Novidades caseiras

O post de hoje é mais um que entra para a lista das delícias caseiras mais rápidas e mais baratas que suas respectivas primas encontradas em restaurantes. Já fiz outros wraps na minha vida de chef de cozinha. Inclusive compartilhei o clássico de salmão defumado com vocês aqui algum tempo atrás. Ou mesmo o de peito de peru defumado light.

Mas este de hoje achei válido testar de novo pois encontrei algo sensacional no supermercado. Atum defumado! Que delícia. Quem disse que peixe defumado tem que ser só salmão? Acaba virando falta de imaginação ficar sempre na mesma. Quando achei o atum defumado tive que comprar para provar. E, claro, amei!

Wrap caseiro de atum defumado

Wrap caseiro de atum defumado

1 unidade de wrap integral
2 col. de sopa de creme de ricota light
100 g de atum defumado congelado
2 unidades de pimentão vermelho em conserva
folhas verdes a gosto

Modo de preparo:
Retire o atum defumado e deixe descongelar em temperatura ambiente de 20 a 30 minutos. Você pode deixar descongelando também dentro da geladeira de 2 a 4 horas antes de usar.
Aqueça o wrap numa frigideira antiaderente por 3 minutos ou leve para assar em forno baixo (180˚C) por 10 minutos apenas para aquecer levemente. O wrap já é pré-cozido e precisa apenas de poucos minutos para ficar pronto para usar.
Espalhe o creme de ricota light por todo o wrap. Arrume as folhas verdes e por cima coloque as fatias de atum defumado. Por fim, posicione o pimentão em conserva no centro de tudo.
Enrole o wrap com cuidado para que o recheio não saia. Corte ao meio e saboreie com uma bela saladinha ou caneca de sopa.

Aproveitei esse restinho de pimentão vermelho em conserva que ainda tinha guardado na minha geladeira para dar um toque a mais no wrap. Pensei que o sabor adocicado da conserva do pimentão cairia muito bem com o atum defumado e estava certa. A combinação de gostos ficou absolutamente sensacional.

Você pode escolher, também, outros acompanhamentos para o recheio de atum defumado do seu wrap. Experimente colocar cebolas caramelizadas ou alcachofras cozidas. O resultado fica uma delícia. Mas se quiser saborear o sensacional atum na sua majestosa solidão certamente não irá ficar decepcionado. Sozinho ele já é perfeito também.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Anúncios

Inspirações momentâneas

Tem dias que a inspiração bate do nada e conseguimos transformar coisas simples em pratos super sofisticados e deliciosos. Neste caso, o melhor foi que quando descrevi a receita criada as pessoas ficaram absolutamente impressionadas. Depois que expliquei a história por trás começaram a rir.

A verdade é que minha intenção não era mesmo criar algo sofisticado. Apenas estava com preguiça de sair para comer, abri a geladeira e achei esta lista de ingredientes em casa. Juntei tudo e saiu isso. E não é que o resultado final ficou absolutamente divino? O que a inspiração não faz com uma pessoa.

Farfale integral ao molho de espinafre com carpaccio de haddock

Farfale integral ao molho de espinafre com carppacio de haddock

55 g de farfale integral
100 g carpaccio de haddock
15 g de funghi secchi
120 ml de leite
20 g de espinafre picado congelado
1 col. de sobremesa de farinha de trigo
50 g de pimentão vermelho em conserva
azeite, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Aqueça 300 ml de água e tire logo antes de ferver. Coloque o funghi secchi de molho por pelo menos 30 minutos. Escorra e corte em pedaços pequenos. Reserve.
Ferva 500 ml de água e cozinhe o macarrão seguindo as instruções da embalagem até ficar al dente. Escorra e reserve em uma tigela. Regue com um fio de azeite para não grudar.
Aqueça o leite em uma panela antiaderente. Quando começar a querer ferver, abaixe o fogo e acrescente o espinafre congelado. Mexa constantemente até dissolver por completo. Tempere com sal e pimenta a gosto e junte a farinha. Mexa bem para não empelotar até engrossar.
Desligue o fogo e junte o funghi e o macarrão cozidos ao molho na panela. Mexa para incorporar tudo. Na hora de servir, arrume por cima o carpaccio de haddock e o pimentão vermelho picados. Sirva com uma saladinha verde.

