uma grelha elétrica em temperatura quente e coloque o papelote em cima. Deixe grelhar por no mínimo 20 minutos.
Abra o papel alumínio com cuidado para verificar se o peixe já está cozido. Caso for preciso, deixe mais alguns minutos para terminar de cozinhar. Descarte as rodelas de limão e as ervas e sirva o peixe com legumes cozidos.

Não canso de falar o quanto cozinhar peixes e frangos no vapor em papelotes de papel alumínio deixa os pedaços de carne simplesmente fantásticos! Como mostrei nesta e nesta receita, além de manterem sua umidade e suculência, adquirem todos os sabores deliciosos dos demais ingredientes que estiverem juntos dentro do papelote.

Muitas pessoas reclamam que o salmão é um peixe que fica extremamente ressecado se não for cozido com azeite ou manteiga. Com esta receita descobri a maneira perfeita de preparar salmão sem precisar acrescentar gordura. Isso porque as fatias de limão proporcionam aquela umidade necessária para não ressecar o peixe. Além de, claro, deixá-lo com um gostinho absolutamente divino.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Brincando de ser gourmet

Desde que comecei a brincar de cozinheira (e passei a assistir inúmeros programas de culinária) estava com vontade de preparar uma refeição verdadeiramente sofisticada, com direito à entrada, prato principal, acompanhamento e sobremesa. Mas como concretizar essa vontade se moro sozinha e cozinho para uma pessoa só, eu?

A solução foi usar minha querida mamãe como cobaia (sempre a melhor pessoa para te elogiar seja qual for o resultado da brincadeira, fica a dica). Aproveitei que estava passando o final de semana na casa dela e resolvi preparar um almoço especial. A sobremesa vocês já conheceram (publiquei a receita aqui ontem do crepe de cacau). Agora é a vez do prato principal com o acompanhamento. E só digo uma coisa, ficou absolutamente divino!

Peito de frango com trança de vegetais e arroz selvagem

Peito de frango com trança de vegetais e arroz selvagem

1/2 xíc. de chá de arroz selvagem
2 peitos de frango sem pele (com aproximadamente 200 g cada um)
100 g de cogumelo paris fatiado
1 abobrinha grande
1 cenoura grande
1/3 de nabo
100 ml de vinho branco seco
sal, pimenta e alecrim a gosto

Modo de preparo:
Ferva 2 xíc. de chá de água e acrescente o arroz selvagem. Mantenha uma leve fervura e cozinhe por 45 minutos em fogo baixo com a tampa parcialmente fechada. Quando estiver pronto, coe o arroz e regue com um fio de azeite. Reserve.
Tempere os peitos de frango com sal, pimenta e alecrim a gosto. Reserve.
Corte a cenoura e o nabo em tiras compridas e finas. Retire a casca da abobrinha com cuidado e corte em tiras aproximadamente do mesmo tamanho dos pedaços de cenoura e nabo. Descarte o miolo da abobrinha. Prepare ume tigela com água gelada e gelo. Numa panela, ferva 300 ml de água e cozinhe os vegetais por no máximo 3 minutos. Eles devem amaciar um pouco mas permanecerem al dente.
Depois desse tempo, coloque imediatamente na bacia com água gelada para que mantenham sua consistência. Arrume um pedaço de papel manteiga em cima do balcão. Com cuidado, comece a trançar os vegetais para formar uma rede. Faça duas tranças separadas alternando os pedaços de cenoura, abobrinha e nabo para que fiquem bem coloridas.

montagem
Corte dois pedaços grandes de papel alumínio e coloque sobre o balcão. Posicione o peito de frango temperado no meio e arrume metade dos cogumelos por cima. Com cuidado, coloque a trança de vegetais em cima dos cogumelos. Regue com um fio de azeite e metade do vinho. Feche o papelote de alumínio certificando-se de que está totalmente fechado para que o vapor não escape. Repita o procedimente com o outro pedaço de frango.
Arrume os dois papelotes numa forma refratária e leve para assar em forno pré-aquecido a 200˚C de 20 a 30 minutos. Na hora de servir, abra o papel alumínio com cuidado para sair o vapor quente. Arrume no prato metade do arroz selvagem e o peito de frango com a trança de legumes.