Esta receita pode parecer super sofisticada e complexa mas a verdade é que ela foi criada num surto de inspiração momentânea misturada com a preguiça que eu estava de sair para almoçar. Abri a geladeira, o freezer e a dispensa e percebi que tinha todos os ingredientes necessários para fazer uma refeição completa.

Mais uma vez este prato de hoje mostra a importância de termos uma cozinha bem equipada para momentos de preguiça como este. Tendo um bom peixe (ou carpaccio como neste caso) e bons legumes congelados já é meio caminho andado. Depois é só escolher um carboidrato e complementos para deixar o almoço simplesmente delicioso.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Quando a preguiça bate na porta

Tem dias que a preguiça toma conta como nunca. Quando isso acontece, fico sem vontade de ligar até o forno, quanto mais pensar em algo elaborado ou complexo para fazer para o jantar. Para noites assim, nada melhor do que ter na geladeira alguns ovos e outros ingredientes rápidos para fazer aquela omelete esperta.

Gosto de criar recheios para omeletes na hora que vou fazê-las. O mais divertido é abrir a despensa ou a geladeira e juntar aquilo que já tenho em casa em combinações inusitadas. Nada de ter que pensar com antecedência no que vou precisar comprar para fazer minha janta. Foi assim que surgiu este prato. Aproveitei para terminar com um vidro de pimentão em conserva que tinha na geladeira e usar o resto do shitake que não tinha terminado do dia anterior. Ficou uma delícia.

Omelete de shitake e pimentão vermelho em conserva

Omelete de shitake e pimentão vermelho em conserva

1 ovo
2 claras
100 g de shitake fresco
1 col. de sopa de cebolinha picada
1 un. de pimentão vermelho em conserva
azeite, manjericão, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Quebre o ovo e derrame numa tigela. Acrescente as claras e bata levemente com um garfo até ficar homogêneo. Tempere com sal e pimenta do reino a gosto. Pique o pimentão vermelho e o shitake e reserve.
Aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio e regue com um fio de azeite. Refogue o shitake até murchar e reserve num prato. Despeje a mistura de ovos na frigideira e mexa delicadamente para cobrir toda a superfície. Quando começar a firmar, mexa com uma espátula e acrescente o shitake refogado e o pimentão picado.
Sirva por cima de torradas e salpique com a cebolinha e o manjericão a gosto.

Chamo de omelete o que na verdade chega a ser mais um ovo mexido. O motivo: já tentei fazer aquelas omeletes lindas e perfeitamente dobradas ao meio mas sempre dá errado. Os ovos acabam quebrando quando tento virá-los e termino fazendo um grande mexidão mesmo.

No fim, seja em forma de omelete ou em forma de ovos mexidos, este prato é uma ótima opção para esses dias preguiçosos. Nada como ter um delicioso jantar na mesa em menos de 10 minutos sem muita louça para lavar no final. Depois ainda dá para curtir a preguiça vendo aquele filme gostoso e bebendo uma bela taça de vinho. Pitoresco, não?

Por hoje é só.

Bon appetit!

Para facilitar a vida

Seguindo no mesmo ritmo de ontem, a opção e dica que trago para vocês hoje é de uma salada reforçada que fica pronta em 5 minutos. Feita quase exclusivamente de ingredientes que podemos ter guardados na despensa, ela é perfeita para levar como almoço de trabalho já que despensa refrigeração se for preparada de manhã para ser consumida no meio do dia.

Fiz esta receita num dia super corrido em que precisei comer a primeira coisa que vi pela frente. Como tinha estes ingredientes em casa, acabei criando esta mistura e ficou uma delícia. Dito isso, você também pode criar outras combinações dependendo do que já tiver em casa. A intenção aqui é facilitar a vida ao máximo e não complicar tendo que comprar ingredientes específicos.

Salada de beterraba com feijão verde

Salada de beterraba com feijão verde

80 g de beterraba em cubos cozida no vapor
80 g de feijão verde em conserva
50 g de cebola roxa picada
50 g de pimentão vermelho picado
sal, pimenta, azeite e cebolinha a gosto

Modo de preparo:
Abra a embalagem de beterraba em cubos cozida no vapor e separe a porção desejada. Faça o mesmo com o feijão verde em conserva. Pique a cebola e o pimentão verde e junte todos os ingredientes numa tigela para que fique bem misturado. Tempere com sal, pimenta, azeite e cebolinha picada a gosto.

Desde que conheci esses pacotes de verduras cozidas no vapor e embaladas à vácuo fiquei encantada. Já provei vários, entre ervilha, beterraba, batata e até frango desfiado. Todos são gostosos e super saudáveis, já que não contêm conservantes nem utilizam óleo no preparo. Basta ajustar o tempero com sal e pimenta a gosto que formam uma refeição rápida e deliciosa.

E para completar esta salada de hoje, experimente levar junto uma latinha de sardinha ou atum conservado em água. Além de acrescentar uma boa fonte de proteína, indispensável para ter uma refeição completa, é super prático pois também dispensa refrigeração e pode ser guardado em estoque na despensa. Assim, na hora de sair para o trabalho naquela correria básica de toda manhã, é só pegar uma latinha e a salada já pronta.

Por hoje é só.

Bon appetit!

A redenção do renegado

Adoro a versatilidade do peito de frango. Muitas pessoas acham que essa é uma das carnes mais sem graça que existe e é sinônimo absoluto de uma palavra: dieta. Mas eu me recuso a pensar desta maneira e acho que a suavidade do peito de frango é o que faz dele uma das melhores opções na cozinha.

Justamente por não ter um sabor muito pronunciado, esta carne aceita as mais diversas combinações de ingredientes, temperos e texturas na hora do preparo. Apesar de dar um pouco mais de trabalho, adoro comprar o peito inteiro e cortá-lo em casa. Assim, consigo separar uma metade completa para poder recheá-la. Fica uma delícia.

Peito de frango mediterrâneo recheado

Peito de frango mediterrâneo recheado

1 metade de peito de frango
1 unidade de pimentão vermelho em conserva picado
5 azeitonas pretas picadas
1 col. de sopa de cottage
manjericão, sal e pimenta a gosto

Modo de preparo:
Pré-aqueça o forno em temperatura alta (220˚C). Pegue o peito de frango e faça um pequeno corte no meio para começar a abri-lo na metade. Pare antes de chegar no final para formar uma espécie de bolsa interna na carne.
Pique bem o pimentão vermelho em conserva e as azeitonas pretas. Misture numa tigela com o cottage e o manjericão rasgado bem miúdo. Tempere com sal e pimenta a gosto e recheie a bolsa interna do frango.
Prenda as duas metades com palitos para assegurar que ele não irá abrir enquanto cozinha. Tempere o peito de frango com sal e pimenta a gosto por fora e regue com um fio de azeite.
Forme uma trouxinha com papel alumínio e leve o frango para assar no papelote por 20 a 25 minutos no forno pré-aquecido. Após 20 minutos, olhe para ver se já está no ponto desejado. Sirva acompanhado de arroz 7 grãos e legumes no vapor.

Como a receita inclui uma mistura de sabores tipicamente mediterrâneos, como as azeitonas, o pimentão vermelho e o manjericão, o nome acabou ficando esse. No original a sugestão era incluir queijo feta (aquele feito de leite de cabra) esfarelado. Entretanto, como ele é mais caro e mais calórico acabei optando pelo cottage que já tinha em casa.

Assar o peito de frango no papelote de alumínio faz com que ele não perca a suculência durante o preparo. Assim evitamos que a carne fique muito ressecada, um dos grandes problemas quando assamos frango. Além disso, o papelote ajuda a manter o recheio perfeitamente dentro da bolsa criada e dá ao prato final uma sofisticação a mais. Adorei esta receita, ela ficou divinamente maravilhosa.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Versatilidade express

Quem disse que atum enlatado serve apenas para preparar cremes ou pastas e passar no pão para fazer sanduíche natural? Este peixinho suave e saboroso traz vários benefícios para nossa saúde por conter bons níveis de ômega 3 e deve ser consumido regularmente. O melhor é que eles também são extremamente versáteis e combinam com inúmeras receitas deliciosas.

Desta vez resolvi acatar meu desejo de comer um belo hambúrguer e optei por preparar um relativamente mais saudável do que os tradicionais. Achei esta receita bastante interessante e fácil de fazer. Minha surpresa foi descobrir que o sabor final ficou absolutamente divino também. Recomendo!