Rende 2 porções.

Não vou mentir, este almoço (e principalmente este prato) requer um pouco de paciência e trabalho para preparar. Mas o resultado vale muito a pena. Toda vez que assamos pedaços de carne em papelotes de alumínio eles ficam super suculentos e macios pois não perdem sua umidade. Já o vinho branco ajuda a deixar o frango super molhadinho.

A trança de legumes e as fatias de cogumelo trazem uma delicadeza ao prato e complementam maravilhosamente bem a simplicidade do peito de frango. A opção de acompanhar o almoço com o arroz selvagem foi ideia minha (já que não estava incluída na receita original). No fim ambos se complementaram divinamente e o almoço foi um sucesso. Não deixa de ser uma ótima opção quando quiser impressionar seus convidados. Super recomendo.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Gourmet sem complicações

Quando estamos sem muito tempo para preparar uma refeição elaborada procuramos técnicas e métodos que facilitem nossas vidas. Eu, por morar sozinha, faço essa busca diariamente já que estou sempre cozinhando apenas para uma pessoa. Confesso que tem dias que fico com preguiça de fazer coisas complexas demais só para mim.

Uma técnica fantástica que descobri esses dias foi a de cozinhar peixes em papelotes de papel alumínio. Além de serem perfeitos para contabilizar porções individuais, não sujo nenhuma panela enquanto preparo um prato delicioso. Tem coisa melhor do que não ter montes de louça para lavar depois daquele almoço gostoso e aconchegante?

Tilápia no papelote com vegetais

Tilápia no papelote com vegetais

1 filé de tilapia (120 g)
100 g de tomate cereja cortados em quatro
¼ de cebola roxa cortada em tiras
75 g de vagem macarrão cortadas em pedaços
1 col. de sopa de azeitonas pretas picadas
suco de 1 limão
1 col. de sobremesa de alcaparras
1 col. de chá de orégano
1 col. de chá de azeite
sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de preparo:
Aqueça uma grelha elétrica em temperatura alta. Numa tigela, junte os tomates cortados em quatro, a cebola fatiada, a vagem cortada em pedaços, as azeitonas picadas, as alcaparras, o orégano, o suco de limão e o azeite. Misture bem para que todos os vegetais peguem o sabor do limão e do azeite. Salpique uma pitada de sal e de pimenta-do-reino. Reserve.
Tempere o peixe com sal e pimenta a gosto. Para preparar os papelotes, arrume duas folhas retangulares (20 x 25 cm) de papel alumínio sobre uma superfície lisa. Coloque o filé no centro e arrume os vegetais com a marinada por cima. Com cuidado, levante as abas do papel alumínio e junte-as como se fosse um embrulho. Feche bem o pacotinho certificando-se de que está hermeticamente fechado para que o vapor não escape.
Coloque o papelote sobre a grelha e deixe cozinhar e 15 a 20 minutos até que o peixe fique pronto. Tenha cuidado ao abrir o pacote pois o vapor que sairá estará bem quente. Sirva acompanhado de arroz integral.

A melhor parte de cozinhar peixes com esta técnica é que eles ficam macios e suculentos usando uma quantidade mínima de azeite (apenas o da marinada dos vegetais). Quando assamos peixes no forno é preciso usar uma quantidade bem maior de azeite se quisermos que atinjam esta consistência (sem o azeite ele fica um pouco ressecado).

Outra vantagem desta técnica é que o tempo de cozimento é reduzido já que o vapor formado dentro do papelote acelera o processo. Vale checar se o peixe já está pronto com 10 minutos de grelha para avaliar quanto tempo ainda resta. Quando eu fiz este prato, deixei um total de 15 minutos na grelha pois a minha não chega a uma temperatura extremamente alta. No fim o tempo total depende de cada aparelho.

Por hoje é só.

Bon appetit!