Hambúrguer de atum express

Hambúrguer de atum express

1 lata de atum light em pedaços
1 fatia de pão integral
1 col. de sopa de iogurte natural desnatado
1 unidade de pimentão vermelho em conserva
100 g de cebola picada
azeite, sal e pimenta a gosto

molho
1 col. de sopa de iogurte natural desnatado
1 col. de sopa de mostarda forte
1 unidade de pimentão vermelho em conserva

Modo de preparo:
Primeiro prepare o molho. Junte o iogurte natural desnatado com a mostarda forte numa tigela pequena. Misture bem para ficar homogêneo. Acrescente o pimentão vermelho bem picado e mexa para incorporar. Reserve na geladeira.
Para fazer os hambúrgueres, junte o atum em lata despedaçado, a fatia de pão integral esfarelada e o iogurte desnatado numa tigela. Acrescente o pimentão vermelho em conserva picado e a cebola picada. Tempere com sal e pimenta a gosto e misture bem com as mãos até ficar completamente homogêneo.
Forme 2 bolas achatadas e leve à geladeira por 20 minutos para firmar. Aqueça uma frigideira ou grelha antiaderente e unte com um fio de azeite. Grelhe os hambúrgueres de atum até ficarem firmes e levemente tostados. Sirva com 1 col. de sopa do molho por cima.

Rende 1 hambúrguer grande ou 2 médios.

No começo a mistura pode parecer bem mole e molhada. Entretanto, assim que ela começa a grelhar adquire uma consistência firme e fica fácil de virar o hambúrguer com a ajuda de uma espátula. O tempo de geladeira também é importante para ajudar a firmar a mistura, o que vai facilitar ainda mais na hora de virar a carne.

Depois que descobri esses pimentões vermelhos em conserva me apaixonei. Eles combinam super bem com diversas receitas e ficaram especialmente saborosos neste prato. Além de acrescentar um colorido divertido ao hambúrguer, trouxeram uma intensidade de sabor delicioso ao prato final.

Por hoje é só.

Bon appetit!

Gostosura caseira

Quem não gosta de saborear uma bela pizza num sábado à noite? Quem mora em São Paulo sabe que o horário clássico de degustar dessa delícia italiana é depois das 18hrs. Entretanto, como não sou paulistana nata, defendo que também podemos comer uma pizza na hora do almoço e, principalmente, uma divinamente feita em casa.

Mas para quem mora sozinho ou não tem muita prática com massas e outros quitutes de padaria, vale comprar os discos individuais pré-prontos. Práticos, eles são ótimos para matar aquela vontade de comer pizza sem ter o trabalho de fazer ou pedir uma inteira só para você. E o melhor, em menos de 10 minutos aquecendo na frigideira já está pronta. Fantástico, não?

Mini pizza integral de vegetais

Mini pizza integral de vegetais

1 disco de pizza individual integral
100 g de abobrinha fatiada
100 g de berinjela fatiada
100 g de tomate em rodelas
1 pimentão vermelho em conserva
50 g de ricota em rodelas finas
3 col. de sopa de molho de tomate
azeite a gosto

Modo de preparo:
Antes de começar, arrume todos os ingredientes da pizza no balcão onde estiver preparando o prato. Com isso, é possível agilizar o preparo da receita. Corte a abobrinha, a berinjela e o tomate em fatias finas. Corte a ricota em rodelas e separe as metades do pimentão vermelho em conserva.
Aqueça uma frigideira antiaderente em fogo médio e coloque o disco de pizza para esquentar. Deixe dourar 2 minutos de cada lado ou até que comece a formar pequenas bolhas na massa indicando que ela está cozinhando.
Com a pizza ainda na frigideira, espalhe o molho de tomate e arrume as rodelas de ricota. Coloque as fatias dos vegetais por cima do queijo e finalize com o pimentão vermelho em conserva. Regue com azeite a gosto. Transfira para uma assadeira e leve ao forno médio pré-aquecido em 230˚C. Deixe dourar de 3 a 5 minutos. Sirva a seguir.

Nesta versão da pizza, os vegetais não chegam a ficar completamente cozidos. Gosto de fazer assim pois eles mantêm sua textura crocante e o sabor clássico de cada um. Entretanto, se você preferir pode grelhar cada fatia de abobrinha e berinjela antes de adicioná-las à pizza. Apenas o tomate não deve ser grelhado já que solta muita água no processo.

Os legumes que funcionam melhor no preparo deste prato são realmente a berinjela e a abobrinha por seu formato longo e a facilidade de fatiá-los no sentido do comprimento. Entretanto, vale experimentar com outras opções dependendo do gosto de cada um. Cenoura, batata doce e abóbora também fariam uma bela combinação.

Por hoje é só.

Bon appetit!